segunda-feira, setembro 29, 2008

O piquenique da educação

o piquenique

Encontrei isto nos meus passeios pela blogosfera encontrei isto no blog “mg8 the queen

E aí anda a excursão atrás do Sr. Sócrates, a distribuir os "Magalhães", pelas escolas públicas, e o resto???
Querem saber de uma situação caricata (que acredito que não seja a única neste país). No Magoito existe uma escola primária, onde juntaram os alunos de duas outras de localidades perto, por dizerem que não tinham alunos suficientes, e agora não existem nesta, salas suficientes para albergar todos os alunos.
Foi falado em reuniões que seriam necessárias mais 2 salas de aula. Resposta a quem de direito: - Não existem verbas suficientes!!! Mas adivinhem, a mesma entidade, vai renovar um parque de merendas e piqueniques no Magoito. Obra, orçada em 923.688,41€
Resultado, como as crianças não podem ficar amontoadas, tipo aviários, vão ser os pais dos alunos, que se vão juntar e construir as ditas salas... Dá vontade de rir ou não dá??....


Haverá mais alguma coisa a dizer sobre as prioridades e as politicas de desta gente?

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

21 comentários:

  1. Kaos, se me permite, uma pergunta de um sintrense na diáspora.

    Que duas escolas? Bolembre e Arneiro dos Marinheiros?

    Estou pasmo, chiça!
    E se não é abusar da sua caixa de comentários deixo um link do Anterozoide que ilustra essa situação na perfeição.

    http://antero.wordpress.com/2008/09/25/entalados/

    Grato pelo espaço concedido nesta caixinha, Carlos.

    ResponderEliminar
  2. O nosso país é um ferrari com motor fiat. Tenho dito!

    ResponderEliminar
  3. Carlos:
    Muito honestamente não sei. Tirei a noticia do blog que referi e espero que seja verdadeira. (quem quer informação o melhor é correr os blogs locais que a Comunicação social nada diz).
    Quanto ao teu blog sou um fã pela tua imaginação e sentido de humor.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Estas coisas começam, a não serem estranhas, antes pelo contrário.

    Acredito que seja verdade, porque nesta terrinha tudo é permitido.

    ResponderEliminar
  5. -Eheheheheheh, -atão não era boa ideia mandar os garotos para casa e lá teriam as aulas dadas pelo magalhães... eheheheh o outro também queria que o ing. sócratino lhe explicasse quando teria oportunidade de ter aulas no primeiro andar já que anda de cadeira de rodas. ehehehehe. sabem qual foi a resposta do ing.socratino das novas fronteiras, sabem?eheheh
    a.ferreira

    ResponderEliminar
  6. E não é que ela fica bem de porca!... Ah! Ah! Ah!...

    Coyote

    ResponderEliminar
  7. É de doidos!
    Bolas ...
    Abraço amigo Kaos,
    M.

    ResponderEliminar
  8. Eh lá, que esta é comigo!

    Então mas esta gente terá políticas, quanto mais prioridades?!
    Então mas existe alguma política coerente tomada por este elenco governativo, seja na educação, na saúde, na segurança social, ou noutro ramo qualquer?

    Saudações do Marreta.

    ResponderEliminar
  9. Entidades reguladoras precisam-se, no SNS e da Educação.

    ResponderEliminar
  10. Entidades reguladoras precisam-se, no SNS e da Educação.

    ResponderEliminar
  11. ele é falta de salas, de cacifos decentes, pavilhões desportivos, coberturas para proteger os alunos nos percursos entre pavilhões e portão da escola...

    andam a pôr o carro à frente dos bois!

    ResponderEliminar
  12. Precisamos urgentemente de uma nota de $10 000 000 USD, com a cara de Sarah Palin, para podermos abordar a crise.

    (Este "nós" é como César, quando falava de si mesmo, ao mesmo tempo que amparava as mamas e soltava perdigotos de Boliequeime -- conta Suetónio)

    ResponderEliminar
  13. O nosso amigo jserra é que tem toda a razão. Este problema é mais uma das muitas trapalhadas que este governo arranja na área da educação.

    Já agora, alguém me explica porque é que os professores se querem recusar a serem avaliados?

    Como já tinha dito algures, a educação em Portugal está mal por culpa de continuados governos, da parte incompetente dos professores portugueses (Parte - não generalizo, em todas as actividades há bons e maus profissionais, apenas não há tanta protecção corporativa como na saúde e na educação), e de parte dos pais, que, quer por necessidade económica (falta de tempo para estar com os filhos e educá-los também em casa), quer por pura incompetência, tornaram os alunos os heróis de qualquer escola.

    ResponderEliminar
  14. Só cretinos e porcaria com fartura,o kaos verde à beira mar plantado...
    E assim continuará, enquanto grande parte do jardim se encontra entretido na cor das estrelas que correm no relvado, ou nas tertúlias cor de rosa...
    Escoca do piquenicão ou Magalhães mata gatos que esfolam o futuro...
    É por aqui que ele passa não é minha cenoura?
    Valham-me ao menos estas imagens, porque que a educação?!...

    ResponderEliminar
  15. Luis Gomes30/9/08 01:02

    Já ando no ensino há muitos anos e já passei por muitas escolas, muitas delas basta olhá-las por fora para perceber a miséria que lá vai dentro em termos de condições para o ensino e aprendizagem. O Sr PM ao vender portáteis pelas escolas não está a resolver problema nenhum !

    Cirrus disse,

    «Já agora, alguém me explica porque é que os professores se querem recusar a serem avaliados?»

    O governo lançou na comunicação social duas grandes mentiras sobre a avaliação de professores que infelizmente pegaram de estaca.

    1a) Os professores não eram sujeitos a avaliação .

    2a) Os professores não querem ser avaliados.

    Ora qualquer indivíduo minimamente informado sabe que todos os funcionários públicos possuem um sistema de avaliação desde meados dos anos 80, sendo que os professores não são excepção. E bastava pensar nisso para perceber para desmontar a 2ª mentira, não faz sentido os professores recusarem de repente uma coisa que sempre tiveram .

    O que os professores recusam é o novo modelo de avaliação, e têm toda a razão em fazê-lo. Ao ser uma avaliação feita por pares (colegas de trabalho) sem qq formação específica e ao meter-se a questão das notas dos alunos e das cotas para progressão pelo meio, dá para imaginar no que isto vai dar. O resultado final é que aqueles a quem a educação se destina: os alunos, deixam de ser a preocupação central de qq professor sensato.

    ResponderEliminar
  16. Fiquei elucidado.

    E não diga "como qualquer um sabe", pois isso, meu caro, é falso - para quem nunca trabalhou na Função Pública, é dificil perceber como são avaliados.

    Em relação à avaliação em si, por que razão (e repare que pergunto mesmo porque quero saber e não em retórica) as notas não devem ser consideradas, uma vez que elas reflectem, entre outras condicionantes, as condições de estudo que os alunos tiveram ao longo do ano, incluindo a qualidade dos professores? Se calhar, nem todas as más notas se devem a maus professores, mas, se calhar, algumas devem-se só e apenas a isso, como conheci muitos e muitos exemplos ao longo dos anos.

    Por outro lado, e quanto às quotas de progressão, penso que, a avaliar pelas percentagens do resto da FP (foi o que me disseram) só 5% dos funcionários ficam com a possibilidade de atingirem o topo da carreira. Ora, a ser verdade, que sorte têm os professores portugueses! Cá fora, se 5% dos funcionários, trabalhadores qualificados ou não, pudessem chegar a um qualquer topo de carreira, era uma daquelas fezadas!...

    Não tenho nada contra os professores portugueses, tive alguns óptimos professores. Mas também tive alguns péssimos, e penso que se devia começar a perceber quem são uns e outros. E aos péssimos, fazer-se como se faz cá fora: à primeira, toda a gente cai, à segunda, cai quem quer, à terceira, olhinho da rua.

    ResponderEliminar
  17. http://matosinhosverdadeiro.blogspot.com/2008/09/escola-de-guilherme-pinto.html

    ResponderEliminar
  18. Kaos,

    Primeiro que tudo quero dizer-te que não esperava por esta partida que me fizes-te, mais ficou muito gira a montagem, aliás deste-me uma bela ideia para criar as edições Magoito...

    Segundo eu não tenho por hábito mentir, ou lançar na praça publica, e muito menos num espaço que eu criei, informações que não sejam verdade (normalmente tenho as fontes como verdadeiras).

    Neste caso concreto, e isto serve tambem como resposta ao Carlos, que a escola que referi é onde anda o meu sobrinho de 5 anos, filho do meu irmão que mora ao meu lado, aqui no Magoito, e que faz parte da Associação de pais, quanto á informação da obra no parque das merendas, poderá quem quizer, consultar o site da camara de sintra - http://www.cm-sintra.pt/NoticiaDisplay.aspx?ID=5043

    Um Abraço

    ResponderEliminar
  19. Luís Gomes1/10/08 02:49

    Cirrus ,

    Os resultados escolares dos alunos não devem ser considerados por uma razão essencial :

    Na maioria dos anos escolares os alunos são avaliados apenas pelo seu próprio professor, não sendo sujeitos a qualquer avaliação externa/independente. Naturalmente que qualquer professor sensato irá manipular a avaliação dos seus alunos por forma a auferir a melhor avaliação pessoal possível
    , e o mais ridículo é que o ministério da educação agradece, aliás esse é o seu objectivo ao incluir tal parâmetro na avaliação docente.

    Sabe que o problema central de tudo isto é sempre o mesmo, uma boa avaliação tem de ser externa/independente caso contrário nunca é boa nem credível ! O mesmo se aplica à avaliação docente, tanto à antiga como a nova. O ministério da educação simplesmente não tem recursos humanos nem estruturas próprias para avaliar, pelo que acaba por depositar esse trabalho nos pares dos próprios avaliados.

    Esta nova avaliação docente tem dois propósitos fundamentais que em nada servem o ensino:

    1º) Fazer passar a ideia de que o governo está a fazer algo de essencial, e novo .

    2º) Reduzir as remunerações dos profissionais do ensino.


    O governo percebeu que ao colocar de novo a avaliação docente nas mãos dos próprios docentes, poderia não obter os maus resultados que desejava (de forma a reduzir o deficit) daí as quotas.

    Caso seja necessário, acho muito mais razoável baixar-se o nível remuneratório geral dos assalariados do estado através dos mecanismos que já temos visto : congelamento de carreiras e aumentos salariais abaixo do nível de inflação, em vez de criar hierarquias absolutamente artificiais e contraproducentes, que colocarão indivíduos que fazem exactamente o mesmo em patamares salariais muito distintos Com base em avaliações sem nenhuma credibilidade. Repare que a essência da função/actividade de um professor (ou de um médico ou de um juiz, entre outros) é a mesma, esteja ele na base ou no topo da carreira .

    ResponderEliminar
  20. Bem, meu caro, também a função de base dos engenheiros e contabilistas e demais profissões é a mesma, não me parece que ganhem todos o mesmo e ainda bem. Quem é engenheiro há menos tempo ganha menos do que quem é engenheiro há mais tempo. Faz parte da função. E nem todos chegarão a qualquer topo de carreira, como lhe disse.

    Aceito aquilo que me disse, penso que pode ter razão. No entanto, por favor, não dê o exemplo de médicos e juízes, nem se queira comparar a essas tão más classes profissionais, a menos que realmente o queira fazer, e aí a minha opinião sobre os professores muda radicalmente. A impunidade, o aproveitamento do sistema em proveito próprio e o desrespeito por todos os restantes fez dos juízes e médicos deste país umas espécies de castas de deuses, com quem não se pode mexer. Se tal é o caso dos professores (e penso ou pelo menos espero que não), então a classe está muito mal.

    A avaliação é necessária, há-de concordar. Compreendo o conflito de interesses que descreveu, mas penso que os professores, com toda a certeza, são pessoas rectas, e não farão, como as classes sociais atrás referidas, nada de ilícito para obter aproveitamentos pessoais. Se com tal não se pode contar, pois tal como disse, e cito "Naturalmente que qualquer professor sensato irá manipular a avaliação dos seus alunos por forma a auferir a melhor avaliação pessoal possível", então que raio fazem estas pessoas a educar os filhos dos outros? Andamos a pregar a rectidão, mas, assim que aparece a nossa ocasião, aparece a nossa capacidade de ser ladrão? Então, nesse caso, no qual não quero acreditar de maneira nenhuma, e quero acreditar que, como professor, o meu amigo se tenha enganado ou distraído ao escrever as palavras "professor sensato" para descrever aqueles capazes de um acto moralmente condenável, estaremos a necessitar de uma nova levada de professores, tal como já precisamos de médicos e juízes.

    Mas quero acreditar que os professores são rectos e que tudo o que disse não passou de um lapso.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  21. Perdão:
    "Edições Magoito" ou...
    Edições Bilderberg?
    Esclareçam, s.f.f.
    (ihihihihi)...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo