segunda-feira, dezembro 01, 2008

Coração de escorpião

Coração de escorpião

José Sócrates defendeu que a avaliação docente vai prosseguir porque já extravasou o âmbito exclusivo da Educação, sendo agora uma causa do partido, do Governo e dele próprio.
O Ministério da Educação está disponível para começar a negociar um novo modelo de avaliação. Assim que os sindicatos o requeiram, mas sem pré-condições, frisou, o secretário de Estado adjunto, Jorge Pedreira.

A Sinistra, o PS, o Governo e o Engenheiro sabem que não podem ganhar neste braço de ferro com os professores e tudo o que pedem agora é que lhes dêem uma saída airosa do problema em que se meteram. Custa-lhes admitir a derrota e temem que a consciência que quando nos unimos podemos vencer. Temem que os cidadãos deste país compreendam que não têm de aceitar tudo, que podem lutar e defender os seus direitos. Temem que os cidadãos tomem a consciência que vale a pena lutar.
Já agora como é que se vai para uma negociação sem pré-condições se existem princípios que se consideram inegociáveis? Cuidado com este peito aberto dos Sócretinos que o coração que bate lá dentro é venenoso.

9 comentários:

  1. contestatária1/12/08 14:39

    Mas, afinal, quais são os objectivos deste governo com o novo modelo de avaliação da carreira docente? Melhorar a qualidade do ensino? Como? Se a pressão que se faz sentir nas escolas é no sentido de passar toda a gente (mais inteligentes, menos inteligentes, esforçados, preguiçosos, assíduos, absentistas, bem comportados, mal comportados), ou seja, a exigência, a todo os níveis, é cada vez mais rudimentar e, muitas vezes, já é mesmo inexistente.
    A demagogia destes governantes é algo que assusta, pois conseguem vender gato por lebre sem que a maioria das pessoas dê pelo engodo.
    Apostar na qualificação da mão-de-obra, dizem ser a sua aposta, e, no entanto, investem milhões de euros nas "novas oportunidades" e nos cursos efa que são a fraude das fraudes. O espírito destas aberrações consiste no seguinte: as pessoas já sabem o necessário, já adquiriram competências ao longo da vida e, agora, com uns trabalhos copiados da internet ou feitos por terceiros, adquirem o diploma que certifica essas excelsas qualificações. Eu pergunto, se as pessoas já tinham todas essas qualificações, como é que um simples diploma fará aumentar a produtividade do seu trabalho? Querem maior demagogia ou, chamando a coisa pelo nome, MENTIRA para ludibriar o zé povinho e alguém arrecadar uns milhares de euros dos Fundos comunitários?
    É tudo falso. Esbanjam os Fundos destinados à qualificação da mão-de-obra e fica tudo na mesma. A única coisa que conseguem é vender muitos computadores, gostaria de saber como é que esse negócio está organizado, quem é que está a ganhar muito dinheiro com ele.
    Esta gente está a arruinar Portugal.

    ResponderEliminar
  2. Olá Kaos

    Quem está dentro do assunto diz que cada Magalhães lhes fica por 1€!

    Se eles pensam que os professores são todos ingènuos enganam-se, alguns podem ir na conversa do simplex, mas a maioria mantém-se unida. Esperemos, como dizes e bem, ser exemplo para outros trabalhadores e que se perca o Medo neste País.

    Um Abraço

    Isabel

    PS: Como vai a reforma agrária?

    ResponderEliminar
  3. Ainda não percebi isto. Explica-me. O Minisério da Educação está disponível para negociar com os sindicatos sem pré-condições mas não é uma pré-condição do ministério a manutenção deste tipo de avaliação até encontrar um novo modelo?

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. A avaliação vai avançar e no final logo vemos quem foram os derrotados.

    ResponderEliminar
  5. OS DIREITOS À INDIGNAÇãO E À RESISTÊNCIA ainda não nos conseguiram tirar!

    QUE A GREVE DO PRÓXIMO DIA 3, bem como as que forem necessárias a seguir, DÊEM UMA RESPOSTA NUNCA SENTIDA PELOS SENHORES DO PODER!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  6. E MAIS! SE A AVALIAÇÃO DEIXOU DE SER EXCLUSIVA DA MINISTRA E PASSOU A SER ALARVIDADE DO PARTIDO DO GOVERNO, A LUTA SÓ PODE INTENSIFICAR-SE CONTRA ESSE PARTIDO MASCARADO DE SOCIALISTA.

    ResponderEliminar
  7. contestatária1/12/08 20:06

    "A avaliação vai avançar e no final logo vemos quem foram os derrotados."

    Ai vemos, a maioria dos portugueses que não terão como competir com mão-de-obra qualificada de outros países e a recessão económica que não terá como parar. Diga lá, sr.(a) anónimo(a) o que é que Portugal vai produzir para satisfazer a procura interna e trocar por bens e serviços que não produz mas que deles necessita para satisfazer um sem número de necessidades?
    Portugal continuará a fornecer, para outras partes do mundo, mão-de-obra indiferenciada e barata, será sempre um país miserável. Basta que em 2013 seque a fonte das esmolas da UE. Andamos a receber Fundos há 22 anos e continuamos na cauda da Europa, mais para os lados de África: corrupção, mão-de-obra impreparada, balança comercial deficitária, dependências e mais dependências.

    ResponderEliminar
  8. Sr Anónimo

    "Água mole em pedra dura tanto dá até que fura".

    120 mil a resistir e em desobediência cívica, quem vai ganhar, quem?

    ResponderEliminar
  9. Ah,ah, isto é verdadeiramente hilariante! Então não se vê logo que isto é só mais um episódio da telenovela " A Nova Ordem Mundial"?

    ResponderEliminar