quarta-feira, abril 28, 2010

Quando o capitalismo tira a máscara

desemprego

O novo presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), António Saraiva, vai pedir o fim do valor mínimo deste subsídio (419 euros), tendo em conta que às vezes a pessoa desempregada acaba por ganhar mais do que quando trabalhava.

Porra, quando alguém que ganha 419 euros é considerado abastado relativamente a que vive do salário do seu ordenado, alguma coisa não está bem. Certamente que não são 419 euros que são uma fortuna pelo que só podem ser os salários que são de miséria. Mais vale dizerem claramente que aquilo que desejam é que os trabalhadores e os desempregados estejam tão desesperados com as suas vidas que aceitem o que lhes derem sem protestar ou hesitar. Para eles, para os Mexias deste país são 3 milhões todos eles feito de mérito.

8 comentários:

  1. Governo limita subsídio de desemprego a um máximo de 75% do último salário.

    O Governo decidiu esta quarta-feira limitar o subsídio de desemprego a um máximo de 75 por cento do último salário líquido recebido.

    O capitalismo no seu melhor. O elo mais fraco sempre a pagar a crise.

    Ainda se não houvesse falta de trabalho ou de emprego.


    Reduzir os vencimentos em 10% de quem ganha vencimentos obscenos de toda a classe privilegiada, ou acabar com todas as horas extraordinárias que não se justifica como sabemos que existem no Estado, eu próprio sou testemunha disso, principalmente na saúde está quieta oh...Bia!

    ResponderEliminar
  2. Realmente, nesta merda de país ou nos indignamos mesmo e pensamos em nos organizarmos, para uma mudança de regime, ou então gracejamos... e nesse caso eu diria: o governo estará é a incentivar os suicídios, para assim aumentar o PIB Per Capita!

    ResponderEliminar
  3. O gajo é um demagogo, mas por aqui também anda muita demagogia...

    ResponderEliminar
  4. A quem está desempregado e não aceita um emprego...eu dava-lhe um pão com manteiga. Assim desenvolvia a panificação e a indústria da manteiga.

    ResponderEliminar
  5. OS NOSSOS GOVERNANTES EM VEZ DE BAIXAREM O SUBSIDIO DE DESEMPREGO,DEVIAM ERA BAIXAR PELO MENOS 50% OS SEUS ALTISSIMOS SALÁRIOS...
    UM ABRAÇO!
    LILI

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Caro
    Kaos,
    Está a começar a aplicar-se um velho ditado da nossa sabedoria popular: "Casa aonde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão".
    Na realidade, se bem que exista muita gente que quer trabalhar e não encontra emprego, pelo menos compatível com as suas capacidades, também por outro lado, há muita gente que nãoquer fazer ponta de corno.
    Como sabe, sou fotógrafo e tenho um pequeno estúdio de bairro, pois ao chegar ao fim de cada mês é ver aparecer o pessoal com a papeleta do Centro de Emprego a pedir-me para assinar para confirmar que procuraram trabalho e não encontraram.
    Ora, isso é uma perfeita vigarice e eu não vou em botes destes, claro, que a culpa não é só de quem nada quer fazer, é igualmente deste sistema absurdo, que a troco duns votos se transformou numa espécie de Centro assistencial de todos os calões cá do país.
    Então, não seria mais razoável, que, quem tem necessidade de pessoal fizesse obrigatoriamente esse pedido para os centros de emprego e daí lhe enviassem as pessoas que se enquadrassem no perfil pretendido???
    Com esta marmelada, o que acontece é que é muito fácil ter boa vida, enquanto os pequenos empresários como é o meu caso, fechem a porta por estarem falidos por exemplo - e agora é o pão de cada dia - e não tem direito a qualquer subsídio, porque razão é que há gente que se aproveita destes esquemas e anda a gozar à conta dos outros???
    Há que ser racional, o nosso país não tem riqueza suficiente para manter tanta gente a viver à custa do Estado e um dia destes - e já não faltará muito - nem para empregados, nem para desempregados haverá dinheiro e depois vão viver de quê???
    Caro Amigo, a receita é só uma: Trabalhar, Trabalhar, Trabalhar.
    Não venham com "estórias" que não arranjando emprego, nada podem fazer, então, não há pessoas novas com capacidade de dar apoio por exemplo, a idosos que vivam sozinhos ou tenham dificuldades de mobilidade e não tenham quem os ajude ou olhe por eles, então não querem uma sociedade mais solidária ou isso é só para nós???
    Não podem ajudar na agricultura por exemplo ou a colaborar no aprimoramento dos jardins das suas zonas de residência???
    Temos tantos terrenos que poderíam ser aproveitados, porque não incentivar e ensinar quem está desempregado a cultivar, nem que sejam umas batatas e umas couves, para fazer um caldo verde lá em casa, acham, que a ideia é assim tão absurda???
    Mas, pensam que o forrobodó vai poder continuar, pensam que não vai haver fome???
    Meus Caros, preparem-se para uma austeridade de fome de rato, os nosso credores já não vão mais em tretas, querem o dinheiro deles e cada vez com mais juros, e rapidamente, que aqui o quintal já não lhes serve, como vai ser então?
    Vamos continuar nesta festa maluca???
    Pensem bem, e depois vejam se é assim tão disparatada esta minha opinião.
    Cumprimentos.

    LUSITANO

    ResponderEliminar
  8. 3 milhões de cagalhões enfiados pelas goelas desses filhos da puta todos!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo