segunda-feira, maio 03, 2010

Uma espécie de ajudas de custo...não executiva

Metro Porto


Recentemente, o Ministério das Finanças mandou vários autarcas com a acumulação de administradores não executivos na empresa do Metro repor os salários recebidos desde 1 de Janeiro de 2007. Além de Rui Rio, terão também de devolver os respectivos salários, enquanto administradores não executivos da Metro, Marco António Costa (vice-presidente da Câmara de Gaia), Mário Almeida (autarca de Vila do Conde) e Valentim Loureiro (presidente da Câmara de Gondomar). A Junta Metropolitana do Porto pronunciou-se na quarta-feira sobre o assunto e garante que os autarcas com cargos na Metro do Porto "não cometeram nenhuma ilegalidade". Considera a decisão do Ministério das Finanças relativa à devolução das remunerações "um ataque indiscriminado e totalmente injustificado".

A primeira duvida que me fica é a de saber para que raio servem administradores não executivos no Metro do Porto? A segunda constatação é ver esta gente, tão empenhada politicamente em gritar aos sete ventos na necessidade de o Estado reduzir as suas despesas e que tanto defendem a perda de direitos e salários para os trabalhadores se indignem tanto quando mexem nas suas mordomias. Pagar a outros, salários mínimos e subsídios de miséria são desperdícios, enquanto para eles a acumulação de benefícios, reformas e outras indignidades são o pagamento justo pelo seu trabalho e mérito.

2 comentários:

  1. Anónimo3/5/10 17:53

    Há quem goste de mamar em simultâneo em tetas diferentes ...
    MAMõES !

    ResponderEliminar
  2. Anónimo3/5/10 17:53

    Há quem goste de mamar em simultâneo em tetas diferentes ...
    MAMõES !

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo