sexta-feira, julho 09, 2010

Ajoelhou?...não!... Beijou

beijar os pés

O Miguel Relvas apareceu muito zangado com o Vitalino Canas por este ter dito que o Passos Coelho, na sua viagem a Madrid, se tinha ido ajoelhar em frente da Telefonica. Realmente o Paços Coelho não se foi ajoelhar, foi simplesmente beijar-lhe os pés. Dizem que será o futuro Primeiro-ministro deste país, mas sinceramente espero que tal desgraça não se abata sobre este jardim. Já nos bastou um Sócrates.

5 comentários:

  1. Estamos num labirinto com duas saídas: numa, tiram-nos a roupa que tem a carteira; na outra roubam-nos a carteira e pedem-nos a roupa!!!

    ResponderEliminar
  2. LUSITANO9/7/10 12:14

    Caro
    Kaos,
    mas afinal o que é que tu queres???
    Não gostas do Sócrates e pelos vistos ainda menos do Sr. Passos, não gostas do Salazar, o que é que há no meio, sabes dizer-me???
    De um lado, Sócrtaes e Passos são os representantes da verdadeira Extrema-Direita pura e dura, gente que não respeita pátrias, nações ou países, no outro lado, temos um indivíduo que se esforçou para que Portugal nao tivesse sido engulido há mais tempo pelo grande capital internacional (em 1926 Portugal estava à beira da insolvência e de ficar completamente nas mãos dos banqueiros estrangeiros principalmente ingleses, ninguém fala nisso, porquê?), que manteve apesar de tudo, o grande capital português com rédia curta (senão tinham feito como estes, tinham vendido até o castelo de S. Jorge, o grande capital não conhece honra ou pátria), de forma, que não conheço mais nada, no meio não existe nada.
    O comunismo também não foi capaz de se aguentar nas canelas e acabou engulido pelo grande capital (que aliás, tinha sido o seu fomentador, olaré se foi, estudem bem a influência dos Rothschild e dos Rockefeller sobre os bolcheviques e em particular sobre Lénine e Trotsky), queres então o quê? Um governo celestial???
    Meu Caro, cada vez mais, os valores morais e tradicionais estão a ir pelo cano abaixo, isto há-de chegar ao ponto em que nada nem ninguém vale nada (excepto aquela pequena elite "eleita" que sabemos), em que a vida de uma pessoa estará nas mãos de um fulano, que por simples capricho ou divertimento, o pode mandar eliminar, entretanto, quer Portugal quer outros países, tem a governá-los umas espécies de Reis Sol, "líderes" que tudo concentram em si, com um conjunto de cortesãos e cortesãs em seu redor, e a quem vão dando uns bagos de milho para os manter fiéis, esta, é a nova aristocracia da Europa, subordinada, de qualquer modo, aos interesses ocultos do grande capital.
    Tudo o resto é conversa.
    Um abraço.

    LUSITANO

    ResponderEliminar
  3. Um Espoliado9/7/10 18:31

    Se fosse somente estes os aumentos de impostos para pagar a crise, podíamos dar-nos por felizes. Só que há muitos que andam distraídos. Isto é apenas uma pequena amostra do que aí vem.

    Muitas...mas… muitas mais medidas já estão a ser estudadas para nos espoliar até ao tutano. Os considerados pobres que não pagam impostos estão isentos. E ainda têm direito a algumas mordomias do estado.

    Os ricos estão sempre na maior. Assim como as chamadas profissões liberais. Para eles nunca há crise. Quem resta? Os que são obrigados a declarar ao fisco o que ganham. A chamada classe média. São estes que vão pagar a crise com uma língua de palmo. Sim porque estes não conseguem fugir ao fisco e não têm direito a receber nada em troca.

    O Estado só vai buscar o dinheiro a quem o declara. Os outros por mais sinais exteriores de riqueza que apresentem nunca lhes acontece nada e até gozam com a situação. E assim vai caminhando este outrora pobre País, mas sem dívidas, tentando sair do buraco em que a classe política nos meteu.

    ResponderEliminar
  4. Vai é lá levar no cu, lá donde vieste, lhe disse o espabnhol, ó palhaço!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo