sábado, julho 03, 2010

DEsempreGADO

desemprego

Uns vêm-se mostrar preocupados, outros zangados, outros conformados, outros ainda esperançados ou indignados. A verdade é que todos eles conhecem bem as razões pelas quais o desemprego já bate a fasquia dos 11% e mais de 700 mil famílias portuguesas sofrem essa realidade. Podem apontar a crise internacional uns, a incapacidade do governo outros, o fraco investimento dos privados, ou a falta de produtividade, ou o raio que os parta a todos. A culpa é de todos os que aceitam que a economia do país seja governada pela gula dos mercados, pela ganância dos números e do lucro fácil e rápido a qualquer preço. A culpa é de todos que em nome da livre circulação de capitais, da auto-regulação dos mercados e da globalização ultra-liberal aceitam como inevitável que num Portugal decepado da sua industria e agricultura “ que neste país de pelintras se ache normal haver mãos desempregadas e se acha inevitável haver terras por cultivar!” como dizia o José Mário Branco, no seu ainda tão actual, “FMI”. A culpa é de todos os que escolheram esta via para o desenvolvimento do país e agora se vêm a cair no abismo da bancarrota e do empobrecimento. Par nós, porque eles terão sempre as suas reformas milionárias e a recompensa de um “empregozinho” junto dos poderosos se o desejarem.


1 comentário:

Ocorreu um erro neste dispositivo