sexta-feira, outubro 29, 2010

O Império silencioso


Lembro-me de que, quando Portugal entrou para a União Europeia ela prometia ser o bastião de justiça social e solidariedade. Que caminho se fez desde essa altura e a realidade dos tempos de hoje. Os paises mais ricos abocanham os mais pobres numa atitude imperialista inaceitavel. Controlam orçamentos de estado, definem politicas e impôem leis. Têm aprovado à força o Tratado de Lisboa, mas ainda não lhes chega. Há que calar a boca aos mais pequenos, primeiro pagando-lhes para eles destruirem o seu aparelho produtivo, depois concedendo-lhest odo o crédito fácil e barato até estarem endividados até aos tomates e agora forçando-os à subserviência em troca da subsistência. Agora é o perder o poder de voto nas decisões, é aceitar e calar das decisões dos poderosos. Só uma ruptura com tudo isto pode alterar a situação. Vamos aceitar como destino esta servidão pobre ou vamos "mexer-nos", sair da letargia e do sofá para pôr-mos as mãos à obra. Portugal fora da União Europeia e vamos em frente.

4 comentários:

  1. Acho que o Sarkozy é que devia estar ao colo da Merkel.

    ResponderEliminar
  2. Lembras-te de pouco; o que revela teres uma memória super-selectiva (assim a modos como a do Sócrates). Não te lembras que durante estes anos todos andaste a espatifar o dinheiro que eles te foram dando? E nunca o recusate pois não?? Ou tens a doce ilusão de que ganhas o que ganhas, porque és bom no que fazes???

    Esta aversão aos alemães e aos franceses é parecida com a relação entre filhos e pais: os pais avançam (sempre) com a cheta para as borgas, para os gadgets..., e os filhos estão (sempre) a dizer mal dos pais, porque eles ainda lhes dão pouco...

    E se fosses trabalhar, ou tivesses uma ideia para reduzir o defecit, em ver de perder tempo a fazer e a escrever estas inanidades absolutamente patetas que por aqui tens?

    ResponderEliminar
  3. Sim, vamos em frente, Portugal fora da UE, já.

    Ao contrário que o capitalismo diz, produzimos riqueza mais que suficiente para dar trabalho a todos.

    Se a burguesia instalada e que comeu das "ajudas" está bem-de-vida, o povo (aquele que cospe nas mãos para ganhar o pão) passa fome e dificuldades. Então pergunto: Para que nos serve a UE?

    ResponderEliminar
  4. Caro Anónimo.
    Todo o dinheiro que cá meteram foi para nos transformar naquilo que somos hoje. Tu pelos vistos é que és dos que ainda continuam a comer na gamela da Europa. Eu trabalho todos os dias e nunca recebi nenhum subsidio dos Senhores da Europa Ou acreditas que há almoços grátis para esta gente.
    Quantoa a reduzir o "defecit" estou de acordo, mas em troca vamos colocar taxas alfandegárias nos bens que importamos e refazer o sistema produtivo que nos destruiram, sem quotas e imposições.
    Se não gostas do que escrevo há por aí muito funcionário da Europa e do governo que escrevem lindas odes à mraivilha Europeia. Sempre podes ir lá lamber-lhes as botas (aí com nome e tudo paea ver se vem mais um favorzinho)

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo