terça-feira, novembro 02, 2010

As chaves da governação


Os comentadores e a comunicação social alaranjada já aclama e rejubila a chegada do Passos Coelho a São Bento. Até encomendam artigos a jornais alemães para lhe chamarem de o homem que possui as chaves da governação. Todos já o tratam por Sr. Primeiro-ministro parecendo esquecer que ainda nem há eleições marcadas, quanto mais ganhas. Menosprezam o "babar-se" do Passos Coelho na sua gula pelo poder e a falta de vergonha e sacanice do Engenheiro.
Isto, claro, porque nunca somos nós é sempre o outro do lado que vai dando o seu voto para a política de alterne em que se transformou a nossa democracia. Isto porque tantos parecem acreditar que só há um caminho, uma via para o país. A esquerda, que deveria fornecer uma alternativa credível, também ela está adormecida no discurso da economia e dos mercados. Também ela, não revolucionária mas reformista, se move dentro do capitalismo, sem rupturas com o sistema.
Porque não tentar questionar os axiomas em que dizem basear esta sociedade, aquelas verdades absolutas como a competitividade, o consumismo, a globalização e a leis do mercado. São simples conceitos que nos tolhem, que nos limitam o pensar. Mudar o paradigma daquilo que hoje se considera "felicidade e realização" por um outro menos economicista e mais humano.

3 comentários:

  1. O pior é que será mesmo assim! Pois esta Manada, à qual muitos apelidam "Povo", só sabe mesmo pastar nesses dois pastos...
    por isso só têm mais é que aguentar... e de preferência sem gritar!

    ResponderEliminar
  2. De que "axiomas" falas? Do Maio de 68? Do "nuclear não obrigado"? Do "comércio justo"? Ou de outras merdas que quem te mexe os cordelinhos te meteu nessa cabeça oca?
    Resultados: ZERO!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo das 13:30
    Os axiomas de que falo são os que te fazem fazer o comentário que fizeste. Os que não te deixam ver para além da realidade que te impôem. Nem sequer estava a falar de revolução ou de algo do género. Falava de vivermos uma vida mais humana, a um ritmo mais natural e com objectivos bem mais simples que a ganância e o vale tudo da nossa sociedade. Posso ter uma cabeça oca, mas tenho uma, outros parecem-se mais como manequins sem cabeça que se ficam sempre na posição que os donos lhes destinam.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo