segunda-feira, novembro 22, 2010

O céu não pode esperar


Feytor Pinto teme "branqueamento" das ideias de Ratzinger. O prelado português garante que sempre foi esta a posição do Papa sobre o preservativo. Mesmo quando Bento XVI se deslocou pela primeira vez ao Continente Africano defendeu que, ao invés de combater a propagação da sida, "pelo contrário, a sua utilização agrava o problema". Na altura, Bento XVI encorajava a abstinência para impedir a propagação da doença.
Ainda bem que nos veio esclarecer, não fôssemos nós acreditar que ele pudesse não estar bom da cabeça quando disse que: "Podem haver alguns casos em que se justifique o uso do preservativo, quando, por exemplo, uma prostituta utiliza um profilático. Isso pode ser o primeiro passo em direcção a uma moralização, um primeiro ato de responsabilidade, consciente de que nem tudo é permitido e não se pode fazer tudo o que quer". Não é que fosse um grande avanço na incipiente capacidade mental da Igreja sobre a utilização do preservativo, mas temos que nos lembrar que o Papa é o representante de Deus na Terra, os dois devem conferenciar com frequência, e o seu trabalho é o de arranjar almas para entregar no céu. O seu negócio não é salvar vidas, mas sim salvar almas. Claro que há outros há que acreditam no Pai Natal.

1 comentário:

  1. Ratzinger enquanto estiver cá em baixo ainda nos vai surpreender
    mais!
    Casamento dos representantes de Deus na Terra e entre homossexuais!
    Assim lá em cima o ajudem!...

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo