terça-feira, abril 19, 2011

A harpa e o tridente

4 comentários:

  1. O demónio só quer salvar os bancos alemães, coitadinhos. Não tem olhos para mais nada.

    ResponderEliminar
  2. E também não percebo a ideia do PCP e do BE de não irem às reuniões com o FMI. Então perde-se uma ocasião destas para fazer as perguntas que se impõe e lhes dizer na cara o que eles não querem ouvir, ao vivo e a cores?! Deixá-los escapar assim, sem ouvirem nada sobre as pensões miseráveis, sobre os salários mínimos que não dão para sobreviver, sobre a escravatura dos call-centers, sobre a economia produtiva do país arrasada, sobre os serviços públicos (educação, ensino) caros e de qualidade que descresce a olhos vistos?! Certamente não será o Sócrates a lhes dizer a verdade.

    Caramba!!!!!

    ResponderEliminar
  3. Há quem diga que falar com o FMI seria dar-lhes dicas para aperfeiçoarem a estratégia de saque. Que o melhor é o FMI fazer o que quer e não ter feedback do BE e do PCP que lhes possibilite corrigir erros de estratégia.

    Talvez seja verdade, mas então que fossem à reunião, fizessem uma curta declaração, cara a cara, e a seguir saíssem.

    ResponderEliminar
  4. Mas o que é mais preocupante ver que a estratégia dos partidos de esquerda é preguiçosa, é pensar que o tempo corre a seu favor.

    É preciso criar uma alternativa, já. Se houver caos financeiro em Portugal, certamente que a direita mais conservadora não deixará de tentar aproveitar a situação para levar para o seu lado a pequena burguesia. Não se esqueçam que a situação social do país é hoje semelhante à da República de Weimar, e que a direita tem à sua disposição uma plataforma arrasadora: a política económica do nacional-socialismo.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo