domingo, maio 22, 2011

Mais trabalho e menos direitos


Os patrões da indústria querem aumentar o número de horas de trabalho. O objectivo, defende, "É preciso reduzir o custo unitário do trabalho, e isso pode ser feito com a redução da taxa social única e o aumento das horas de trabalho, ou um mix de ambos", defendeu ontem António Saraiva. "Porque não voltar às 42 horas semanais?", questionou o presidente da CIP na apresentação das propostas para o programa do novo Governo. Mas os sacrifícios que os patrões pretendem pedir aos trabalhadores não se ficam por aqui. As propostas da CIP para o próximo Governo incluem mexer na Constituição para alterar o enquadramento que garante a segurança do emprego e proíbe os despedimentos sem justa causa. Os patrões querem ainda ver alterada "a forma irrestrita como se encontra garantido o direito à greve", bem como a legislação que estabelece o direito de controlo de gestão pelas comissões de trabalhadores. Tudo em nome, claro, da necessária "adopção de um enquadramento favorável a uma gestão racional e dinâmica das empresas".E o cuzinho lavado com água de malvas, não querem? Porque não propõem também o uso do chicote como instrumento de gestão



8 comentários:

  1. Isto vindo de quem teve como único trabalho na p da vida foi ser sindicalista amarelo ao serviço da extinção da indústria do país...

    ResponderEliminar
  2. Era mandar este animal (e já estou a elogiar) para Espanha para uma daquelas quintas onde se trabalha debaixo do chicote e se lhe derem pão e água vai com sorte... e um ano de trabalho assim bastava para abrir os olhos a este animal... não merecem o ar que respiram.

    ResponderEliminar
  3. e um tiro nos cornos,sem julgamento sumario?

    ResponderEliminar
  4. E,esta besta esta a falar dos 20 'administradores' que ficam com o 'trabalho' de mil administradores?
    Deviam despedir toda a gente,para ver se nos entendiamos...
    Eis aqui um terrorista social,sem duvida.

    ResponderEliminar
  5. Estes salazarinhos de merda, andam, andam e ainda vão querer de volta a constituição de 1933 de triste memória, onde Salazar acabou com o direito à greve, a partidos políticos, a manifestações, reuniões e outros ajuntamentos ( é assim mesmo que lá consta, ajuntamentos). Cuidado com esta gente.

    Bom domingo

    ResponderEliminar
  6. Palavra de ex-sindicalista. Ao que isto chegou.

    ResponderEliminar
  7. aprovado
    trabalhar:
    - até cair para o lado (depois de levar umas chicotadas claro)
    Vencimento:
    - 1 bisnaga de veselina para ser enrabado até morrer e não se queixar

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo