terça-feira, agosto 23, 2011

Um Horta onde o Espantalho chama os Negros Corvos


Adriano Alves, reformado, de 81 anos, cultiva uma horta num terreno municipal há mais de 40 anos na Calçada de Santo Amaro, em Lisboa, tendo pago, no ano passado, 108,30 euros. No entanto, este valor vai subir para 3687,50 euros em 2014, de acordo com uma carta enviada pela Câmara de Lisboa no início do mês.

Ler uma notícia destas faz-me ter vergonha daqueles que nos governam. Porquê matar uma vida a um homem de 81 anos, porquê tirar-lhe uma horta que ele "mima" há 40 anos? Falando de hortas, outras casos existem que sujerem o medo das hortas pela parte do poder. Veja-se na Damaia, em que uma horta comunitária feita num baldio da Camara, com um barracão que foi uma escola esquecido ao abandono há muitos anos, acarinhada pelas pessoas dos prédios vizinhos vai rapidamente transformar-se numa "zona verde ajardinada". As máquinas de demolir da Camara já por lá andaram. Mas, muitas outras hortas existem pelos bairros de Lisboa e que este aumento de preços vai condenar a um fim que contradiz todo o discurso de cidade ecológica e preocupada com o ambiente. Para não falar dos que sobrevivem a consumir o que podem cultivar. Num momento de crise como esta o cultivo de uma pequena horta no quintal ou, as Hortas comunitárias, que agora têm surgido um pouco por todo o lado, pode ser crucial para a sobrevivência dos que menos têm. Uma vergonha que mostra bem os governantes que temos.

6 comentários:

  1. Também vi a notícia e achei a atitude miserável e indigna. O mais grave é que tiram o sentido à vida do homem que cuida daquilo com todo o desvelo e depois o mais provável é ficar tudo ao abandono.

    ResponderEliminar
  2. O Vidreiro23/8/11 01:39

    Simplesmente repugnancia,é o que sinto ao ver estas medidas tomadas por quem se diz democrata ao serviço das populações.

    ResponderEliminar
  3. Então querias concorrência desleal ao Belmiro vs Jerónimo Martins, às maçãs chinesas, aos melões espanhóis, às pêras francesas, ou às batatas sul-africanas. Viva a economia de mercado, viva o neo-liberalismo, abaixo a democracia directa, as hortas comunitárias, o produto nacional.

    Pois é camarada, até o "socialista" Costa, (já agora que diz a isto a pimpolha da Roseta?)
    aderiu ao mais feroz dos liberalismos, aquele para quem as pessoas são nada. Que quer saber o tal Costa e quejandos do senhor (também vi a reportagem) Adriano (reparaste nos olhos do senhor, brotavam lágrimas) e dos muitos adrianos? NADA, NADINHA, estão-se cagando.
    Se nada fizermos, dentro de meia-dúzia de anos seremos dizimados por esta gente.

    ResponderEliminar
  4. JUNTEM-SE AO PCP E AO BE.tODOS JUNTOS SOMOS MAIS FORTES CONTRA ELES.ALIÁS, SOMOS MAIS DO QUE ELES.

    ResponderEliminar
  5. Como é que chegaram ao preço de 3687,50 euros por uma parcela de terra que antes valia 108 euros?
    Que contas fizeram? Que lógica matemática entenderam para deduzir que a terra teria esse valor?

    Por este caminho, qualquer dia também nos vendem o sol e o ar que respiramos.

    ResponderEliminar
  6. São 2 casos diferentes.

    Não que seja a mesma coisa mas se tivesses uma casa alugada há 40 anos e a renda fosse de 30 euros porque a lei impedia de subires mais e um dia a lei acabasse, subias para quanto?
    32?
    Ou para 300 ou 400?

    Há pois...

    Achas normal pagar 108 euros por ano? 300 euros por mês não me parece muito, ainda que dependa do tamanho do terreno.
    O que causa aqui mais simpatia pelo caso é a idade do homem porque se tivéssemos a falar de um homem de 30 anos acho que os comentários já eram diferentes. Penso eu, não sei...

    Cumprimentos

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo