quarta-feira, outubro 19, 2011

Somos governados por drogados?


Bagão Félix considerou hoje que, "no Estado, o último aumento de impostos é sempre o penúltimo: é o último antes do próximo". O antigo ministro das Finanças afirmou hoje que o Estado está "viciado" em impostos e despesas.

Nós lembramo-nos bem de quando sua Excelência foi Ministro. Nem as receitas extraordinárias impediu que ficasse agarradinho de vez e não há cura de desintoxicação que lhe valha.

6 comentários:

  1. ui vão mexer nas ferias e no natal do sr. Aníbal.
    e as reformas acumuladas?

    ResponderEliminar
  2. Kaos, não compreendo porque continuas a responder á SR.A D.Lucinda, lá no outro lado.A mulher tem o cerebro todo atrofiado , e ainda por cima é de ultra direitA.poRRA!!até parece mal.

    ResponderEliminar
  3. estas recebem ferias e natal em despachos de 19out2011 ver aqui: http://dre.pt/pdf2sdip/2011/10/201000000/4147841478.pdf porquê ??????????????????????????

    ResponderEliminar
  4. Anónimo
    Quanto mais discordo com alguém mais tenho razões para lhe responder, já que, infelizmente, não tenho tempo para responder a todos. Quem sabe um dia não os convenço das minhas verdades (que até podem estar erradas mas são as minhas)
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Ao 3º anónimo: Lá por um despacho ter uma redacção a falar de subsídios de Natal e de Férias (como é de Lei que tenha e todos são assim), não quer dizer que a pessoa em causa não seja abrangida pelo famoso corte.

    Qualquer Lei (ou mesmo Decreto-Lei) é superior a um vulgar despacho e a Lei do orçamento tem um valor ainda maior, pois tem precedência sobre uma série de Leis.
    Assim, enquanto vigorarem os dispositivos implementados na próxima Lei orçamental, que será, prevê-se, aprovada, as pessoas em causa estão na mesma situação que os restantes funcionários do Estado.

    Se o anónimo fosse nomeado para algum lugar público por despacho, o texto era idêntico e também não escaparia ao corte... independentemente da data de nomeação.

    Nota: É triste que a Democracia tenha deixado de proporcionar aos Cidadãos na Escola (ex-Liceus) formação transversal sobre as instituições e as suas regras de funcionamento. A isto parece que se chama também iliteracia, i.e. a capacidade de interpretar e estruturar informação.

    JCL

    ResponderEliminar
  6. As unhacas do seboso até que estão bem cuidadas... deve ser de mexer tanto no guito!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo