domingo, dezembro 04, 2011

Afinal quem é que é violento?


A actuação da polícia, com agentes infiltrados na manifestação da greve geral de 24 de Novembro, que se mostrou serem os responsáveis da violência que aconteceu, tanto provocando eles próprios os confrontos, agredindo civis ilegalmente e acabando mesmo por entram em confronto com a própria policia que fazia o acompanhamento do protesto.
As declarações iniciais do Ministro e das forças policiais foram deploráveis, o comentários da Direcção Nacional da PSP ainda piores e há um coro de protestos de exigindo o apuramento de responsabilidades pelas ilegalidades cometidas e pela forma como pretenderam "contaminar com violência" um protesto pacifico e legal. Por exemplo o bastonário dos advogados Marinho e Pinto diz que actuação da PSP “vergonhosa e indigna” merece inquérito parlamentar. “Devem ser exemplarmente punidos os comandantes policiais ou membros do Governo que permitiram essas práticas.” “O objectivo dos agentes provocadores é desacreditar a contestação social à política do Governo”.“Pelo que me apercebi, tiveram atitudes mais radicais, para levar as pessoas a segui-los”. “Ficámos com dúvidas sobre se não foram outros agentes da PSP que lançaram cocktails molotov para as repartições de finanças.” Toda a informação, fotografias e videos no blog 5 Dias
Esta gente há muito que renegou a constituição e a lei e age como se de uma ditadura se tratasse. O pior é que não se pode ser uma ditadura enquanto houver cidadãos que não se calam e que teimam em denunciar e combater a prepotência e o ataque ás liberdades. Mas ainda pior para eles é que cada vez há mais gente a indignar-se, a ganhar consciência que uma mudança, não de governo, mas de sistema é urgente, a querer ter voz activa nas decisões. Há mais gente a debater ideias com outros, por todo o lado surgem grupos que se reúnem e pensam alternativas. Grupos todos unidos pela ideia de uma democracia mais participativa e mais verdadeira. E, não é só espalhadas por Portugal, por todo o mundo a indignação contra os governos submissos aos mercados criando desemprego, pobreza e miséria. Grupos todos diferentes na sua postura, todos independentes na sua acção, todos iguais nos objectivos.


5 comentários:

  1. Subscrevo, Kaos!
    Queriam mostrar operacionalidade? Era ´para incutir medo para futuro? Seja quais forem as razões, o caso é grave (a não ser para quem ande distraído)e é preciso que a culpa não morra solteira , mais uma vez. As consequências poderiam ter sido muito mais trágicas e houve jovens inocentes presos a eito, só porque estavam nas imediações, enquanto os provocadores que derrubaram as barreiras, etc (fossem eles quem fossem) se afastaram. Dá para ver isso nas imagens das TVs. Uma farsa de democracia!
    Um abraço!

    ResponderEliminar
  2. no país da democracia hipocrita onde há abstenção violenta seja lá isso o que for onde se trocam vespa por audi onde grande parte dos granfinos entopem a justiça com casapia europarques apitos dourados freeportes etc etc etc e todos se saem a rir a psp faz espionagem nas escolas ora o que fizeram na manif é mais uma gota de merda neste esterco politico do nosso pais

    ResponderEliminar
  3. Ó Guida, vai ver se está a chover quidA./(MAN esta gente não vive no mundo real , pois não?
    PArece que estão a viver um daqueles filmes dos anos 30 tipo casablanca.)-Já percebi o que se está a passar, estou a viver num universo paralelo!!

    ResponderEliminar
  4. Condição necessária e suficiente para uma manifestação dê em porrada: haver polícia!

    ResponderEliminar
  5. Isto faz parte do Carnaval em que se transformou este regime. Caiu a ficção de que o "mercado globalizado" consegue regular convenientemente a economia. Até 2007, a globalização era "uma força irresistível". Hoje só conseguem impedir o recuo do seu projecto sob a chantagem da dívida, do FMI e das bombas. O poder treme; e quanto mais apertarem o punho, mais países lhes escaparão por entre os dedos.

    Agora, este mesmo Pinóquio vestido de Laranja, ilustre militante do partido que assinou e geriu o aniquilamento do aparelho produtivo português, sob a batuta daquele que nunca se enganava e raramente tinha dúvidas, vem afirmar que a culpa é dos outros?!!!

    Passos Coelho diz, com aquele ar seráfico que os seus gestores de imagem lhe impingiram (eu estou à espera do dia em que o rapazola se desmanche a rir, num qualquer momento em que a sua verdadeira personalidade escape ao cerco) é virginal na culpa, que foi o engenheiro que lhe deixou o país assim. Que não tem culpa da perda de soberania, pois não era líder da JSD quando Cavaco Silva estava no poder, entretido a cortar traineiras pelo meio, a pôr o Alentejo inculto e o país a importar trigo dos EUA, a fechar a Mague, os estaleiros navais, a Quimigal, as minas e o resto da nossa indústria pesada. Além disso, a sua assinatura no "memorando" foi só da culpa do engenheiro...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo