quarta-feira, fevereiro 08, 2012

O Cavalo de Troika


Contrariamente ao discurso do governo que diz que Portugal não é a Grécia, hoje devíamos ser todos gregos. Perante o ataque e a chantagem dos mercados e dos seus supostos parceiros Europeus no formato "Merkozy" deveríamos ser todos gregos por solidariedade. Mas, mesmo aqueles que não o são capazes de fazer por esse motivo, mesmo aqueles que repetem o discurso oficial de terem sido inconscientes e terem gasto mais do que podiam, deviam sentir-se todos gregos por estarem a ver hoje na Grécia o que vai acontecer em Portugal daqui a algum, pouco, tempo. É que a Merkel e os mercados nem escondem as razões pelas quais ameaçam a Grécia de falência se não cumprir com os seus desejos e aceitar atirar o seu povo para a miséria extrema. A única razão é receberem os juros do dinheiro que lhes emprestaram. O acordo tem de ser feito agora ou em Março a Grécia não ia poder pagar a prestação do empréstimo. A Merkel propôs mesmo que fosse criado na Grécia um fundo inviolável só para juntar os dinheiro dos juros a pagar. Até foi levantada a hipótese de a Grécia ter de mudar de nome por ser uma "marca" com muito má fama. Para os mercados, Portugal é o próximo na fila, a politica de austeridade deste governo vai "rebentar" dentro de muito pouco tempo quando começarem a surgir os resultados das receitas fiscais e do aprofundamento da recessão. Todos o sabem mas ninguém parece ter vontade de fazer nada.


4 comentários:

  1. A lama com que os sátrapas ocidentais querem agora cobrir a Grécia é uma ridícula violação do velhinho e milenar país fundador da cultura ocidental. Tal infâmia viverá como símbolo perene do ego e cupidez ocidentais, num damnatio memoriae ao Ocidente desindustrizalizado e moralmente falido

    Haverá certamente um Acto Maior de Justiça contra os decrépitos descendentes ocidentais dos sofistas gregos, caídos em desgraça após o fracasso das suas guerras imperiais e da concomitante falência financeira de Atenas provocada por incessantes actividades de guerra naval. Foram buscar o pior que a Grécia antiga tinha para oferecer; e é da pena do próprio Platão que sai a justificada condenação a estes patéticos sofistas contemporâneos.

    ResponderEliminar
  2. Mas alguém tem dúvidas que Portugal vai ser pior que a Grécia?

    Não temos hipótese nenhuma.

    A única, talvez a que nos resta, será fazer como os Islandeses: prender e julgar os culpados (e eles são tantos), dizer aos credores a maneira como vamos/podemos pagar, cumprir a constituição, mandar à merda os tipos e tipas que interferem na nossa governação (lá porque os gajos nos emprestam dinheiro não os faz, por isso, dizer o que podemos comer), e sair da UE (e não me venham com a velha treta que sozinhos não conseguimos sobreviver), a Islândia e a Noruega, cagaram e cagam para a UE e foram as economias que mais subiram em 2011.

    ResponderEliminar
  3. A Grécia é o verdadeiro "retrato de Dorian Gray" de Portugal. Retrata o rosto decrépito de um país que, tal como a Grécia, me parece condenado à desgraça. Nós apenas tardamos a encará-lo...

    ResponderEliminar
  4. Nós, a Grécia e o Mediterrâneo europeu, em geral, somos o rosto patente da desindustrialização do Ocidente, vamos à frente por vicissitudes várias e más opções de política externa. Mas caso nós, bem como os gregos e os outros latinos, fizéssemos um manguito colectivo ao clube de Bruxelas, provocávamos uma tal perda irreparável de "espaço vital" que o barco europeu iria adornar e encalhar mais depressa que o paquete Costa Concórdia. Afinal, a desindustrialização afecta todos; só que há uns, mais "desenvolvidos" do que nós que, mesmo sem produzir grande coisa, vivem dos juros que drs. economistas como o nosso passos lhes envia, bem como da venda de produtos que pseudo-fabricam a partir de componentes originários da Asia e dos seus vizinhos vassalos.

    De facto, o dinheiro transforma tudo -- incluindo o poder -- numa mercadoria que pode ser comprada e vendida. A vontade férrea que o nosso dr. passos manifesta em ser fantoche da Alemanha -- em vez de pôr os interesses de Portugal acima de qualquer outra coisa -- é a razão por que certos países conseguem viver dos juros que vão cobrando, bem como da venda de produtos pseudo-fabricados no seu território, e que lhes compramos com o dinheiro que nos emprestam. Ou não será por isso que teimam em nos enfiar pela goela abaixo a "ajuda externa"? São sacos de dinheiro que cá entram; ainda mal passaram três trimestres sobre o acordo da troika e já torraram mais de metade do pecúlio. Como é possível? É que todos vemos que uma boa parte dessa "ajuda" serve para comprar os nossos estimados líderes e seus clientes do mundo empresarial lusitano.

    A compra das lideranças dos reinos cobiçados era a arma de eleição do Império Romano. Os romanos preferiam governar os povos conquistados (e potencialmente hostis) através de reis vassalos, semi-autónomos, que o Senado em Roma designava eufemisticamente por "amigos do povo romano". Os romanos auxiliavam os monarcas amigos a se manter no poder através de pagamentos directos em moeda e bens materiais. A aceitação destes subsídios implicava que o rei vassalo se submetia à autoridade imperial, e qualquer desafio a essa autoridade era visto pelos romanos como uma revolta declarada. Por isso os romanos intervinham constantemente em disputas pela sucessão, sempre no sentido de afastar vassalos indesejáveis.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo