quarta-feira, abril 04, 2012

A besta mascarada de anjo


O Governo apresentou hoje um pacote de alterações legislativas que prevêem a redução do subsídio de doença para os 55% do salário para baixas inferiores ou iguais a 30 dias, 60% para baixas entre 30 e 90 dias, 70% se forem inferiores as 365 dias e 75% se forem superiores. "O combate à fraude e o desincentivo para que as pessoas recebam mais com um subsídio e estando em casa do que estando a trabalhar é muito importante", disse Pedro Mota Soares. O governo pretende também a limitar subsídio por morte a 2.500 euros.

Para o Ministro que chegou de Mota mas anda num Audi de Luxo o facto de já termos 15% de desempregados preocupa-o menos que garantir que mesmo doente ninguém tem dinheiro para faltar ao trabalho. Numa altura em que as despesas aumentam na farmácia e nas taxas moderadoras é quando se corta nos já espremidos orçamentos familiares. (Talvez se lixem porque não haverá um trabalhador com gripe que não acabe por a transformar em epidemia dentro da empresa). Pior já nem a morte nos dão como opção.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Estes cortes também atingem o subsídio de maternidade. Tudo no mesmo saco... para prevenir maternidades fraudulentas, suponho.

    ResponderEliminar
  3. Eu-uuuuu não-ooooooo sou-uuuuuuu ministro-ooooooo, sou-uuuuuuuuuuu, um-mmmmmmmm, grandíssimo-ooooooo, filho-oooooo de-eeeeeeeeeee puta-aaaaaaaa e-eeeee estou-me-eeeeeee cagando-oooooooo para-aaaaa os-ssssss desempregados-sssssssss e restantes-ssssssssss portugueses-ssssssssssss. Falo assim porque tenho a mania que sou gago, mas não sou, é só para impressionar, para além de ficar bem na televisão.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo4/4/12 23:48

    tenho pena é dos ciganos que são os gajos que se veeem agora nas urgencias pois teem tudo de borla e recebem subsidios em varias zonas do pais

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo