quarta-feira, abril 18, 2012

Se ainda escutas a alegria de viver ouvirás o sinal para ficar (ES.COL.A)


Declaração Conjunta de Apoio
Lá do Alto da Fontinha dá vontade de planar. Vê-se outra cidade a ser construída. Tijolo a tijolo, dia-a-dia, mão a mão, sorriso por sorriso. Aquilo que parecia um abismo – uma escola vazia, abandonada e arruinada – tornou-se o próprio espaço do sonho.
Com os pés assentes na terra, constrói-se a solidariedade, o espiríto comunitário, uma ideia de utilidade pública alicerçada na ajuda mútua e na partilha livre do conhecimento. Ali faz-se ainda a democracia directa e participativa que falta. Ali aprende-se a estar vivo. Ali vê-se que a crise que nos quer amedrontados e pieguinhas, foge a sete pés. Não, nem a crise, nem um rio seco e sequioso, nem as cajadadas dos falsos democratas, vão estancar o fluxo desta Fontinha…
Neste momento decisivo, por uma exigência recíproca, cada um deve colocar ao outro as questões humanas e colectivas essenciais.
Esta declaração conjunta de apoio ao Es.Col.A já foi abraçada por dez colectivos e associações, e está aberta a mais adesões de quem quiser e quando quiser. Escreve-nos!
Lá do alto, diremos à cidade que rejeitamos o despejo decretado pela actual gestão do Município do Porto e estenderemos a mão a quem veio por bem e para ficar.

Abaixo reproduzimos a última CARTA ABERTA do Es.Col.A. que fala por si e por todos nós.

A promessa de suspensão do despejo do Es.Col.A revelou-se um logro. Politicamente forçada a dialogar com os ocupantes da antiga Escola Primária do Alto da Fontinha, a Câmara Municipal do Porto (CMP) mais não queria do que anunciar que o despejo se mantinha, embora adiado. Em reunião com dois delegados da Assembleia do Es.Col.A, os representantes da câmara exigiram que o projecto assinasse a sua sentença de morte, traduzida num contrato de aluguer com fim em Junho. A continuidade imediata do Es.Col.a dependeria da assinatura desse papel.
Recapitulando: a 10 de Abril de 2011, um grupo de pessoas ocupou a antiga escola primária do Alto da Fontinha, devoluta e abandonada há mais de cinco anos pelo município que a devia manter. Depois de um mês de ocupação do espaço e já com inúmeras actividades a decorrer, a CMP mandou a polícia despejar violentamente os ocupantes e emparedar o edifício. Depois de um longo processo negocial, o Es.Col.A voltou à Escola da Fontinha onde se mantém até hoje, com a indiferença da CMP.
Esta farsa é, para nós, inaceitável, tal como o é o despejo em si - seja agora, em Junho, ou em qualquer altura. Perante quem tem, repetidamente, falhado no cumprimento da sua própria palavra e que entende o ultimato como forma de negociação, a posição do Es.Col.A só pode ser a de não aceitar a decisão de despejo. Fazê-lo seria desistir do sonho com que partimos para esta aventura, o de transformar as nossas vidas com as nossa próprias mãos, ensinando e aprendendo com quem se cruza connosco, nas ruas da Fontinha.
Porque o Es.Col.A, muito mais do que uma escola, é um laboratório dum mundo já transformado, resistiremos.
Precisamos do sentido solidário de toda a gente que se identifica com o projecto. Em todo e qualquer lado, que a ocupação e a libertação de espaços sejam a resposta generalizada ao ataque às iniciativas de emancipação popular dum sistema que prefere a propriedade, mesmo que abandonada, ao usufruto, mesmo que colectivo.
Que a moda pegue! ai, ai

6 comentários:

  1. Luís Trincheiras18/4/12 09:23

    Estes políticos...

    Não há um que queira ser correcto?

    Deviam aprender com as pessoas que dinamizaram o edifício e a comunidade.

    Respeitosos cumprimentos à Es.Col.A.

    ResponderEliminar
  2. Solidariedade com a Es.Col.A

    ResponderEliminar
  3. Propriedade privada = não fazem nem deixam fazer.

    ResponderEliminar
  4. Se por um lado é condenável que a autarquia não abrace as iniciativas pioneiras como o caso desta, preocupante e grave é também as pessoas por detrás das iniciativas se acharem acima da lei, porque motivo decidem agora ameaçar Rui Rio??Se realmente são defensores dos ideias e do projecto que dizem ser, preocupem-se em dar a conhecer devidamente o projecto à comunidade e tentem o apoio da mesma, com esse apoio poucos argumentos existirão por parte de qualquer autarca pra não lhe dar a atenção merecida!

    ResponderEliminar
  5. estar a cima da lei

    tem toda a razao

    1640 foi uma ilegalidade

    5 outublo idem

    25 de abril idem aspas

    o queé estar acima da lei?

    cesar figueiredo

    como detesto aninimos...

    ResponderEliminar
  6. Solidariedade com a Es.Col.A

    necessária AGORA !!!

    Acabo de receber notificação que o despejo se iniciou... o pessoal que dá apoio foi notificado agora mas a esta hora muitos estão "presos" ao seu local de trabalho...

    A cobardia dos governantes e polícias sabe explorar os pontos fracos

    Quem puder denuncie, corra para lá, faça qualquer coisa em prol da continuidade do projeto

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo