sábado, maio 05, 2012

O Nacional-Solidarismo


A discursar em Cascais, numa conferência, o presidente da Comissão Europeu, Durão Barroso, revelou o recado que trazia na bagagem. “Portugal enfrenta desafios que não são fáceis. Contudo, os portugueses sabem que não há alternativas à resposta que se está a dar", lembrando que não existe um plano b: o único caminho é apoiar as medidas do memorando e pôr travão nas divergências.

Para Durão Barroso, se não houver consenso em Portugal, por parte dos diversos agentes políticos, tendo em vista a aplicação das reformas de que o país necessita, mais difícil será obter solidariedade dos parceiros da União Europeia.
O presidente da Comissão Europeia entende que “quanto maior for o consenso nacional, mais será evidente a solidariedade dos parceiros europeus”. Nesse sentido, defende, o programa de apoio está dependente de união, numa altura em que surgem sinais de ruptura e com o PS a distanciar-se das políticas do Governo.

Resumindo, não há alternativa, não há plano b e ou assinamos os tratados que querem fazemos o que a Troika manda, comemos e calamos e nem mesmo os usuais partidos de alterne do poder podem sequer manifestar desconforto, impondo uma união à força. Este é o discurso de um cara de cherne que fugiu do governo para ocupar um tacho de subserviente marioneta como Presidente da Comissão Europeia. É o discurso de quem dizia que estando no Centro do Poder podia ajudar mais os portugueses. Esta é a Europa, que dizem ser uma União, de que fazemos parte.

5 comentários:

  1. E disse mais, aliás, já não é o primeiro a fazê-lo, mencionou um tal Mourinho e um pontapeador de bola, um tal de Ronaldo, eu, sinceramente não conheço nem um nem outro, segundo dizem, ganham uns cobres pelas estranjas, enganando o pagode que paga a bom pagar para lhes sustentar os vícios (e não são poucos), dizia eu, mencionou estes "emigrantes" para nos tentar dizer que afinal existem compatriotas nossos lá fora que têm imenso sucesso e até são dos melhores do mundo. Claro que se esqueceu, dos milhares, talvez milhões de outros compatriotas nossos que também pelas estranjas, fazem das tripas coração para ganhar o pão de cada-dia, sendo na sua maioria explorados. Para o Cherne e sua pandilha de seguidores os primeiros são exemplo a seguir!!!!, os segundos são uns pobretanas que não merecem sequer uma palavra de conforto e estímulo.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo5/5/12 20:58

    Concordo em absoluto com o comentário anterior, mas vai-me desculpar vou fazer uma pequena chamada de atenção:
    Para dar mais ênfase ao emigrante que ganha balúrdios a jogar a bola, comparativamente com quem estoira o "coiro" a trabalhar para enriquecer alguns, a imprensa portuguesa chama-lhe de Rónaldo!
    Quanto ao "fujão" snr barroso bem que podia apelidar-se, igualmente um emigrante de sucesso e um bom exemplo a seguir, para bem dele e da sua família e amigos!...
    E como fala bem, fluente e risonho!

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar
  3. Anónimo5/5/12 21:46

    já andam á rasca com os francius já o holande foi avisado que a coisa funciona como a Alemanha quer e que o gajo não venha com invenções caso ganhe as eleições!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo6/5/12 21:22

    fala-se à boca pequena que esse cabrão, foi o principal 'vencedor'-winner- no negócio dos submarinos.Não ~há ninguém que lhe enfie um tiro nos cornos?Depois do q aconteceu na Libia,estes fdp,não podem ficar impunes!!!!

    ResponderEliminar
  5. Mas cuidado, milady, não se afoite,
    Que hão de acabar os bárbaros reais;
    E os povos humilhados, pela noite,
    Para a vingança aguçam os punhais.

    E um dia, ó flor do Luxo, nas estradas,
    Sob o cetim do Azul e as andorinhas,
    Eu hei-de ver errar, alucinadas,
    E arrastando farrapos – as rainhas!


    (Do poema "Deslumbramentos", de Cesário Verde, que se pode hoje dedicar a Merkozis, Chernes e outros exemplares em avançado estado de decomposição moral)

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo