terça-feira, junho 26, 2012

Ai a inevitabilidade


O PCP apresentou a sia moção de censura e confesso que há muito que já não tenho paciência, nem para ouvir os argumentos de uns nem as respostas dos outros. Só no caminho de casa ouvi na rádio alguns dos argumentos e se de um lado era a critica ao estado a que chegámos  do outro era a inevitabilidade das medidas perante o estado em que estamos.Não ouvi no entanto aquilo que me parece mais importante.
Primeiro que não existem inevitabilidades e que há sempre outro caminho, que terá outras dificuldades, outros problemas mas que existe. Depois que se estamos nesta crise isso se deve ao caminho escolhido antes que nos trouxe aqui e querer resolver o problema continuando pelo mesmo caminho, o da globalização capitalista neo-liberal, só nos pode levar a mais crise, mais dificuldades, fome e miséria. E é a inevitabilidade de seguirmos por este caminho que nos querem impingir, assim como o fizeram com a chantagem que fizeram com os Gregos e que continuam a fazer com todos os povos da Europa, apregoando austeridade para uns para financiar o mesmo sistema financeiro que foi o principal responsavel pela dita cuja crise.
Seja as soluções deste governo em cumprir o memorando e até ultrapassá-lo quer seja a solução do PCP de renegociar a dívida, ambos acabam por incorrer no mesmo erro, o de deixar o sistema continuar a funcionar baseado nos mesmos princípios capitalistas. O mal está no sistema e não só na forma de como ele é gerido. Só um sistema que coloque como centro as pessoas e não o capital e os mercados, só um sistema baseado na justiça ao serviço dos homens e não em leis criadas pelo próprio capital para dele se servir pode permitir uma mudança que realmente crie a mudança e transforme os homens, não em meros executantes dos desígnios de alguns, mas em seres completos capazes de criar e partilhar. Teremos nós coragem e determinação para o exigir ou vamos continuar a aceitar a inevitabilidade que nos impõem?

20 comentários:

  1. ok tudo bem... o mal está no sistema. Mas o sistema que propões existe em algum lado? Já foi testado em algum país ou será mais uma utopia kaótica?

    ResponderEliminar
  2. Há uma história em que 5 macaos são colocados numa jaula com um cacho debananas pendurado e um escadote por debaixo. Sempre que os macacos tentam chegar às bananas levam com jactos de água. Ao fim de algum tempo já nenhum tenta lá chegar se se algum o faz os outros batem-lhe para o impedir. Tiraram então um dos macacos e meterem lá um novo. A primeira coisa que fez foi tentar ir às bananas e levou logo uma tareia de todos os outros. Mais algum tempo e substituiram um segundo macaco e a coisa repetiu-se com ele a tentar ir ás bananas e a levar uma tarei de todos os outros. Retirararam o terceiro macaco, idem, o quarto, idem e finalmente tirararm o último dos macacos que tinha apanahado com os jactos de água e colocaram um novo. Também esse levou uma tareia quando tentou ir às bananas embora nenhum dos outros soubesse a razão pela qual não podiam chegar a elas. Se falassem provavelmente diriam: Sempre foi assim.
    Quanto às utopias como dizia alguém, só são utopias enquanto não se retirarem os obstáculos que impedem a sua realização.

    ResponderEliminar
  3. Kaos há ainda outra história : " La Carotte et le Bâton ou (A cenoura e a vara)" Há duas maneiras de se fazer um asno andar. A primeira é pendurar uma cenoura na ponta de uma vara e deixá-la balançar um pouco adiante da cabeça do animal e a segunda, se a primeira falhar, é usar a vara para surrá-lo. Deixa-los ir...

    ResponderEliminar
  4. Apesar de não me identificar com essa história dos macacos, o que pretende dizer é que este pequenino país à beira-mar plantado, que não tem dinheiro para mandar um cego tocar guitara, deveria transformar-se num laboratório cientifico-politico. Se der certo muito bem, se não der, arriscamos uma guerra civil ou então os espanhóis tomam conta de nós definitivamente e ....viva o rei!

    Essas aventuras não me convencem e não me repugna nada copiar qualquer modelo politico desde que devidamente testado e comprovadamente benéfico para todas as classes sociais!

    ResponderEliminar
  5. E se vierem os espanhóis ?

    São piores gatunos que a "classe" dirigente portuguesa ?

    É só para perguntar...

    O capital não tem pátria e ainda não vi os nossos capitalistas trazer o "seu" capital da Suiça ou Ilhas Caimão para salvar a Pátria... e cala-te boca.

    ResponderEliminar
  6. Gatunos por gatunos, deixem cá estar os portugas. Aos espanhóis vamos dar uma enrrabadela amanha!

    ResponderEliminar
  7. Concordo perfeitamente com a entrega desta "merda" aos espanhóis
    só que agora são eles que não nos querem!
    Problemas, há lá que cheguem!

    ResponderEliminar
  8. Esta caixa de comentários faz lembrar a parede do WC em que cada um foi escrevendo f... isto, f... aquilo, f... todos, até que, por último, houve um que teve o discernimento de escrever: - já f... foi a parede ao homem!

    ResponderEliminar
  9. E biba o futrbol e a seleção(agora sem C, segundo o acordo ortográfico)que o que a malta quer é futebóis...

    ResponderEliminar
  10. Biba a selecção (escrito com o c como aprendi e não quero mudar), biba o futebol, biba os políticos (especialmente os corruptos), biba o fado, biba Fátima (que respeito) e biba os portugueses (nem todos) que aguentam esta merda toda como os cornos mansos!

    ResponderEliminar
  11. a de felgueiras safou-se por se chamar fátima ???
    o isaltino foi a fátima ???
    o sócrates foi a lourdes ???

    ResponderEliminar
  12. não não foram a fátima nem a lourdes foram todos foi para políticos (em portugal)

    ResponderEliminar
  13. há um sistema que funciona a 100% NORUEGA porque não o adoptam o salario minimo é de 2500€, o médio é de 5000€ dos quais metade é para impostos mas têm educação de borla (não é como a borla da TMN por 1 euro fala de borla dizem eles mas afinal é de borla e custa 1 euro - chulos), continuando têm saúde gratuita (de borla) têm, os casais, casa oferecida pelo estado e á medida que aumenta o agregado é-lhes proposta uma casa maior e o país funciona e com tanta borla 1250 a 2500€ são mais que suficientes e o estado safa-se na boa.

    Cá os governos sucessivamente é carregar impostos em cima de impostos ou andam a treinar a época feudal, ou andam em experiências (nazis com o apoio da adolfa merkel) com o povinho a ver a quanta fome suporta

    ResponderEliminar
  14. o PS absteve-se nem seria de esperar outra coisa desse bando de mamiferos xuxalistas!

    ResponderEliminar
  15. Anonimo das 01:22

    Com reservas de petróleo e gás natural em grande quantidade, a Noruega é atualmente a sétima maior nação produtora e a terceira maior exportadora de petróleo do mundo.

    É preciso ter muita lata comparar um país que não tem onde cair morto com um dos maiores produtores de petroleo e gas natural do mundo.

    Deixem de ser BURROS!

    ResponderEliminar
  16. Vai por este Portugal uma enorme confusão. De facto, o sistema está a colapsar mais rápido do que muitas pessoa antecipariam, quando há vinte e dois anos atrás celebravam o fim da história. Mas a história vinga-se dessas profecias e acelera, vertiginosa.

    Vós todos falais de que é precisa uma alternativa ao sistema capitalista neoliberal; mas um sistema em falência é uma realidade em vias de extinção. Podem até tentar convencer o Zé Tuga, como o filósofo Pangloss faz ao Cândido, naquela imortal obra de Voltaire; podem até conseguir convencer o Zé Tuga de que este é o melhor dos mundos possíveis, isto enquanto as maiores desgraças lhe vão batendo à porta, umas atrás das outras, seja o pico do petróleo, seja a erosão dos solos aráveis, seja as alterações climáticas, seja ainda o saque da economia real pelos abutres da desgraça dos outros, até ao dia em que tudo irá estar reduzido a escombros e aos abutres, findo o festim necrófago, pouco mais haverá que os sustente.

    Ora, e é aqui que nenhuma alma na posse das suas capacidades racionais poderá discordar de mim, é impossível controlar seis mil milhões de almas e todo um planeta a partir de umas centenas de cérebros e seus botões, alavancas e máquinas A Segunda Lei da Termodinâmica, uma das leis fundamentais da natureza, proíbe-o. Lamento mas há, pois, escapatória à decomposição desta ordem e à revolução que disso resultará. E quanto se adiar, quando mais se resistir ao inevitável por interposição de barreiras artificiais, mais marcial será o acontecimento. As barragens, quando rebentam, fazem pouco dano se forem pequenas, e enorme dano se forem gigantescas. Digo isto com um misto de ironia e de mágoa. Quando mente a si próprio, o ser humano é o mais cego dos animais. No entanto, como disse Heraclito, "a Justiça há-de alcançar todos aqueles que inventam mentiras e juram por elas".

    Quanto a Portugal: não somos uma Noruega mas somos um
    país razoavelmente rico de recursos e com baixa densidade populacional. Parece-me que conseguiríamos viver razoavelmente bem se chegássemos, colectivamente, às decisões que se impõem. Quanto menos adiarmos a decisão, melhor.

    Quanto à alternativa... as alternativas constroem-se, não é verdade? Exemplo: vocês acham que apareceu tudo feito na cabeça do Newton, assim num instante, quando a maça lhe caiu em cima?

    ResponderEliminar
  17. oh 9:54 temos cortiça azeite sol e mar (energia solar energia ondas barragens e eólica também) porque compramos electricidade? se temos cá tanta a custo zero e pagamos caro para quê para alimentar o catroga e a pandilha ? temos minérios ninguem os explora temos afinal ouro (fizemos um belo acordo fica cá a enorme quantia de 4 sim quatro % e se calhar desses quatro servem para pagar a exploração dos prospectores há indicios de petroleo na costa portuguesa. olhe lá que se calhar temos até muito mas a mina dos ordenados de quem trabalha é mais vantajoso para o governo é só aplicar impostos e vai disto resursos por ai não faltam em portugal até no turismo somos burros o google cartografava portugal de uma ponta á outra em fotos foram proibidos e é um dos melhores incentivos actuais a quem quer visitar um país de férias 1º vai ao google ver como é... quase que pensaste bem mas ainda faltou um pouco. Sem falar no país agrícola que podíamos ser e já fomos mas não soubemos aproveitar com a industrialização e incentivos á fixação das populações no campo os incentivos vieram da Alemanha pagar para não cultivar ou deitar árvores centenárias abaixo e por ai fora e com os subsídios grande parte deles vai de comprar bons jeeps e boas pick-up's. devagarinhos foram-nos enganando com a ajuda de boxexas e companhia agora torçe a orelha e não dá nada vamos pedir aos boxes e ao fmi e para ai com juros .....................................

    ResponderEliminar
  18. e somos um país afinal de ricos pagamos a gasolina na bomba a 1,6 euros 320 escvdos dos antigos nos produtores chegam a pagar na bomba a 8 cêntimos 16 escvdos é só ler as tabelas do mercado

    ResponderEliminar
  19. daí conclui-se que isolamos Portugal e vivemos dos nossos razoáveis recursos naturais?
    Nem na Albania fizeram isso. A mudança a existir nunca será de dentro para fora. Estamos demasiado dependentes da globalização para podermos fechar a porta e sozinhos tentar organizar a nossa(?) casa. Concordo que a situação é preocupante mas a história está repleta de altos e baixos e a minha esperança é que rápidamente possamos sair deste enorme buraco onde estamos metidos da forma mais pacifica possível.

    ResponderEliminar
  20. podiamos era explorar melhor os nossos recursos deixar de ser um povo com governantes ganaciosos que tudo fazem para o bem da banca e dos que vivem na sombra disso eles são eleitos para governar o país mas vão para lá para se governar a eles e aos amigos só falam verdades na campanha eleitoral o povinho que passa o ano tapadinho das ideias a ver SIC e TVI com programas de PURA MERDA na hora de votar votam neste ou naquele porque fala bonito porque é mais elegante e merdas dessas claro que com a ajuda do padreco da aldeia. Até a Caritas já faz anuncios com o Nicolau a falar da crise esse PSD de merda

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo