segunda-feira, julho 16, 2012

Rigor e exigência


Este Nuno Crato, que vai ficar conhecido no futuro como o Ministro que promoveu o maior despedimento colectivo da história ao deixar de fora no próximo ano mais de 10 mil professores, gosta muito de falar da necessidade de haver um maior rigor e exigência no ensino, com mais avaliações e menos facilitismo. Mas, como sempre é pela boca que morre o peixe a acaba por ser um seu colega de governo que mostra que todo esse discurso é só da boca para fora. Questionado sobre a licenciatura do Dr. Relvas começou por nada dizer, depois que a Universidade em causa seria avaliada dentro do programa de auditorias existente e na data prevista para agora nomear uma comissão que faça essa avaliação com a máxima urgência. Até poderia parecer que estava a tentar esclarecer o que se tinha passado, mas afinal a avaliação pedida é para ver se a universidade acatou as recomendações feitas na auditoria de 2009 quando a licenciatura em causa é de 2006/2007. O que parece que se pretende restaurar é a credibilidade da Universidade Lusófona, (com um bom relatório a mostrar que agora está tudo bem), e não esclarecer o caso da licenciatura. É que isto de rigor e exigência é bom para a escola pública mas pode-se fechar os olhos quando estão em causa interesses privados de amigos e colegas.

9 comentários:

  1. Se n~
    ao fossem o gang da Porcalhota, até podia ser que tivessem boas intenções.
    Mas assim ?

    Ainda há-de nascer 2 vezes o que for mais honesto do que eu.
    O Jardim vai pedir a licenciatura em Astronomia .

    ResponderEliminar
  2. kaos
    Gostava de ver um boneco com o Mário Nogueira que tanto fez pelos professores num passado recente e agora mal se vê.
    Isto está muito pior e não agendam manifestações dia sim dia sim nem esperas a quem ajudou a eleger.
    Tempos estranhos estes.

    ResponderEliminar
  3. Eis um documentário feito por cá que sugere soluções.

    http://youtu.be/Skm57inNCZo

    saúde e boa continuação :-)

    ResponderEliminar
  4. Estes tipos gostam mesmo de levar no toutiço.....e muitas vezes...!!!

    ...é que... quando sair o tal relatório de apreciação da Lusófona...quando o pessoal já estivesse meio esquecido....lá vem a malta toda falar outra vez das equivalências e das licenciaturas tiradas num ano...e ...que o Relatório nada diz sobre o assunto...

    ....isto é que é ser mazuquista...

    ...cá estaremos!!...

    ResponderEliminar
  5. mazuquista ?
    Nunca comi !

    ResponderEliminar
  6. Mas os professores fazem falta ou não? Essa é que é a pergunta a exigir uma resposta. Que muito provavelmente é como a do dinheiro para o sistema nacional de saúde: fazem falta uns milhões para a roubalheira continuar...
    Miguel

    ResponderEliminar
  7. Olha mais um com o Relvas! É giro ver a esquerdalhada chocada com o curso canhão deste artista, e caladinha com o cursito do emigrante, os certificados desaparecidos da AR, as falsas declarações na câmara da Covilhã para ganhar uns cobres com a mudança de letra, as aprovações à la minuta de projectos feitos por desenhadores... tão puritanos e sérios, têm mesmo de ser da esquerda tuga.
    :-))

    ResponderEliminar
  8. Deixem lá, para acabar com a concorrência que lhe move a qualidade, o Relvas está a preparar o fim da carreira de Prof. Universitário no ensino superior de qualidade (público). Pelo menos, disso se queixa um dos sindicatos...

    ResponderEliminar
  9. acabou o euro mas vem ai londres jogos olimpicos no intervalo para distrair cultivam-se relvas no portugal garden deixa vir setembro e lá vem mais um pacote de austeridade entretanto desce o barril do brent baixa o preço do combustivel em espanha mas cá vai subindo alegremente assim como o resto dos bens.....

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo