sexta-feira, agosto 10, 2012

Trabalhar por 50 Centimos à hora


A Becoming Green, uma empresa britânica está a empregar presos a quem paga 3 libras por dia (3,77 euros). E em simultâneo tem despedido funcionários.
A empresa de instalação de painéis de energia solar, aderiu a um programa promovido pelas autoridades britânicas que visa a ocupação dos prisioneiros e nos últimos meses integrou dezenas deles nos seus serviços.  A empresa garante que foi autorizada pela prisão a pagar 3 libras aos presos e que o acordo é para um mínimo de 40 dias, mas pode prolongar o «emprego» pelo tempo que quiser, pelo mesmo valor. Confirma ainda que nesse período despediu outros trabalhadores mas defende que isso faz parte «do ambiente normal de um call center».

Isto pode parecer mais um caso isolado de uma empresa oportunista, mas se prestarmos atenção isto só é a consequência das politicas liberais e capitalistas que governam a Europa. Cada vez mais o trabalho é precário, sem direitos e com salários cada vez mais baixos. Esta é a politica em curso agravada pelo ataque ao estado social, (saúde, educação, segurança social) e serviços públicos (transportes, energia e água). Em nome dos mercados e do aumento da riqueza de alguns condenam à miséria muito milhões. Pagar a presos menos de 50 cêntimos por uma hora de trabalho é pior que escravatura pois assim nem casa e alimentação têm de fornecer. Perdeu-se a vergonha e entrámos no mundo do vale tudo.
É por isso que a solução não passa pelos partidos do regime e exige a mobilização dos povos para nas ruas debaterem novas vias, novas soluções e exigirem a mudança. Uma democracia verdadeira, mais participada, mais directa é essencial. É isso que os movimentos dos Indignados e as acampadas andam a dizer há mais de uma ano sempre sobre a mira das policias e da comunicação social do regime dispostos a silenciar esta alternativa. Mas esta apatia que se assiste por parte das populações não pode continuar para sempre a cada vez mais gente compreende que não pode ficar em casa sentada no sofá à espera de um qualquer Dom Sebastião que lhe venha resolver o problema. A solução está em cada um de nós para juntos fazermos a mudança. Não esperem por milagres que o milagre é a capacidade que todos nós temos para pensar, para debater e para decidir. Está tudo nas nossas mãos e na nossa vontade.

10 comentários:

  1. O observador10/8/12 13:19

    Confesso que concordo com a ideia de os presos trabalharem e ganharem (ainda que menos que alguém que se encontre em liberdade) dinheiro pelo seu trabalho.

    Contudo e apesar de achar que esta é uma boa medida, é preciso implementar a mesma COM MUITO CUIDADO PARA EVITAR ABUSOS, assim sendo:

    1) os presos nunca deverão trabalhar para privados mas sempre para o Estado e em funções de interesse público e nunca privado

    2) o recrutamento de população prisional nunca deverá ser feito para substituir pessoas que já desempenhem essas funções, para criar "concorrências" que visem baixar o preço do trabalho

    3) o trabalho por presos é a meu ver uma forma de manter as pessoas ocupadas e sentirem-se valorizadas pelo que até pode constituir (desde que feito com dignidade e respeito) uma boa forma de "passar o tempo" da pena de prisão

    4) o dinheiro ganho pelo recluso pode servir para este ajudar a família, constituir um pequeno fundo que poderá ajuda-lo na sua reintegração na sociedade, uma vez cumprida a sua pena

    5) nem todos os presos poderão usufruir deste sistema (reclusos perigosos, com elevado risco de fuga, ou crimes muito graves não deverão poder gozar desta possibilidade)

    6) o recluso deve poder escolher aceitar ou não aceitar o compromisso de trabalhar, sendo que como incentivo para trabalhar para além do factor monetário deveria existir a possibilidade de (desde que associado igualmente a um bom e correcto comportamento) de redução do tempo de pena (o preso poderia eventualmente sair mais cedo da prisão ficando em regime de liberdade condicional) e uma carta de recomendação dos Serviços Prisionais atestando que o recluso cumpriu a pena a que fora sujeito tendo mostrado não só um bom comportamento, como dedicação ao trabalho ambos sinónimos da sua mudança e por isso mesmo mérito de re-inserção na sociedade.

    Pelos argumentos expostos, considero o trabalho para reclusos uma medida benéfica para o recluso e para a sociedade, é necessário contudo regras bem definidas, um controlo apertado da correcta aplicação das mesmas tudo para evitar abusos do sistema e daqueles que pretendem governar o sistema em proveito próprio

    ResponderEliminar
  2. está aqui o futuro da europa.

    os governos roubam aos milhões.
    o povinho é preso e assim nem atrapalha em possíveis manifestações.
    os patrões têm trabalhadores de borla.
    os presos têm cama mesa e roupa lavada para não ficarem caros ao estado ou aos patrões até prepunha trabalharem a custo zero assim o patronato poupa capital.
    podem assim rasgar os decretos sobre leis laborais.
    no fim até tem aqui um ponto útil: uma gajo passa mais uns anos de grelha e num determinado dia fazem uma limpeza geral do patronato capitalista do país e matam-nos a todos.
    OH PÁ O POVINHO INGLÊS É MAIS UMA NAÇÃO DE ENERGUMENOS QUE ORIGINARAM OUTROS FILHOS DA PUTA QUE SÃO OS AMERICANOS E SE FOSSEM TODOS ERRADICADOS DA TERRA NÃO FAZIAM CÁ FALTA NENHUMA. PODE SER QUE VÃO TODOS PARA MARTE E LÁ FIQUEM

    ResponderEliminar
  3. Kaos, liga o AR CONDICIONADO......ah,ah,ah

    ResponderEliminar
  4. Qual a única coisa que cresce em Portugal ?

    A taxa de roubo deste governo !

    ResponderEliminar
  5. 50 cêntimos à hora? Por esse valor vale mais fazer bonecos neste blogue! Isto é uma mina, o resto é para desviar atenções...

    ResponderEliminar
  6. ESCRAVIDÃO!EM DEMOCRACIA!!!!(?????????????????????)dEMOCRACIA?

    ResponderEliminar
  7. Ms...atão se o preso deve trabalhar para que é que está preso...???

    ResponderEliminar
  8. Já agora vamos até ao fim....prendam-se os funcionários públicos todos e depois contratem-se a 50 cêntimos à hora...

    ResponderEliminar
  9. Estamos quase lá....1939 à vista...!!!

    ResponderEliminar
  10. E para quem pensa que isto resulta... O trabalho dos prisioneiros está comprovado não resulta. Dá prejuízo. Isso vem naqueles livros que os "doutorados" pelas Universidades Lusófinas deste mundo já não precisam de ler para receber o diploma. Por alguma razão (puramente económica) o trabalho escravo foi substituido por trabalho assalariado.

    É uma uma idiótica estupidez desta trupe de indivíduos débeis mentais que nos (des)governa.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo