quarta-feira, agosto 29, 2012

Tudo em nome da austeridade...dos outros


Pequenas notícias que alegraram o dia:

- Os membros dos gabinetes ministeriais não podem "ser prejudicados nos seus direitos, regalias, subsídios e outros benefícios sociais de que gozem na sua posição profissional de origem", pelo que quem recebeu o pagamento de férias em 2012 poderá também vir a receber o subsídio de Natal.

- Quando o Governo decidiu converter o Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP) em empresa, no início de Junho, o Ministério das Finanças garantiu que tal alteração não iria aumentar a remuneração dos administradores. No entanto, os estatutos da entidade, publicados em Diário da República, mostram o contrário. Em vez de ficarem limitados ao salário do primeiro-ministro, os três gestores vão ter direito à média de vencimentos que auferiram nos últimos três anos.
 
- Os políticos estão a receber este ano mais dinheiro por mês em relação a 2011, apesar dos cortes de subsídios e de salários que foram aplicados no decorrer deste ano.
A subida média nos salários dos governantes e dos deputados foi de 81 euros. A remuneração média dos representantes do poder legislativo passou de 5605,5 para 5686,6 euros (uma variação de 1,5%) e que, de acordo com o ministério das Finanças, pode ser explicado pela atribuição de factores variáveis nos seus salários, como é o caso de subsídios de deslocação. A verdade é que no final do ano, este acréscimo salarial vai corresponder a dois mil euros.
 
Todos os dias somos "surpreendidos" por notícias como estas e ainda há portugueses que se sentem culpados por terem sido demasiadamente esbanjadores por terem vivido com os salários mais baixos da Europa. Há ainda quem acredite que os sacrifícios são necessários e estão a ser distribuídos igualmente por todos e que só assim poderemos pagar uma divida pela se sentem responsáveis. Que mais factos necessitam para ver que andamos a ser roubados e espoliados nos nossos direitos e vidas, que andamos todos a apertar o cinto para que outros possam encher mais o bandulho?

11 comentários:

  1. Pessoalmente compreendo que o País tem uma dívida enorme para pagar e como tal, eu e todo e qualquer português com um mínimo de decência e vergonha na cara quer que se paga as dívidas que temos pois não somos caloteiros.

    Face a isto, posso compreender que sejam necessários cortes nos nossos salários, que se passe a viver com menos, que em vez de se comer carne de vaca se coma carne de porco, que em vez de andar de BMW se ande de FIAT, tudo a bem do futuro do País.

    AGORA:

    NÃO POSSO ACEITAR que haja quem não seja minimamente beliscado pelos cortes e ajustes, que este governo NÃO COMPREENDA (OU PELO MENOS NÃO APLIQUE A SI PRÓPRIO) O CONCEITO DE AUSTERIDADE (ser austero é uma pessoa ser comedida nos seus gastos e não gastar mais do que aquilo que tem - o dito "viver acima das suas possibilidades" que o Governo, Catrogas, Borges, etc. tanto gostam de apregoar mas pouco de praticar em si mesmos) pois se bem me recordo todo anterior Governo passeava-se em bons BMWs e o actual Governo anda a passear em bons MERCEDES, ora se o País está à rasca de dinheiro não devia ter prolongado o tempo de utilização dos veículos do anterior Governo?
    Mas até vou admitir que realmente a situação dos carros era tal que obrigava de facto a uma renovação da frota; Então porque não mudar para carros de uma gama mais baixa? Há carros japoneses muito mais baratos, mais fiáveis e com custos de manutenção bem inferiores. Mas ok, também vou aceitar que tenhamos que comprar carros "Made in União Europeia" para ajudar a Economia da UE, nesse caso não temos Renault, Citroen, Peugeot, Fiat, Lancia, Alfa-Romeo, Opel, Volkswagen, Skoda, tantas marcas bem mais baratas e com alguns veículos de gama superior que embora não sendo "premium" fazem boa figura e sem serem tão caras aos contribuintes???

    Mais, lembram-se da 1ª ida a Bruxelas do Coelho em Classe Turística?
    Será que ainda hoje quando vai a qualquer Capital Europeia vai em turística ou aquilo foi só para a fotografia?
    Sinceramente punha como seguinte limite: "viagens até 4h-4:30 só em turística" como estas representam 90% ou mais das viagens dos políticos imagine-se só a poupança que se tirava daqui.
    E sempre era uma poupança mais lógica do que reduzir abonos de família num país com 2ª MAIS BAIXA TAXA DE NATALIDADE DO MUNDO. Será que não vêm que daqui por 10, 20, 30 anos não vamos ter população activa capaz de suportar economicamente e até mesmo assistencialmente uma população sobre-envelhecida?
    Que raio de Economistas e Gestores são estes que não são capazes de ver aquilo que qualquer pessoa, sem um curso destes, mas minimamente educada, inteligente e com 2 dedos de testa para reflectir é capaz de ver?

    ResponderEliminar
  2. Desculpe lá...
    mas quem é que disse, que estes analfabetos, são gestores ?

    ResponderEliminar
  3. Ainda que mal pergunte… [111]
    José Almaça foi nomeado pelo Governo para um cargo importante: presidir ao conselho directivo do Instituto de Seguros de Portugal, o supervisor do sector. Antes, o nome de José Almaça andara na praça pública por ter sido obrigado a demitir-se da Universidade Autónoma de Lisboa, após uma série de maroscas para favorecer um aluno, que, por acaso, é seu filho. Ainda que mal pergunte: as escolhas do Governo (no caso, de Vítor Gaspar) fazem-se pelo curriculum ou pelo cadastro?

    in Câmara Corporativa

    ResponderEliminar
  4. Quanto mais vígaro melhor!
    Haverá mais para dizer?

    ResponderEliminar

  5. O Algoritmo deste pateta falhou.

    Matemática de mercearia...

    Sócrates volta! Isto era mais divertido contigo. A mercearia até tinha mais graça...

    Lê Slavoj Zizek e vais rir à gargalhada...Vá, aproveita e estuda.

    ResponderEliminar
  6. Na minha opinião mais optimista, todo o governo e familiares directos têm futuro garantido, foi o contribuinte quem permitiu que fizessem vida de classe elitista. À medida que o País vai sendo vendido a estrangeiros e o guito bem distribuído pela cada vez maior matilha, toda a classe baixa e média-baixa acabará eventualmente e com sorte, trabalhando apenas por comida e tecto. Talvez venha a lembrar os tempos da colonização...mas ao contrário.

    ResponderEliminar
  7. E o que está a acontecer senão OUTRA, MAS NOVA COLONIZAÇÃO?

    Basta reflectir bem nas políticas de todos aqueles que nasceram nas ex-colónias ou ex-províncias, como lhe queiram chamar!

    PASSÁMOS DE COLONIZADORES A COLONIZADOS!

    "ODEIO ESTA GENTE"!

    ResponderEliminar
  8. Realmente tudo aponta para que estejamos sendo colonizados ... Muito mais assustador é esta passividade do povo aguardando que seja o próximo a resolver a situação, enquanto os políticos seguem e somam risadas cínicas frente às cameras sem satisfações a dar.

    Odiá-los infelizmente não resolve nada, pelo contrário, fortalece-lhes o ego. E mais se riem.

    ResponderEliminar
  9. ...sem satisfações a dar e muito menos culpas a assumir.

    E ainda têm a distinta lata de se acharem mal pagos.

    ResponderEliminar
  10. paz - muita segurança á volta
    pão - roubar para não faltar
    povo - bom para votar na laranja
    e
    liberdade - de lixar o próximo

    ResponderEliminar
  11. ao 1º anónimo digo isto:
    OS MERCEDES E BMW NÃO SÃO DA TERRA DA MERKEL??? QUAL É A DUVIDA???

    aos outros:
    http://www.youtube.com/watch?v=wusiy0Z9oAo
    http://www.youtube.com/watch?v=V85u-EsgigM
    http://www.youtube.com/watch?v=bzmcZrNuhgI
    http://www.youtube.com/watch?v=9GOxvwI8xmk

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo