terça-feira, agosto 14, 2012

Vamos de mal a pior


Numa votação em real time no site do Económico que juntou mais de 11.000 votos válidos, José Sócrates foi votado como o melhor primeiro-ministro. Mário Soares pode ter conseguido estabilizar o país no período pós-revolucionário, Cavaco Silva ter sido o primeiro a conseguir completar um mandato, Durão Barroso até pode ter saído de São Bento para a presidência da Comissão Europeia, mas foi José Sócrates o escolhido, pelos leitores do Económico, como o melhor primeiro-ministro do país. Passos Coelho e Santana Lopes fecharam o pódio.

Isto nem o valor de uma sondagem tem e sabemos bem o valor que elas têm, mas num país de "alterne político", não me admira nada o resultado desta votação. Sócrates foi um aldrabão que nos lixou a todos, e quando saiu do poder saiu quase escorraçado, mas esta corja que lá está agora consegue estar a fazer ainda pior. Continua o compadrio, a existir os "amigos"e os negócios pouco transparentes com a agravante de não mostrarem qualquer vergonha, competência, respeito pelas pessoas ou pesar pela miséria que criam, destruindo direitos, o estado social e a economia.
Não estará na hora de não olharmos para a governação como um jogo em que agora governa um, depois governa o outro mas decidirmos que esta gente que está ao serviço dos grandes grupos económicos e dos mercados não nos serve e só nos cria mais problemas que aqueles que resolve? Não está na hora de dizer que, se aqueles que nos têm governado nos colocaram na situação em que estamos, os que governam agora nos dizem que todos temos uma divida para pagar, então que digamos nós que não queremos continuar num sistema que permitiu que isso acontecesse e que a partir de agora assumimos o controlo das decisões que dizem respeito ao nosso futuro? Se vivemos numa democracia temos direito a exigi-lo.

9 comentários:

  1. realmente essa votação só pode estar certa pois foi o gajo que melhor vendeu o país havia por ai uns gajos que vendiam o farol do bugio a ponte sobre o tejo e outras ninharias nada comparado com o gajo e o passos de certeza que daqui a 3 anos também obtém um 1º lugar. Num país onde 5% come tudo o que há e não há sem nunca se saciar onde cerca de 15% são menores não votam, 19% são analfabetos votam pelo que o padre diz 57% anda dormente a ver novelas, tony carreiras, futebois e fátimas sobram uns miseros 5% que é o pessoal que se manifesta contra esta cambada de ladrões e reis em terrinha de cegos

    ResponderEliminar
  2. aliás sobram 4% retifico

    ResponderEliminar
  3. Fodam-se!O jornal económico só é lido por entelequetuais,daquela estirpe induncada e licensiada (pelas univ. de Fantasia)de Óeiras....

    ResponderEliminar
  4. o povo potugues é mesmo burro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Burro não, Muito BURRO e Masoquista. Só se ouve falar; Força Camarada e Avante mas o Povo levantar-se da cadeira isso é que não, mas fazer Greves isso Sim. Já o disse e volto a repetir as quantas vezes forem necessárias, todos da minha geração fizemos duas coisas: tivemos na Guerra e lotamos para uma Liberdade, agora façam vocês o que têm de fazer, arrumem a casa.

      Eliminar
  5. Só podem estar a gozar!!??!!

    ResponderEliminar
  6. Pessoal do RVCC recebe cartas em casa: têm 4 meses para passar a matricula para a lusófona onde lhes é passado o respectivo diploma de acordo com os créditos de que forem possuidores!

    ResponderEliminar
  7. e isto foi no Banga-Banga, ali pelo corno d'áfrica ...

    ResponderEliminar
  8. Acho que deviam ir os dois para o Governo, Sócrates e Passos Coelho, devem também pôr lá o Ferreira dos Santos e o Vítor Gaspar, assim sempre assinam mais rápido, no Terreiro do Passo, a venda ao desbarato deste rectângulo em funesta hora plantado, à beira do Atlântico.

    E, já agora, reabram a Independente e abram a Lusófona, abram as rotativas 24 horas por dia, vamos exportar diplomas para Angola (e restante lusofonia corrupta), já e em força, para parafrasear uma outra lenda da governação portuguesa...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo