sexta-feira, dezembro 28, 2012

O General Coelho


Sei que já passaram alguns dias e tantas têm sido as tretas ditas pelo gatuno do Passos Coelho  que fui adiando o que queria dizer sobre a sua afirmação de que «precisamos de encontrar em cada cidadão um soldado que esteja disposto a lutar pelo futuro do país». Parece-me desapropriada porque o roubo e a burla não se combatem com soldados mas simplesmente com justiça. É claro que estamos prontos a lutar pelo nosso futuro mas se o fizermos o inimigo é ele e a cambada que o acompanha na imensa burla em que está transformada a politica neste país. O inimigo são as grandes corporações, os mercados, os que vivem à custa de dívidas odiosas e fabricadas para escravizar e roubar os países bem como os bandalhos que os servem sem respeitarem o seu próprio povo. Era bom por isso que o Passos Coelho tivesse cuidado com o que diz e deseja pois os portugueses podem compreender  quais são os seus verdadeiros inimigos e resolvam ser soldados para correr com os traidores e os seus donos. 

4 comentários:

  1. Provavelmente na guerra usaria uns calções castanhos...just in case...

    ResponderEliminar
  2. Forçam-me, mesmo velhote,
    de vez em quando, a beijar
    a mão que brande o chicote
    que tanto me faz penar.

    Os que bons conselhos que dão,
    Às vezes fazem-me rir
    por ver que eles mesmos,
    são incapazes de os seguir.

    Acho uma moral ruim
    trazer o vulgo enganado:
    mandarem fazer assim
    e eles fazerem assado.

    Sou um dos membros malditos
    dessa falsa sociedade
    que, baseada nos mitos,
    pode roubar à vontade.

    Esses por quem não te interessas
    produzem quanto consomes:
    vivem das tuas promessas
    ganhando o pão que tu comes.

    Não me dêem mais desgostos
    porque sei raciocinar...
    Só os burros estão dispostos
    a sofrer sem protestar!

    Esta mascarada enorme
    com que o mundo nos aldraba,
    dura enquanto o povo dorme,
    quando ele acordar... acaba!

    De Antonio Aleixo

    ResponderEliminar
  3. A história disfarça a mentira
    com salpicos de verdade.
    Que dirá de quem, hoje, nos retira
    o futuro, a esperança e a liberdade?

    Que Passos Coelho foi espantoso,
    quando o sabemos tenebroso,
    ou que Sócrates foi maravilhoso
    quando o conhecemos desastroso?

    Temos de escrever a Verdade:
    Que fomos traídos pelos partidos,
    Que lutámos pela liberdade,
    Num país dominado por bandidos.

    E, desarmados, enfrentámos
    mercenários, de polícias disfarçados,
    pagos pelos corruptos no poder
    para a cleptocracia manter.

    O futuro merece saber,
    que necessitamos conhecer,
    a quem entregamos o Poder,
    para às mãos deste não perecer...!

    ResponderEliminar
  4. O local onde o afirmou também foi extremamente apropriado, como se aqueles soldados tivessem alguma coisa a ver, ou se quisessem misturar com a ignomínia que ele está a levar a cabo....
    As coelhadas do costume....

    ResponderEliminar

Partilhe