quinta-feira, fevereiro 07, 2013

Quando a Realidade supera a indignação


Copiei este texto do mural de uma amiga do facebook que por sua vez já o partilhava de um outro amigo:
 
Fez-me chorar... 
Já visitei a Venezuela e Cuba. Mas, esta tarde, visitei, pela primeira vez, um país do terceiro mundo. Eu conduzia pela via de acesso ao IC19 quando observei dois homens que seguiam junto ao rail vindos do Hospital Amadora-Sintra. O mais novo aparentava 45 anos e tinha a cara tostada pelo sol. O mais velho devia ter cerca de 80 anos e trazia um dreno ensanguentado junto à cintura. O filho trazia o pai que havia tido um AVC e uma infecção urinária. Ficaram na Brandoa. Foi onde os deixei depois de ter decidido dar-lhes boleia. Não tinham dinheiro para o transporte de ambulância. Durante a viagem, envergonhado, o filho concordou comigo. Este é o país em que os donos dos bancos e das grandes empresas enchem os bolsos através da humilhação dos trabalhadores e dos reformados. O velho mal se compreendia. Muito cansado tentava comentar com muita dificuldade o que se dizia. Mas houve um momento em que encheu a voz de força e rematou: "É preciso um novo 25 de Abril". Respondi-lhe, então, que se o havia que repetir que fosse sem cravos. Pelo espelho retrovisor, vi-lhe o sorriso. Não sei o que lhe passava pela cabeça. Mas, na minha, vi o nosso povo unido esmagar os que assim tratam os que sacrificaram o melhor das suas vidas pela felicidade de outros. E sorri-lhe de volta.

Quando o li comentei que pensava fazer um post utilizando o texto se entretanto conseguisse fazer um boneco que o merecesse. Não me perguntem porque escolhi esta imagem que pouco ou nada se relaciona com ele, mas na altura, sem saber dizer porquê, pareceu-me a imagem certa e ainda agora não sei mas ainda agora me parece. Quanto à história, não é o 25 de Abril sem cravos que me diz muito, já que foram eles que me mostraram os tempos e as gentes mais lindas que vivi, mas a tristeza de saber que vivemos outros tempos bem mais feios onde se despreza a pessoa e onde quase nada resta da dignidade humana. Este é o mundo de quem coloca nos altares do poder o dinheiro e não o homem. Este é o mundo do capitalismo selvagem, o mundo em que a cada vida humana é colada uma etiqueta com o preço que vale e a vida de cada um de nós cada vez vale menos.

5 comentários:

  1. Anónimo7/2/13 14:43

    Nuno

    A indignação já supera a realidade. Cada vez mais são os que se indignam e criticam o actual estado de coisas.
    Resta saber se passam da indignação á acção.Se têm a coragem e a força necessária para "tomar" o que é seu por direito pelas vias que forem necessárias.
    Não sei se já leu uma noticia que veio a público hoje, em que há assistentes sociais e hospitais a dizerem a jovens mães solteiras ou até aquelas que são de familias de parcos rendimentos a abortarem, porque caso não o façam os seus filhos vão para adopção uma vez que não têm meios para os criar mesmo contra a vontade dos próprios pais.Isto não é terceiro mundo isto é pior do que isso, incentivam a emigração, levam a população e o pais á pobreza ao desemprego, ao fecho diário de empresas, a redução de salários e prestações sociais.Isto é desumano, é vergonhoso é indigno é imoral.
    E é ve-los todos os dias nas televisões a dizer que estamos no bom caminho, que o regresso aos mercados está para breve, que o pais vai retomar o crescimento no próximo ano quando o que assistimos diariamente é a destruição do pais e da sua população.
    È preciso dizer basta e travar o quanto antes esta corja salazarista e fascista que se apossou do nosso pais e das nossas vidas com a desculpa das troikas e da crise.Há muito que eles ansiavam por este momento.
    Vamos mostrar-lhes porque já fomos um dos povos mais fortes e do que somos feitos.Chega,chega, já basta de tanto bater no pobre.
    Que se fodam os mercados e as troikas, queremos as nossas vidas e o nosso futuro de volta, e ao mesmo tempo limpar o pais desta corja mediocre e mentirosa que nos oprime.
    Vamos construir um novo pais com novos governantes honestos e que realmente se preocupem com o o seu povo e aqueles que os elegem e não com os mercados nem com o que dizem os de fora.
    Portugal é nosso e chegou a hora de o tomar de volta.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo7/2/13 16:13

    e este?

    2002
    "«Haja pudor e decência», pediu Portas, criticando os que, este domingo, vão receber o presidente de Angola como se fosse um democrata, e como se não fosse o mandante de um crime e não dirigisse um país onde os dirigentes gozam de opulência, luxo e riqueza enquanto o povo está entregue à fome e à miséria»."

    http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=760112&page=-1

    2013
    "Paulo Portas, que foi recebido terça-feira pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, a quem classificou como "um dos grandes líderes africanos", anunciou que Portugal e Angola realizam este ano a sua primeira cimeira bilateral."

    http://www.dinheirovivo.pt/Buzz/Artigo/CIECO098801.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo7/2/13 20:22

      Teem muita semelhança,não é?É o capitalismo,cuja natureza é selvagem,caro anónimo das 16:13.

      Eliminar
  3. Anónimo8/2/13 09:46

    Na minha modesta opinião e como muitíssimo revoltado com toda esta situação de MERDA considero esta gentinha do pior que passou por este País, pior muitas vezes mais que na época de Salazar!
    Roubam TUDO à descarada numa teia infindável!
    Ignoram os trabalhadores à custa de quem enriquecem e tratam-nos com indiferença execrável, como zeros à esquerda!
    Não percebo como este povo se mantém assim "pacifico", até dá dó!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo