terça-feira, junho 11, 2013

Destruição Social


 Cavaco Silva afirmou que com a imagem de um país que, “apesar da austeridade”, de um “grande desemprego” e do número de “famílias em risco de pobreza”, ainda preserva “a coesão nacional”. O Presidente afirmaria mesmo que “não há desestruturação social” em Portugal além de “não existir fragmentação social”.

Em casa dele provavelmente não há pois tem servido bem a família, que o diga  o genro que ficou com o pavilhão Atlântico a preços de saldo. O mal desta gente é, como tem medo do seu próprio povo como provam as medidas excepcionais de segurança de que se rodeiam para que ninguém se possa aproximar, verem o mundo através de números e estatísticas, muitas delas "marteladas" para servirem as suas ideias e interesses. Não sabem nem imaginam o que pensam as pessoas e aquilo porque passam. Não sabem o que é viver no desemprego pois têm sempre o futuro garantido por amigos e favores, não sabem o que é viver com o salário mínimo porque sempre foram principescamente pagos e muito menos sabem o que é ver os filhos com fome ou serem despejados das suas casas. Para esta gente tudo está bem e pode-se sempre pedir mais um sacrifício porque a eles não os atinge. Para esta gente haver quem ganhe milhões todos os anos enquanto outros andam aos caixotes não é fragmentação social. Para esta gente só haverá destruição social quando começarem as pilhagem ou o povo enraivecido lhes invadir as casas e os atirar ao Tejo. Já faltou mais.
 

7 comentários:

  1. DESTRUIÇÃO SOCIAL=DESTRUIÇÃO TOTAL!
    O QUE SE ESPERA DESTA GENTE?

    ResponderEliminar
  2. VERGONHA DE GOVERNO ESTE QUE ATÉ NEM DEFESA TEM FOI PRECISO CHAMAR GUARDAS COSTAS DE ESPANHA

    http://www.noticiasaominuto.com/politica/81156/governo-precisou-de-protec%c3%a7%c3%a3o-da-pol%c3%adcia-espanhola-no-10-de-junho#.Ubej2HBdbmQ

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. houve algum jogo de futebol?
      é que nos jogos de bola nunca faltam lá polícias e á pazada.

      Eliminar
  3. em quanto ficou o 10 de junho o dia de "o que foi/já era portugal do morto do camões e das caça o voto nas comunidades" em quanto? em quanto?

    ResponderEliminar
  4. Que morra o parolo de boliqueime!Cágado!

    ResponderEliminar
  5. Muito acertivo. Parabéns.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  6. Grande confusão, naquela cabeça: a nossa coesão nacional costuma aumentar quando a coesão social é posta em causa. E. como diz o Kaos, é verdade que há uma crise social brutal. Como pode o país aguentar por muito mais tempo 50% de desemprego jovem?! As pilhagens e ocupações que tanto temem poderão estar aí ao virar da esquina. Cavaco Silva que não tente o destino, porque há-de sobrevir grande desobediência social se teimarem muito mais na destruição do modo de vida do povo português.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo