quinta-feira, setembro 28, 2006

O Naufrágio

Hoje, na Assembleia da Republica durante o debate sobre a segurança social ouviu-se:
"Verdadeiramente é uma proposta Titanic, a do PSD, porque em primeiro lugar isto significa afundar o barco e pôr em causa o equilíbrio da Segurança Social. Mas é a proposta Titanic por uma outra razão, é que não se trata apenas de afundar o barco, trata-se também de que os únicos que se salvam são os da primeira classe."
José Sócrates
“Eu entendo-o. Tem um congresso à porta, alguma esquerda à perna [José Sócrates] e por isso está refém.
Marques Mendes
.
Marques Mendes diz entender o Sócrates, mas eu é que não entendo o Marques Mendes. A primeira questão que coloco é sobre a razão porque andam todos, começando por ele próprio, a insistir que o governo aceite a sua proposta para a segurança social desistindo da sua. Que obrigação tem o Sócrates de fazer isso? O PS ganhou as últimas eleições com maioria absoluta e o PSD perdeu ficando-se pelos 30%. É ao PS que compete decidir qual o caminho que deseja seguir e não ao líder da oposição. Ou será que o tem de aceitar só porque o Sr. Silva resolveu balbuciar que gostava de ver mais um acordo, numa estranha leitura daquilo que deve ser a democracia, sobretudo quando nem ele nem os governos PSD alguma vez fizeram? Não me parece.
A segunda questão é um pouco diferente, mas mostra qual a ideia que Marques Mendes tem de democracia e sobre o uso da mentira como forma de manter o poder. Porque raio haveria o Sócrates de estar refém do congresso do PS? O partido não é dele e a sua obrigação é transportar para o governo as ideias que são aprovadas por esse partido. Se as suas ideias fossem diferentes daquelas que propõe, só teria que as apresentar e esperar pelo veredicto do congresso. Não tem que defender nenhuma posição diferente daquela que realmente tem, não há realmente necessidade de mentir ao seu próprio partido. Afinal, Sócrates tem feito uma política muito mais liberal e de direita que o PSD alguma vez fez e o Partido que se chama socialista nada tem dito.

.
Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

14 comentários:

  1. É sempre mais do mesmo, não é amigo?
    Soberba a ideia e a imagem!
    Jinhos

    ResponderEliminar
  2. tb:
    O pequenote parece não entender que é pequeno tanto em altura como em dimensão politica. mas sobretudo em representatividade que tem neste momento dos eleitores. Devia manter-se no seu lugar e aceitar as regras da democracia que diz defendes

    ResponderEliminar
  3. Estão a brincar com coisas sérias. Se cada vez que um ganha as eleições muda tudo, stamos feitos. Este assunto obriga a um pacto de regime.

    ResponderEliminar
  4. Sou Europeu, Português, Cidadão de Pleno Direito do séc. XXI.

    Hoje, 28 de Setembro de 2006, acordei com a obsessão de querer saber o que contém o "Envelope 9". Mais: acordei com a sensação de querer saber tudo o que está dentro de todos os envelopes, e quero saber o conteúdo de todas as escutas que foram feitas neste país, ou, pelo menos, de uma síntese dos seus temas, intervenientes e implicações.

    Não me sinto representado por um bando de cavalheiros, que, sentados numa coisa chamada Assembleia da República, apenas perpetuam o sistema de conluios e mentiras que transformou o meu país numa espécie de Colômbia Lusitana.

    Assumo, à Luz da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Princípio da Separação de Poderes, que os Tribunais do meu país funcionam de acordo com a Lei-do-tem-dias, e não asseguram a igualdade do cidadão perante a Lei. Consoante as luas, forjam culpados, e inocentam criminosos.

    Quero ter órgãos de informação social que me digam, quando eles não sabiam que estavam a ser escutados, todos os enredos, tramóias e compadrios que se teceram nas minhas costas. Quero saber quem é de confiança, ou um puro criminoso, daquelas caras que nos governam, e que, diariamente, sou obrigado a suportar.

    Quero saber para onde vai o dinheiro dos meus impostos. Exijo que, um a um, todos os indivíduos que não cumprem as leis do meu país e se acham no direito de oprimir os meus concidadãos com o cumprimento das mesmas, sejam arredados de todos os cargos políticos, representativos e de direcção que ocupam.

    Quero saber que, com quem, e sobre o quê se falava nas escutas dos Envelopes 9, 10, 11, 12, 13, e por aí adiante.

    Quero que haja um grupo de cidadãos que peça o mesmo, e que, se descobrir que o Poder Judicial, em Portugal, está total, ou parcialmente, minado pela Corrupção, tenha o direito e o dever de apelar para a intervenção de Tribunais Europeus, ou Mundiais, isentos.
    Quero saber onde vivo, quem me governa, e para onde estou a ser levado.

    Porque, parafraseando Almada, eu sei que todas as escutas que haveriam de limpar o "Sistema" já foram feitas, já só falta, agora... limpá-lo.

    Muito Bom Dia.

    ResponderEliminar
  5. vma:
    Se estão em causa formas tão diferentes de ver o problema como é possivel haver um pacto. O MM tem de respeitar a opção de voto dos eleitores que deram a maioria absoluta ao PS. O mais que pode fazer é propor algumas medidas ao projecto do governo e não o contrário.

    ResponderEliminar
  6. Arrebenta:
    100% de acordo
    Vi que aquilo que aqui dizes já existe num post nos Braganza, mas mesmo assim logo penso publicá-lo aqui também.
    abraço

    ResponderEliminar
  7. "e o Partido que se chama socialista nada tem dito."
    já no tempo da união nacional era assim. é a melhor maneira de manterem o poder...

    quanto à reforma da segurança social - assunto da moda - pretendem o ps, o psd, os tipos do mini-bus e os simpáticos do beato, criar um clima de alarme, usando dados falsos e apregoando a inevitabilidade da falência da ss, que só acontecerá se continuarem a precarizar o trabalho e a destruir, como tem acontecido, a capacidade produtiva do rectângulo...

    ResponderEliminar
  8. mendes só fala assim, pq julga que fala por cima do corpo de cavaco. Se cavaco não estivesse a levantá-lo, não se atreveria a estas "exigências" de pactos de regime. E aliás... De facto, falamos de um partido com 30% de votos (efeito Santanaz, é certo)... e os outros? Se falam tanto de Pactos de Regime porque não estender os consensos aos demais, e sobretudo ao PCP e ao CDS/PP? Nas áreas da Justiça, da Educação e da Segurança Social seria certamente possível encontrar algures uma plataforma comum... Querendo.

    ResponderEliminar
  9. Só com trabalho de equipa se pode chegar a resultados. Vão entender isso quando?


    BeijInha

    ResponderEliminar
  10. luikki:
    Há muitos anos, e não só em Portugal, que a ss tem aberto o apetite dos grandes lobos do capital. A melhor solução para justificarem o seu fim tem sido a sua descapitalização. Isto é, quanto amis encargos lhe associarem mais rápidamente podem dizer que ela faliu. Uma falácia que pelos vistos está a dar frutos em Portugal
    abraço

    ResponderEliminar
  11. Não acredito que com a gula que existe pelo dinheiro e com os politicos a fazer jogos de interesses privados que seja possivel fazer qualquer tipo de acordo. Era necessário é que surgisse alguem que desmascarasse as mentira e os interesses que puxam os cordelinhos.
    abraço

    ResponderEliminar
  12. inha:
    Neste caso não há possibilidade de trabalhar em equipa. Os interesses pessoais são tão diferentes que não há acordo possivel.
    bjos

    ResponderEliminar
  13. Kaos,parabéns pela foto...mas os meus sinceros parabéns vão para o texto. Concordo contigo, especialmente quando dizes que o PM tem feito uma politica mais à direita do que opróprio PSD,.
    Tenho tido cá em casa umas discuções porque não gosto do Sócrartes. É simplex de mais para mim. Mas isso tenho de admitir.
    Quanto ao MM,é uma figura patética, é só!Um partido com a história do PSD, deveria ter um líder À altura ( e sem trocadilhos).

    ResponderEliminar
  14. Alien:
    Também não gosto do Socrates e muito menos da politica que ele segue. Quanro ao MM bem devia ser alguem com uma outra dimensão (nos dois sentidos)
    bjos

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo