terça-feira, novembro 28, 2006

Flexigurança

A imaginação desta gente parece não ter limites. Agora é a "flexigurança", a ultima invenção para nos convencerem da sorte que teremos em não sermos aumentados, não termos um horário de trabalho e como a felicidade passa por sermos despedidos. O governo lança a ideia para o ar, os patrões já esfregam as mãos de contentes e nós podemos já ver o nosso futuro mais negro.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

26 comentários:

  1. Simplesmente inacreditável! Vai na mesma onda de outras medidas tomadas por outros cromos governativos, como o Min. da Educação e o Min. da Saúde.
    No entanto esta é de mais, quando ouvi a notícia na rádio de manhãzinha a minha vontade foi de fugir deste país de uma vez por todas,para o mais longe possível. Quiçá Nova Zelândia!
    Isto mais do que imaginação trata-se de ABERRAÇÃO!!! ABERRAÇÃO!!! ABERRAÇÃO!!!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Ahahahahah!...

    Eu só gostava de saber a técnica para engendrar estas imagens, pá!

    Todas as TVs estão a falar da "flexisegurança", que já existe na Holanda e na Dinamarca, blá, blá, blá , blá,...
    Com a "flexisegurança", uma ferramenta de combate ao desemprego como ainda agora ouvi dizer,poderão os trabalhadores acordar com o patrão em reduzir o horário de trabalho - recebendo menos!; será mais fácil despedir pessoal - Uau! Que bom!, o Governo garante melhor protecção aos despedidos - Como, ninguém sabe!, etc.etc.etc.
    Estou feliz, porque agora vem aí a "flexisegurança" que vai conseguir o milagre de ser MUITO BOM para empregadores e empregados.
    Vou já fazer umas flexões. Com licença.

    Jorge G

    ResponderEliminar
  3. o ministro bem que poderia meter a cabeça noutro sítio...
    será que estes fdp não conseguem ter uma única ideia e tentarem copiar o que não é copiável?

    ResponderEliminar
  4. Que grande flexibilidade! Igual à que cada vez mais pedem aos trabalhadorse portugueses...
    Saudações!

    ResponderEliminar
  5. O malabarismo governativo
    atinge sempre os mesmos
    pelo salário convertido
    em troca de torresmos

    ResponderEliminar
  6. Na realidade já me começo a questionar sobre o que virá a seguir. É que a imaginação desta gente é tão fértil que começo a temer algo de mais preocupante!

    ehehe!! O ministro nem parte a espinha nem nada?


    Saudações infernais!

    ResponderEliminar
  7. Corcunda:
    Isto é mais um ataque à nossa vida e à nossa liberdade. Colocar-nos totalmente nas mãos dos patrões é fazer de nós uns quase escravos. Falar da Dinamarca como exemplo é sinónimo de hipocrisia.
    abraço

    ResponderEliminar
  8. Jorge:
    Se isto for para a frente bem vamos ter de ser flexiveis para lamber as botas ao patrão. Depois disto atingiremos o pico do capitalismo mais selvagem.
    abraço

    ResponderEliminar
  9. luikki:
    Se as ideias que tivessem forem desta qualidade bem as podem meter onde querias que o ministro metesse a cabeça
    abraço

    ResponderEliminar
  10. roadrunner:
    O que nos pedem não é flexibilidade, mas sim que partamos a espinha.
    abraço

    ResponderEliminar
  11. contradições:
    Pelo que vi e ouvi só vi vantagens para as empresas. Perde o estado e sobretudo quem tem de trabalhar para viver. Vergonhoso
    abraço

    ResponderEliminar
  12. Kaos, atenção!

    As minhas flexões são para me pôr em forma para o combate!

    Jorge G

    ResponderEliminar
  13. belzebu:
    Nem necessitam de ter grande imaginação, basta seguir os manuais do capitalismo e inventar uns novos termos para disfarçar as palavras que assustam.
    O Ministro partir a espinha? Clao que não, se não tem uma.
    abraço

    ResponderEliminar
  14. jorge:
    Então conta comigo para estar ao teu lado. Isto não pode continuar assim.
    abraço

    ResponderEliminar
  15. Acho que o ministro conseguiu ser tão flexivel que enfiou a cabeça no próprio rabo... Só assim pode sequer ter pensado neste modelo de merda... Este é um modelo que pode funcionar bem na Dinamarca e Holanda, mas em Portugal??? Quero ver o estado a dar mais apoios aos desempregados. Por mim podem implementar o modelo, desde que coloquem os nossos salários ao nível dos da Dinamarca e que a segurança social e apoios à população sejam também equivalentes.
    Um Abraço.

    ResponderEliminar
  16. Outsider:
    Isso querias tu. Não ouviste que já formaram uma comissão para adaptar o modelo à realidade portuguesa. O que isto quer dizer é que vão aproveitar o que for bom para os patrões e limpar o resto da proposta.
    abraço

    ResponderEliminar
  17. O 25 A fez-se para correr com o pessoal do antigamente que não tinha nem um quarto da imaginação destes actuais!

    ResponderEliminar
  18. O País está a ser invadido por gente perigosa!

    ResponderEliminar
  19. Isto ainda vai acabar mal...
    jinhos

    ResponderEliminar
  20. josé:
    Isso é verdade e está mais que na hora de, não só correr com esta escumalha, como sobretudo exigir o fim deste percurso neo-capitalista global que seguimos.
    abraço

    ResponderEliminar
  21. anonimo:
    O pais não está a ser invadido, essa gente perigosa já cá está há muito tempo. Estão é a chegar ao poder.

    ResponderEliminar
  22. tb:
    Vai mesmo, agora temos é de fazer que seja para quem nos quer lixar e não para nós.
    bjs

    ResponderEliminar
  23. KAOS

    Totalmente de acordo. Se não temos cuidado não tardará que sejamos afogados sem qualquer hipótese de reacção.

    ResponderEliminar
  24. josé:
    É sempre bom ver aparecer por aqui mais gente que sente que há que fazer algo contra este estado de coisas. Aumenta a minha esperança.
    abraço

    ResponderEliminar
  25. Isto está mesmo perigoso: è mesmo uma completa invasão.
    Agora descobriram a "flexussegurança" Com um País falido!! Será possível ?
    Querem mesmo dar cabo de nós!

    ResponderEliminar
  26. Henry Pote3/12/06 18:50

    Haja esperança. Nada nos acontecerá se varrermos todas, estas bruxas agoirentas de uma vez por todas. Mandêmo-las fazer flexibilidade para o inferno que as carregue!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo