terça-feira, fevereiro 13, 2007

Os "bófias" do Fisco

Esta arrepiante dupla apareceu hoje a falar dos sucessos na luta contra a fuga e a evasão fiscal. Números e mais números com processos, contra-ordenações, acusações, prisões, percentagens de tudo isto e, ainda mais comparações, previsões e sei lá que mais. De pôr a cabeça tonta a quem ouça e tente assimilar toda aquela panóplia.
Para além da continuação da campanha publicitária para manter o assalariado do BCP/Opus Dei na liderança da DGCI, todos devemos ficar satisfeitos com uma mais justa cobrança de impostos e da luta contra a fuga ao seu pagamento.
Teixeira dos Santos, para além de uma campanha publicitária, veio lançar-nos a todos o repto de colaborarmos com o fisco nessa luta. Há que mudar as mentalidades e cada um de nós, cidadãos, deveriam sempre pedir o recibo em todo o lado e em cada despesa. Se eles não pagam o imposto quer dizer que é imposto pago por nós. Tudo isto é verdade, mas eu vou continuar a só pedir recibo em certos lugares e a não o fazer em outros. Peço desculpa a todos por esta minha falta de “cidadania”, mas para o fazer teria de ver cumpridas certas premissas.
Nunca irei pedir àquele senhor, um dos reformado da pobreza, que faz uns biscates e que me vem aqui substituir uma torneira ou fazer qualquer outro pequeno trabalho. Também àquele desempregado ou ao outro, o trabalhador com ordenado mínimo, que ao fim-de-semana ou depois do seu horário de trabalho, me vêm pintar um quarto nunca lhe pediria um recibo. Nem ao senhor ali da mercearia da esquina, que se mantêm aberto, cheio de dificuldades por não poder concorrer com as grandes superfícies, ou às pequenas lojas do bairro, portas meias com lojas de 300, nem ao pequeno restaurante que serve almoços baratos para tentar ganhar alguns clientes nos trabalhadores da zona, gente sem muito dinheiro para comer fora todos os dias. Toda esta gente abandonada por todos os apoios, agredida na viabilidade dos seus negócios pela gula dos grandes magnates do comércio, esforçada, para tentar manter o seu pequeno negócio ou simplesmente a sua sobrevivência não merece que eu lhes faça tal coisa. Essa gente não merece que eu os obrigue a ir dar do pouco que têm a um Estado que os abandonou e que pouco ou nada faz por eles. A esses não vou certamente pedir a factura ou o recibo.
Como disse concordo que todos devemos pagar os nossos impostos, mas gostava de ver esse dinheiro bem gerido e bem gasto. Dá uma certa raiva ver o nosso sacrifico, o nosso dinheiro que tantas vezes nos faz tanta falta, a ser esbanjado em Otas e TGVs, em rotundas sem sentido, em mordomias, em negócios corruptos, em enriquecer alguns à custa de todos nós. Talvez quando vir e sentir que esse meu dinheiro está a ser gasto naquilo que é o essencial, a saúde, o ensino, na segurança, na criação de uma vida digna para todos, quando vir o estado servir para aquilo que existe que é servir o país ou seja todos e cada um de nós, então talvez aceite a ideia de ser um policia do fisco. Até lá, se não se importam, vou continuar a dar à minha consciência a primazia da decisão.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

20 comentários:

  1. visitante apoiou e disse, ou13/2/07 11:35

    Enquanto não virmos resultados da luta contra a VERDADEIRA (e choruda) evasão fiscal, dá vontade de seguir a actuação do KAOS.

    ResponderEliminar
  2. Comecem por pedir recibos de iates, porque já o meu primo diz que o seu patrao comprou um iate e arranjou maneira de criar uma empresa fictícia de pesca para poder descontá-lo no IRC como "frota e equipamento"..

    ele trabalha em tipografia.

    hã!

    ResponderEliminar
  3. Muito bem dito Kaos! Estou completamente de acordo contigo!
    Um post magnífico.
    Um grande Abraço.

    ResponderEliminar
  4. ainda hoje ao ver o belíssimo Alfa Pendular pensei no desperdício que será construir esse sorvedouro-de-impostos que é o TGV... E o que se pouparia se renovassem a via usada pelo Pendular!

    que irritação que este desperdício me dá!

    ResponderEliminar
  5. parece tão certo e tão justo pedir um recibo a todos... gostei do teu texto, nunca tinha pensado nisto desta forma!

    ResponderEliminar
  6. visitante:
    Uma questão de moral e de justiça, digo eu, mas isso deve estar na consciencia de cada um
    abraço

    ResponderEliminar
  7. paxaxa:
    isso é do que há mais por ai. essa gente coloca todas as suas despesas pessoais nas das empresas para evitar pagar impostos. É fartar vilanagem.
    abraço

    ResponderEliminar
  8. Outsider:
    parece-me ser uma questão elementar de justiça.
    abraço

    ResponderEliminar
  9. Rui:
    estão a ser gastos milhares de milhões a renovar a linha do norte, para depois construirem ao lafo o TGV. Dinheiro para o lixo, ou melhor para a conta de alguns.
    abraço

    ResponderEliminar
  10. fábula:
    Em tudo na vida há sempre vários lados para cada questão. Tentar olhar pelo lados dos mais necessitados é sempre um olhar triste, mas muitas vezes uma boa forma de podermos fazer as opções mais justas.
    bjs

    ResponderEliminar
  11. Zé Manel13/2/07 18:35

    O que se passa é o seguinte:
    Se TODAS as facturas fossem dedutíveis no IRS, e se a taxa do IRS passasse a ser somente 10% do que é actualmente, TODA a gente pedia factura, e no fim, o Estado lucrava muito mais!!!
    Mas será que só eu é que tenho estas ideias?
    Se calhar é uma ideia triste, secalhra não...!!!

    ResponderEliminar
  12. Zé manel:
    Não é realmente uma ideia triste, triste é que mesmo que todas as facturas fossem passadas o IRS nunca iria para os 10%. Ficava o estado todo contente, continuava os cortes cegos que está a fazer e se calhar fazia mais linhas do TGV ou mais viagens à china. O estado neste país não gere o dinheiro no nosso interesse, mas sim de acordo com calendários eleitorais e com os grandes grupos económicos.
    abraço

    ResponderEliminar
  13. Estou como tu! Nem amis!
    jinhos

    ResponderEliminar
  14. mais uma forma de atirar areia para os olhos dos cidadãos.
    o problema das contas do estado - estado, um termo engraçado, usado para desculpabilizar os governos - não está nas "facturinhas", mas sim nos enormes desvios de dinheiro que são feitos com cobertura governamental...
    como se poderá verificar neste relatório do tribunal de contas!
    abraço

    ResponderEliminar
  15. Concordo apenas em parte. É certo que a algumas pessoas passar recibo significa um corte na curta margem de lucro. No entanto, a vida custa a todos, não será? Se eu, por trabalhar por conta de outrem, não tenho a menor hipótese de fuga ao fisco, porque a hão-de ter os donos daquele tasquinho dos almoços ou canalizador que faz uns biscates?

    É verdade que esses futuros elefantes brancos da OTA e TGV vão papar o dinheiro que tanto nos custa a ganhar. Sem dúvida que não posso concordar com os negócios de amigo que com demasiada frequência vemos na política. Mas cada coisa tem que ser resolvida no lugar certo, caso contrário para tentar resolver um problema, cria-se outro.

    ResponderEliminar
  16. Tb:
    a cada um a sua consciencia mas é bom ver que há mais quem pense como nós.
    bjs

    ResponderEliminar
  17. luikki:
    Exactamente por isso não fico muito preocupado em pedir facturas aqueles que lutam pela vida cheios de dificuldades. Quando houver uma moral e uma politica correcta então logo verei-
    abraço

    ResponderEliminar
  18. Raposa velha:
    Também eu trabalho por conta de outrem e por isso também eu não posso (nem quero) fugir aos impostos. O que não quero fazer é transformar a minha terra num dormitório sem comercio para depois ir dar o meu dinheiro aos magnatas do comercio. A concorrencia que fazem para matar os pequenos negócios é desleal como o é o apoio que lhes é dado para o fazerem. Já que o estado perdoa os impostos aos grandes eu prefiro fazer o mesmo mas com os pequenos.
    abraço

    ResponderEliminar
  19. MUITO BEM! - Um visitante pela primeira vez.

    ResponderEliminar
  20. anonimo:
    Sê bem vindo e obrigado.
    um abraço

    ResponderEliminar