terça-feira, maio 29, 2007

Aberrações

De acordo com um documento do Ministério das Finanças, as ofertas em dinheiro em valor superior a 500 euros feitas entre ascendentes e descendentes directos (pais, filhos, avós e netos) têm de ser declaradas, sendo o seu incumprimento penalizado com multas. As doações monetárias superiores a 500 euros entre familiares sem linha directa de parentesco (irmãos ou tios), além de declaração obrigatória, estão ainda sujeitas ao pagamento de Imposto de Selo, correspondente a 10 por cento do montante.

A injustiça do conceito desta lei demasiado evidente para ser necessário dizer mais nada. Nada pode descrever de forma mais perfeita a sua pequenez que a sua existência. Só de ler esta enormidade só me vêm à cabeça motivos para adjectivos bem vernáculos. Mas posso chamar mentiroso ao Engenheiro porque ele mentiu em Janeiro quando desmentido no parlamento a existência da figura de doações entre pais, filhos e cônjuges. “Não existem doações entre pais e filhos nem entre cônjuges, apenas na sua fantasia”, disse o Primeiro-ministro. Um Primeiro-ministro que mentiu, mas que pelos vistos é considerado normal. Agora os Primeiros-ministros podem mentir porque são…primeiros-ministros, e este pelos vistos mais que os outros. Nem é necessário ter um diploma para o entender. Mente-se para calar as críticas e pronto. Afinal estamos em “crise” e aplica-se uma espécie de lei especial, uma lei marcial aveludada, em que os interesses económicos se sobrepõem à decência. Porra que merda de país este em que isto acontece e não existam mecanismos constitucionais, nem instituições, nem povo que corram com ele imediatamente.
Mas, para tornar a lei mais aberrante ainda falta mais uma informação, é que, se essa doação for feita em cheque e não em dinheiro não há lugar ao pagamento do Imposto de Selo, refere o Ministério das Finanças. Afinal, esta lei só serve para nos dar trabalho e para mais nada. Entre os familiares directos, lá vamos nós perder tempo e paciência às Finanças preencher um papel totalmente inútil. Para os outros, passa-se cheque. Palhaços

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

19 comentários:

  1. E então? Qual é o problema?

    E se eu pagar em dinheiro/cash o que é que acontece? As notas estão marcadas com um chip identificador que diz que saíram da minha mão para as mãos da minha mulher ou dos meus filhos?

    E se eles usarem um Cartão de Crédito meu para fazer umas compras de 600 EUR? Isso é considerado uma doação? E se fô o pagamento de imposto tem lugar ou não? É que o CC não é um cheque... mas também não é dinheiro/cash...

    Isto é só gente inteligente...

    O povo correr com quê??!!... O povo só se preocupa se fôr para correr com o Scolari ou com o Fernando Santos, o resto o povo tá-se a c... nas tintas!... Esse é que é o problema...

    ResponderEliminar
  2. Perfeitamente de acordo contigo que isto so apetece é desancar forte e feio nestes estúpidos, chulos e incompetentes, cretinos todos eles e o povo que anda nos futebois como disse e bem, o virus cá de cima.
    Mas para onde caminha tudo isto, afinal?
    Ontem ouvi um bocado dos "fazedores" cá do burgo e pasmei. Enfim, desculpa mas estou-lhes com uma vontade...
    jinhos

    ResponderEliminar
  3. pois...parece que há, à partida, várias formas para o pôbo dar a volta à estupidez que é esta lei mas...
    cheira-me (mal, claro) que os bancos inda vão ganhar alguma coisa com isto...

    ResponderEliminar
  4. Sim, realmente, esta é de mestre! Como é que sabem se o meu pai me dá dinheiro? Está marcado, por acaso? E se eu resolver fechar a minha conta bancária, que sabem eles dos movimentos que faço, ou que me fazem?

    TOLINHOS!

    ResponderEliminar
  5. E o que me deixa ainda mais tristes é que alguns "SINDICATOS ESPERAM MAIS DE 50% DE ADESÃO À GREVE GERAL DE AMANHÃ" como se isso fosse bom! Bolas, onde andam eles com a cabeça, tronco e membros???
    Bjs,
    M.

    ResponderEliminar
  6. e o que se gasta a comprar gãoza, também tem que se declarar?

    ResponderEliminar
  7. uma maneira manhosa de estimular a utilização de cheques....
    a senhora dona branca agradece...vende esses pedaços de papel a preço de ouro...
    abraço

    ResponderEliminar
  8. Virus:
    penso que só vão aplicar a lei nas transferencias bancárias. Não se entende a lógica, mas parece que é mesmo assim. Quanto ao povo, remos de ter esperança que um dia se passe e lhes passe por cima
    abraço

    ResponderEliminar
  9. tb:
    Pois é, e esta impotencia para mudar as coisas ainda irrita mais. Vamos com calma que eu acredito que o dia pode chegar. veremos
    bjs

    ResponderEliminar
  10. j:
    Os bancos vão vender cheques que é coisa que eu já não utilizava há alguns anos.
    abraço

    ResponderEliminar
  11. inha:
    è só nas transferencias é que querem meter a unha. Desconfio que não vão ter sorte
    bjs

    ResponderEliminar
  12. moriae:
    50% é realmente pouco, mas enquanto houver nem que seja um trabalhador a fazer greve ainda há esperança
    PS: Amanha este blog está de greve
    bjs

    ResponderEliminar
  13. eric:
    Penso que não, mas o melhor é não perguntar
    abraço

    ResponderEliminar
  14. Luikki:
    Há anos que desisti deles. Parece que vou ter de os usar de novo
    abraço

    ResponderEliminar
  15. DIzia KAOS,
    "nem povo que corram com ele imediatamente"

    Pelo o contrário, nós temos é uma gentinha reles que se prepara para votar nele outra vez em 2009.

    ResponderEliminar
  16. Manuel:
    Quer dizer que só temos dois anos para lhes fazer mudar de opinião
    abraço

    ResponderEliminar
  17. O problema é outro, o problema é que este é masis um caminhoi para o Fisco estender as suas garras sobre os cidadãos.
    O problema é que vivemos em plena ditadura fiscal, com um Fisco á solta atropelando direitos e assaltando o património dos cidadãos.
    Tudo de forma eficiente e automática, o cidadão é atacado e do outro lado só tem um computador autista que nãoi responde ás suas reclamações!

    Enquanto este país não tiver uma associação de defesa do contribuinte forte e coesa não vamos longe!

    ResponderEliminar
  18. O problema é outro, o problema é que este é masis um caminhoi para o Fisco estender as suas garras sobre os cidadãos.
    O problema é que vivemos em plena ditadura fiscal, com um Fisco á solta atropelando direitos e assaltando o património dos cidadãos.
    Tudo de forma eficiente e automática, o cidadão é atacado e do outro lado só tem um computador autista que nãoi responde ás suas reclamações!

    Enquanto este país não tiver uma associação de defesa do contribuinte forte e coesa não vamos longe!

    ResponderEliminar
  19. Kaos:
    Tenho uma resposta do Ministro das Finanças a esta questão. Amanhã publico-a, hoje não porque estamos de greve.
    Abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo