quarta-feira, setembro 26, 2007

Terrorismo Governamental

"As polícias terão poderes alargados na próxima Lei de Segurança Interna (LSI), especialmente no âmbito da luta contra o terrorismo. Sem dar conhecimento prévio a um juiz ou magistrado do Ministério Público (MP), as forças e serviços de segurança - PJ, PSP e GNR - poderão vigiar pessoas com recurso a câmaras de videovigilância e barrar telecomunicações, nomeadamente bloqueando a emissão de rádios ou televisões."
In”DN”

Terrorismo s.m. Systema, regime de terror, em França (1793-1794), Por ext. Systema de governar por meio de terror ou de medidas violentas.
Terrorista s.m. e f. Partidário do terrorismo, adj. Que espalha boatos assustadores; que prediz catástrophes ou acontecimentos funestos; pessimista.
In Diccionário Prático Illustrado – Lello & irmão – 1941

Terrorismo é um método que consiste no uso de violência, física ou psicológica, por indivíduos, ou grupos políticos, contra a ordem estabelecida através de um ataque a um governo ou à população que o legitimou, de modo que os estragos psicológicos ultrapassem largamente o círculo das vítimas para incluir o resto do território.
In Wikipédia

Quando eu era miúdo a palavra terrorismo tinha um sentido bem definido e claro. Hoje, a palavra terrorismo cobre uma enorme área e desde um atentado até a um protesto. Basta ver a quantidade de “pensadores” que apelidaram de acto terrorista a acção dos Verde Eufémia na destruição do Milho geneticamente modificado. Pelos vistos, inspirados pelo “amigo” Bush, também vamos ter uma espécie de “Patriotic Act” à portuguesa. Como dá jeito este terrorismo para justificar o apertar do cinto à liberdade e aos direitos de todos nós. Não sou terrorista, mas gosto da minha privacidade, dos meus momentos de solidão em que falo comigo mesmo, dos momentos de intimidade com a minha família e com os meus amigos, de poder chorar ou rir longe dos olhares dos outros. De ter a minha liberdade, as minhas ideias, de ser eu. É que estes leis a que agora se propõem, pela definição de 1941, deveriam, eles sim, ser considerados como actos terroristas.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

5 comentários:

  1. Henry Pote26/9/07 12:09

    Só falta (?) a reinstalação dos famigerados tribunais plenários para mergulharmos de novo na ditadura salazarista porque o totalitarismo socrático, esse já há muito que anda aí a atemorizar os portugueses.

    ResponderEliminar
  2. Caro Kaos: o que é engraçado é a apatia relacionada com uma medida destas.
    Um comentário até este.

    Pelos vistos toda a gente acha bem que a polícia use um microfone direccional e lhes aponte para casa para ouvir a conversa ou instale escutas a seu belo prazer apenas porque existe a suspeita que o Jaquim Manel seja terrorista.

    Se alguém quiser prejudicar um vizinho e usar meios do estado para o fazer agora pode. Ninguém o questionará por isso. Afinal de contas estava a vigiar um eventual suspeito de terrorismo.

    Grande PS. O partido de esquerda.
    O único, o verdadeiro, o original.

    O que grita muito na oposição que as conquistas de Abril não serão destruídas.
    Já estava vacinado desde 1996 ma cada dia que passa mais vacinado fico

    ResponderEliminar
  3. sarcástico26/9/07 22:15

    Este atentado à privacidade dos cidadãos é extremamente preocupante. E ainda nos atrevemos a apontar o dedo a outros povos alegando violação dos direitos humanos!

    ResponderEliminar
  4. henry Pote26/9/07 22:52

    Os portugueses andam muito absorvidos com os casos da Maddie, do Mourinho, do Socolari, da Esmeralda, do "heróico" comportanmento da selecção do râguebi apesar de ter perdido todos os jogos.
    São tantos e tantos os acontecimentos mediáticos, que os habitantes do rectângulo não se aperceberam ainda da gravidade deste preocupante atentado à privacidade e aos direitos de cidadãos livres, que julgávamos terem sido banidos após o derrube do regime fascista em Portugal!

    ResponderEliminar
  5. por acaso não devias ter usado a palavra terrorismo nos posts am cima ? que tal na carta e no presso em guantanamo?mais do mesmo?

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo