terça-feira, outubro 30, 2007

Uma flexi desnudada de segurança

O Suicidio do capitalismo

Antes de mais nada pedir desculpa ao joaopft por estar a abusar dos seus textos, mas pareceu-me uma pena, não os retirar do “buraco da caixa de comentários” e traze-los para a “capa” deste blog. Ao ler este texto fez-me lembrar outros que escrevi em tempos e em que, como ele, defendo que o capitalismo se vai devorar a si próprio, deixando atrás de si um rasto de desgraça, caos e miséria. É por isso importante travar estes “bilderbergs” do mundo antes que seja tarde demais. Aqui fica o texto do joaopft.

É caso para se dizer que a estupidez subiu ao poder. Numa sociedade capitalista, o Estado desempenha um papel fundamental. As empresas privadas, tendo como único objectivo o lucro -- de preferência , o imediato -- procuram externalizar o mais possível certos custos, em particular custos sociais, ecológicos, de educação, formação e saúde dos seus trabalhadores, etc.
Veja-se, como exemplo, a tão propalada flexigurança. Planeia-se que o Estado se transforme numa espécie de agência de trabalho temporário, assegurando todas as despesas com salários, saúde e qualificação profissional quando o trabalhador está temporariamente sem emprego.
Os especialistas são unânimes em afirmar que esta flexigurança ficará exorbitantemente dispendiosa para o Estado. Ora os privados não quererão, mais tarde, receber a conta em impostos. Se fôr para terem a flexi acompanhada de grande rombo contributivo, então para eles será preferível ficar tudo como está, que do mal, o menos. Por isso, e como a classe média esgotou a sua capacidade de pagar mais impostos, o Estado ver-se-á forçado a implementar uma flexi desnudada de segurança...
Como se vê, o Estado e os seus serviços são fundamentais para a saúde de uma sociedade capitalista. Dizem os historiadores que, com o "New Deal", Franklin D. Roosevelt salvou o capitalismo de si próprio. Mas eles odeiam este seu Salvador, de toda a maneira. Os privados nunca neste mundo e no outro se vão oferecer para pagar ou desempenhar os serviços que externalizam, pela simples razão de andam no mundo só para fazer lucro! O investidor eficaz só se desvia do lucro se a tal for forçosamente obrigado.
Ao mesmo tempo que a externalização dos custos sociais e ecológicos prossegue, o capitalismo globalizado procura a todo o custo desmantelar os estados-nação sem a criação de alternativas credíveis aos serviços providenciados por esses estados. Ou seja, o capitalismo globalizado vai continuar a externalizar cada vez mais os custos sociais e ecológicos da sua actividade, ao mesmo tempo que vai reduzindo ou eliminando as estruturas públicas desenhadas para reparar os danos que essa externalização causa. Se tiverem sucesso neste plano verdadeiramente diabólico (e suicida!), sobrevirá o caos social e a revolta. Depois não se chorem, quando perceberem que não terão onde se esconder, no mundo globalizado que ajudaram a criar.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

5 comentários:

  1. Concordo. Aliás se deixarmos todos de pagar impostos ficamos cada um de nós com a responsabilidade de fazer aquilo que os interesses privados de cada um de nós entenderem.
    Agora, se os impostos não servem para isto, servem para quê? Sustentar pançudos?

    ResponderEliminar
  2. Só a Revolução é capaz de obviar tantos sofrimentos que se aprochegam...Portantos,há campeonatos de futebóis por tudo qto é lado e a estupidez alastra como um fungo doido:vide a aldeia Burralheira,pq de burros se tratam!

    ResponderEliminar
  3. Também gostava de saber:
    - para que servem os impostos?
    (hoje em dia tudo se paga, certos ministérios são auto-sustentáveis)

    Hugh

    ResponderEliminar
  4. Os impostos servem sobretudo para alimentar aqueles que usufruem do próprio aparelho de Estado: os políticos que se reformam ao fim de 12 anos de carreira (ou até antes!); aos presidentes e ex-presidentes da (des)república que se abarbatam de reformas acumuladas; aos ex-primeiros ministros que lhe vão no encalço; aos senhores gestores super-eficazes nas medidas de cobrança ao mexilhão; aos "colarinhos-brancos" que se passeiam impunemente no canteiro e por esse mundo fora como verdadeiros "descobridores" na sua cruzada de lavagem de dinheiro... e ainda vamos descobrir que os chineses em Portugal serão dos mais eficazes em fomentar empregabilidade (mantendo as proporções) que qualquer plano manhoso deste Socrático (des)governo. A escravização nunca deu bom resultado, apenas uma aparente melhoria para os senhores... depois queixem-se que o pessoal desate à pancadaria neles. O direito de resistência está (mal) defendido na Constituição, mas está lá... é só aplicá-lo com razão...

    ResponderEliminar
  5. É isso mesmo! Mas há mais!!!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo