quinta-feira, agosto 28, 2008

A Santinha e o diabrete

 Sado masoquismo

Como as condições de má disposição do post anterior ainda subsistem pouco vou dizer em mais esta imagem da colecção de “freiras” que acidentalmente se iniciou neste blog. Basta lembrar do que foi o ano lectivo de 2007/2008 para imaginar como será o próximo com a aplicação em força das medidas, tão contestadas e que os Sindicatos, incompreensivelmente, aceitaram adiar para este ano, calando a revolta dos professores. Pode ser ano de eleições, mas não me parece que sejam os professores a sentir o eleitoralismo Socretino. Esse fica para oferecer computadores, inaugurar salas tecnológicas e para começar a equipar as escolas-prisões onde esperam formatar os jovens nas virtudes das novas oportunidades, na obediência e na resignação.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

6 comentários:

  1. Pois, dadas, as circunstâncias, e a coisa estar realmente a tomar o rumo que eu já sabia que ia tomar, vou ter mesmo hoje de interromper a minha pausa e regressar ao armamento pesado...
    Sim, já hoje.

    ResponderEliminar
  2. Este ano lectivo vai ser um desastre, a avaliação além de um pesadelo, é um conjunto de itens sem nexo ,sem ponta por onde se pegue e incompreensível. Gostaria que o trio maravilha fosse os primeiros a apanhar com essa avaliação, Infelizmente os sindicatos por agenda própria ou ...lixaram totalmente os professores.

    ResponderEliminar
  3. Este pequeno artigo passou despercebido perante a instalação do Far West em Portugal:

    Há 100 mil ‘falsos’ empregados


    O número de ‘falsos empregados’ pode ser superior a 100 mil. Este é o universo de pessoas em formação profissional remunerada e que, por isso, não são consideradas desempregadas à luz dos critérios usados pelo Instituto Nacional de Estatística

    SOL, 22 de Agosto

    ResponderEliminar
  4. MENSAGEM URGENTE AOS PROFESSORES

    Caros professores,

    No ano lectivo de 2008/09, a avaliação de desempenho será para cumprir integralmente, conforme o monstruoso ECD do ME e a respectiva regulamentação, salvaguardando, apenas, o facto de ser experimental. Quem não foi avaliado no ano lectivo de 2007/08, será avaliado agora em relação aos 2 anos lectivos.

    É clarividente que estas leis têm como objectivo favorecer as falsas estatísticas e destruir os professores, para obter votos da população a qualquer preço e para poupar dinheiro. São medidas do mais descarado populismo!

    O maior azar seria este ano lectivo decorrer com tranquilidade, o que iria consolidar estas leis! Quanto mais turbulência houver, melhor é para os professores! Não devem procurar soluções aparentes e duvidosas, mas denunciar o que está mal. Leis inexequíveis não se podem cumprir; leis erradas não se devem cumprir!

    Não restam dúvidas de que o Governo não vai olhar a meios para destruir ainda mais os professores, perante a opinião pública. Com estas medidas, perdeu os professores, mas já ganhou a população, visto que a maior parte do povo sente grande felicidade com o mal dos outros e quer ter diplomas sem esforço!! Por isso, os professores têm de ser firmes heroicamente até ao fim e defenderem-se por todos os meios dignos. É com evidências que se combatem as mentiras.

    É necessário denunciar TODAS as situações e reacções inconvenientes causadas por estas novas leis, para se confirmar quanto elas são más e quanto precisam de ser revogadas. Devem ser comunicadas por escrito (pode ser por «e-mail»), para os sindicatos, para os partidos da Oposição, para o Presidente da República e, se possível, para os meios de comunicação social. Convém juntar todo o tipo de elementos úteis, como fotocópias. No caso de se tratar de violência verbal ou física, deve-se, ainda, apresentar queixa à Procuradoria-Geral da República e à Associação Nacional de Professores. Não se pode deixar passar nada em falso!

    É preciso recorrer a todos os meios lícitos, para levar estas leis ao total descrédito, desmentir as estatísticas do Governo e fazer tudo para que se perceba quanto os alunos perderão com estas leis (embora muitos deles fiquem contentes no imediato), já que os ditadores querem cidadãos ignorantes, para serem mais fáceis de domar!!

    A luta vai ser dura e vai haver muitas intimidações, mas temos de resistir até ao fim. Já estando o ensino a apodrecer no fundo do poço, a única medida alternativa é voltar para trás, para cima!

    Os melhores votos de boas lutas! A sorte ajuda os audazes!

    -----------------------------------

    É favor fazer chegar esta mensagem ao maior número possível de professores. Cuidado com os bufos!

    ResponderEliminar
  5. sarcástico28/8/08 16:11

    A campanha dos computadores já começou. Parece que é idêntica a uma outra já concretizada em alguns países da América Latina.
    Relativamente à avaliação dos professores- o modelo é idêntico ao aplicado no Chile- dizia-me uma amiga não professora que a mesma provavelmente não avançaria com "grande visibilidade" atendendo à proximidade das legislativas. Depois de tanto "entendimento" entre o ME e a plataforma sindical e com o furioso combate ao défice discordo da sua opinião.
    Sem querer ser pessimista, parece-me estarmos a dar início a um ano ainda mais agitado do que o anterior. Para quem abraçou a carreira por gostar de leccionar, e acredito que MUITOS o terão feito, fica a convicção de que os nossos alunos não merecem tanta prestidigitação ministerial.

    ResponderEliminar
  6. Sindicalizado que sou tambem no SPGL fiquei absorto ao entrar naquele sindicato e ver professores ja com 40´s e 50´s anos calcinados pela deslocalização e pelas condições terceiro mundistas em que os professores trabalham. So o autismo do PS permite este conceito feudal e obtuso do ensino em portugal, é necessario fazer algo.

    J.B.F.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo