domingo, dezembro 06, 2009

Prioridades

triste justiça

Será que não há problemas maiores para discutir e melhor forma de fazer oposição que insistir em assuntos que deviam dizer respeito à justiça? Já ultrapassamos os 10% de desemprego, as empresas continuam a fechar todos os dias, todos os dias estamos mais endividados,... Não será isto mais importante?

7 comentários:

  1. ..."Será que não há problemas maiores para discutir e melhor forma de fazer oposição que insistir em assuntos que deviam dizer respeito à justiça?"...

    Caro
    Kaos,
    Mas esse é que é o problema, pelo facto da "Justiça" ter chegado ao ponto a que chegou, com uma descredibilização quase total, é que toda a gente dá bitaites, tivéssemos nós uma JUSTIÇA credibilizada, uma Justiça dignificada, uma Justiça respeitada, e certamente outras pessoas fora da área estariam a fazer malha e não se atreveriam a substituir-se à Justiça, mas, como esta claudicou perante toda esta parafernália política, desacreditou-se completamente.
    Hoje, ataca-se o poder judicial - o qual, deveria ser quanto a mim, a base de qualquer democracia a sério - como se estivéssemos a falar duma coisa sem importância, e o mais curioso do assunto, é que, aqueles que deveriam estar na primeira linha da defesa da Justiça, os políticos, são até aqueles que parecem mais ajudar a descredibilizá-la, ora, perante esta situação, deveriam os agentes da Justiça, Sr. Juízes, Delegados do MP, Advogados, etc., - isto, na minha modesta opinião - sair à rua e defendê-la com unhas e dentes, não só estariam a defender a sua honorabilidade, como acima de tudo, a defender a Democracia, a qual, com uma Justiça coxa e descredibilizada nunca será uma verdadeira Democracia.
    Cumprimentos.

    LUSITANO

    ResponderEliminar
  2. Completamente enganado Kaos! A tua mensagem é surreal! Só os irmão metralha, o AlCapone, os Xuxas e o Engenheireiro é que podem pensar que há (dá jeito) coisas mais importantes que a Justiça... Isso era o que pensava, também, o Salazar.

    ResponderEliminar
  3. Eu percebo o que quis dizer o Kaos. Esta senhora abre os debates da assembleia sempre a puxar aos mesmos temas: as suspeições sobre o primeiro-ministro. É certo que as há, mas aqueles senhores não estão a ser pagos nem tão pouco foram eleitos para, dentro da casa da democracia (se ainda o for), estarem a brincar ao jardim-escola, em que uns acusam outros de serem isto e aquilo. Estão ali para procurar soluções para melhorar a nossa qualidade de vida e não para ver quem é o galo mais depenado do galinheiro!

    ResponderEliminar
  4. Há de facto problemas maiores a discutir, mas não poderemos deixar passar os problemas que a justiça, cega, surda e muda, teima em não julgar, mas sim protelar, porque interessa a alguém. Por outro lado, os políticos deveriam ser mais hábeis e céleres em engendrar soluções viáveis para os reais problemas nacionais: desemprego, pobreza, educação, habitação, etc, etc...Esperemos pelo ano novo!

    ResponderEliminar
  5. Em nenhum momento disse que deviamos esquecer o problema da justiça. Esta deve ser independente por ser um dos pilares da liberdade. O que não faz sentido é continuarem os nossos politicos a fazer discursos, a utiliza-la como arma de arremesso politico em vez de a tentarem credibilizar.

    ResponderEliminar
  6. Meu caro amigo Kaos
    Sigo atentamente o teu blog, pois admiro-te na tua arte de trabalhar o Photoshop,bem como na tua coragem e determinação ao fazeres certas e determinadas afirmações. Por agora tivemos uma troca de pontos de vista diferentes. Talvez e até me consigas fazer ver a realidade parecendo outra. Quem sabe?!

    ResponderEliminar
  7. Kaos,

    Qualquer país onde a justiça não funciona, nada funciona.

    A JUSTIÇA é a principal instituição de qualquer país!!
    Ou achas que esta palhaçada acontecia nos EU (não que funcione a 100% mas, ao menos funciona), na Alemanha, ou nos paises nordicos????

    Muito do que apontas é verdade mas não pode ser só dizer mal de tudo!

    São todos anormais menos...

    Então?

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo