segunda-feira, janeiro 24, 2011

Portugal negro


Portugal hoje é um país mais negro e com menos futuro.

7 comentários:

  1. Ganhou as eleições um dos dois (o outro é o Coelho da Madeira) representantes da classe operária, e tu estás aborrecido?!?... preferias um aristocrata? azar, pá...

    ResponderEliminar
  2. "[Cavaco Silva] Primeiro filho de Teodoro Gonçalves da Silva e de Maria do Nascimento Cavaco, cresceu em Boliqueime, onde o pai se dedicava à exploração de frutos secos e ao comércio de combustíveis." (in Wikipedia)

    Ontem ouviram o Prof. Martelo a jurar que Cavaco era um homem do povo (quando, na realidade, é descendente da pequena burguesia comercial) e acreditaram. Foi penoso ver o Prof. Marcelo justificar que Cavaco era do povo porque tinha frequentado o curso comercial, em vez do liceu. Ora, Cavaco Silva foi para o curso comercial porque o pai precisava de um herdeiro que lhe gerisse o negócio.

    "A justiça acabará por alcançar aqueles que inventam mentiras e juram por elas" (Heráclito).

    ResponderEliminar
  3. Como sempre, socrates foi brilhante com os seus truques...Preferindo cavaco a alegre, bastou-lhe apoiar alegre, garantindo a vitória à primeira volta do cavaco. Assim, também fez com que o BE fosse afectado pela derrota do candidato que apoiavam!!Brilhante! Um perfeito "beijo de judas"!!!

    ResponderEliminar
  4. Para o neoliberalismo, o par Cavaco / Sócrates é perfeito. Enquanto um diz "deixem-me f*dêr-vos eu, porque se fosse a direita era pior", o outro vai-se queixando de escutas e infâmias jornalísticas, enquanto assina de cruz o enrabanço do país pelo Engº Maravilha. Genial!

    ResponderEliminar
  5. Escapou-me ontem a declaração do poeta alegre com o seu ar contristado e de certo modo zangado (com quem?) (PERDER NÃO É VERGONHA, VERGONHA É NÃO ENFRENTAR O COMBATE)!.....
    Como é curtíssima a memória deste tristíssimo poeta!
    Normalmente as pessoas de certa idade lembram muito mais o passado
    do que o presente, mas pelo que declarou, esqueceu mesmo "Todo o seu passado anti-fascista", o
    que é pena, muita pena!...
    Se tivesse alguma vergonha calçava
    as pantufas e retirava-se das cenas públicas!....

    Zé de Aveiro

    ResponderEliminar
  6. Este post do Portugal Negro só da cabeça do Kaos. Isto está negro há quanto tempo alguém me sabe dizer? Deficit? Este País deu lucro alguma vez? No tempo do Estado Novo era a miséria que sabíamos no entanto sabia-se até onde se podia ir. O 25 de Abril serviu de mote para o saque a que se prestou este País até hoje. Em 1974 foram aqueles que chegaram ao poder de assalto a passar por cima de tudo e todos. E a delapidar o que o velho trépido de Santa Comba acumulou. Porém, como dizia Vasco Gonçalves ou se está a favor ou contra a Revolução. Não há meio termo. A rapaziada que se seguiu a este período apanhou o País de pantanas (alô FMI). A entrada na CEE e os seus infindáveis e suculentos milhões fizeram a gula duma data deles que confundiram (convinha-lhes!) liberdade com prosperidade. E deu para roubar em barda. E estamos no que estamos. Portugal Negro? Há quanto tempo?

    ResponderEliminar
  7. SOB O SIGNO DA DECADÊNCIA

    Desde a contra-reforma que a pátria lusitana está trajada de negro, com alguns breves interregnos de lucidez que nunca chegaram para inverter a marcha à decadência.

    Pois bem: a última réstia de império foi vendida, por Mário Soares, em 1975. Em troca, receberam-se uns trocados em 1985-2000, e do pilim só sobraram uns ossitos. Como o comércio não dá mais sumo, com o país desgraçado pela globalização, com actividades produtivas atrasadas e sem hipótese de competir com o estrangeiro, a ilustre burguesia comercial portuguesa está obsoleta; já passou do prazo de validade, precisa de substituição.

    PROCURA-SE: BURGUESIA EMPREENDEDORA E APOSTADA NA PRODUÇÂO.

    ASS.: o povo lusitano.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo