quarta-feira, fevereiro 09, 2011

O peso da dívida publica


Na antiga Grécia, Zeus, o Deus dos Deuses condenou o Titã Atlas a carregar com o peso do mundo para toda a eternidade. Na actual mitologia capitalista quem reina acima de todos e de tudo são os "mercados" que nos resolveram condenar a carregar com o peso da crise que criaram e de uma dívida pública que insentivaram. A Santa Europa a que tantos cantaram louvoures e outros, menos, que ainda a idolatram, primeiro fez o milagre da multiplicação do dinheiro em troca da destruição do nosso sistema produtivo, na industria, agricultura e pescas. Depois, como não havia mais nada para destruir, passou a dar metade do dinheiro se nós apresentássemos a outra metade que não tinhamos. Sem problemas, eles emprestavam a juros muito baixos. Construiram-se rotundas, pavilhões e piscinas por todo o lado, compraram-se Ferraris e carros de luxo como em nenhuma outra altura, surgiram os BPN's deste país enquanto o compadrio e a corrupção prosperavam. A Europa via e sorria. Calmamente continuou a engodar o país e agora, quando ele já está endividado até aos cabelos, é hora de cobrar. Sobem-se os juros para valores impossiveis de pagar e aí está um pais inviavel.
Está tudo perdido?
Não há esperança de salvação?
Claro que há, é aceitarmos a subserviência ao poder do grande capital e transferirmos o pouco que resta da nossa soberania para as mãos dos grandes da Europa. Heil Frau Merkel, que do alto do seu pedestal já olha a Europa conquistada sem ter de dar um tiro. Começou o IV Reich.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Ocorreu um erro neste dispositivo