quinta-feira, julho 28, 2011

A Ideologia da caridadezinha


O Presidente da República defendeu hoje o contributo das misericórdias e outras instituições para um novo conceito de serviço público centrado nas "necessidades dos cidadãos" e não no "ponto de vista obsoleto e ideológico da exclusividade da produção pública".

Eu, quando pago impostos pago-os ao Estado e por isso é ao Estado que tenho de exigir que me preste os serviços públicos correspondentes. Não há aqui nenhuma ideologia, só um contrato entre mim e quem governa, que infelizmente não se tem mostrado ser pessoa de bem porque o tem vindo a alterar unilateralmente. Como aconteceu agora no caso do imposto "extra ordinário" sobre o 13º mês, em que, depois de há alguns meses ter reconhecido que não se podiam pedir mais sacrificios aos portugueses, se mostrou muito satisfeito por quem recebe menos que o salário mínimo não seja atingido e depois de ter dito que os sacrificios tinham de ser repartidos por todos não levanta a voz por as mais valias bolsistas, dividendos e juros ficarem fora desse imposto.

2 comentários:

  1. Com esta posição o sr.Silva de Boliqueime está a mostrar que com este sacrificio os pobres vão ter,porta aberta para o reino dos dos ceus e com a benção certa dos padrecas.Enquanto os vão direitinhos pró inferno.Por isso só temos que estar felizes pelo P.R.,que temos ,porque está a zelar,por todos e principalmente pelos desportegidos,como os: Amorins,Belmiros, Soares dos Santos e dos amigos da Banca,e das Confederações patronais.

    ResponderEliminar
  2. oh pá a caridade é uma coisa tão boa:
    - fazem programas de tv á conta disso (sai barato não é preciso comprar modelos estrangeiros)
    - as vedetas e o jet-set auto-promovem-se (vão á TV dar a cara e falar de solidariedade)
    - Fazem-se campanhas solidarias uns compram e metem no saco outros recolhem os sacos guardam nas dispensas e as sobras levam para então distribuir
    - o pessoal do futebol faz 1 jogo de solidariedade
    - tonis toys etc cantam por solidariedade.
    bem era toda a noite a escrever

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo