segunda-feira, agosto 29, 2011

Deserto político


Que a Sul do Tejo temos uma grande Deserto já o Mário Lino nos tinha dito e pelos vistos este governo concorda pois acaba de retirar todos os investimentos previstos para essa zona. Não vive lá quase ninguém e aquilo é terra para os menos afortunados. Não há dinheiro desiste-se dessa zona. Desiste-se como parece que este governo desistiu do país. Em nome do défice e da Trika nada se faz. O país desliza para uma profunda recessão e nada se faz para alterar a situação. Cresce a pobreza e o desemprego e só se lembram mais impostos. Destroi-se o pequeno comércio e a pequena industria para financiar a banca em muitos milhares de milhões.

6 comentários:

  1. Com um ministro da saúde que retira direitos para morrer mais gente e assim a médio prazo haver menos reformados e utentes do SNS, um ministro das finanças que aumenta impostos a tudo que que mexe, menos aos exploradores, um ministro de estado que para além de ter uma fortuna pessoal não se sabendo bem onde e como a conseguiu se limita a controlar os restantes, com um periquito falante como secretário de estado adjunto que ao cantar algum bitaite debita ódio pelos olhos, com esta gente, como querias que se interessassem pelo "deserto". Para esta gente o pessoal da margem-sul não conta, para alguns deles este pessoal daqui é para desaparecer.

    ResponderEliminar
  2. As empresas que dão lucro e as que não dão por má gerência (ninguém vai preso) vai tudo ser particularizado as que dão vão dar mais e as que não dão irão dar e bem mas, afinal, onde vai o estado depois buscar €€€€€ sobe nos impostos que o tuga paga o barril desce dezenas de dólares o € valoriza mas na bomba desce 3 a 4 míseros cêntimos e a custo durante menos de 1 semana sobe uns dólares volta a aumentar na bomba rapidamente
    Volta FP tás perdoada

    ResponderEliminar
  3. como gastar euritos do povinho - http://acincotons.blogspot.com/2011/08/40-graus-sombra-austeridade-austeridade.html + (mais) a comitiva que foi de carro, seguranças etc, vai com ele e volta

    ResponderEliminar
  4. foi ver como se gastam 20 e tal toneladas de papel colorido num tempo de austeridade e de consciencialização ecológica.

    ResponderEliminar
  5. Ele (Passos) candidatou-se ajudado por eles e com uma missão definida, mas o povo não o percebeu a tempo.
    Abraço do Zé

    ResponderEliminar
  6. Usaram cravos
    Ficaram todos vivos
    Uns mal enterrados
    Outros fudidos

    Ontem os pais e os avós
    Hoje os filhos e os netos

    Todos nos mentiram e roubam a nós
    Em fato Armani e de pose todos rectos

    Ora rosa ora laranja, o povinho iludido
    Vê bola, Fátima floribela e morangos
    Vota neles que nem nem um patinho neste país onde ser pulha é canja

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo