quarta-feira, outubro 05, 2011

Vamos todos para a rua. Ela é nossa


«O líder comunista,Jerónimo de Sousa, frisou que governo e grandes interesses querem de forma demagógica "levar as pessoas à passividade".

Concordo com ele, mas eu que tenho estado sempre presente nas Manifestações da CGTP, também posso frisar que ali também não há uma genuína vontade de apelar à revolta. O PCP descende de uma linhagem revolucionária, já participou na revolução dos Cravos, mas hoje o seu lado revolucionário deve estar metido numa gaveta semelhante à outra onde o Soares guardou o socialismo. São tão organizados, tão certinhos, tão bem comportados que me irrita. Ainda no passado dia 1, uma vez mais os seguranças da manifestação mostraram a sua hostilidade com quem não desfilava no sitio certo, a mostrar os cartazes certos e a dizer as palavras de ordem dos carros de som. Ouvi um desses senhores referir-se a um grupo que cantava e empenhava faixas do Movimento Ruptura como "São uns cagalhões". Até os comentadores da direita referem frequentemente que as manifestações da CGTP, por maiores que sejam, não os preocupam pois sabem que dali não se passará nada mais que um desfile com um comício na ponta.O que os assusta é o povo à solta, o povo a demonstrar a sua indignação fora dos cordões e do controle. É por isso que dia o dia 1 não os assustava e não mudou um milímetro as politicas e as opções do governo e o dia 15 de Outubro os sobressalta. Eles dizem temer os tumultos e a violência, como se percebessem que o que fazem é merecedor disso, mas o que eles temem realmente é a consciência e a decisão das pessoas na mudança. Mais ainda, quando sabem que nesse dia milhões vão sair à rua em milhares de cidades por todo o Mundo. Algo vai muito mal neste Mundo, é urgente mudar e esta é a hora.

19 comentários:

  1. não temem nada! o povo é sereno, os costumes são brandos e até quando tínhamos industria de munições usámos munições cravo... isso é só publicidade e demagogia. e não temem nada pois essa mudança na base da consciência não existe em portugal ou se existe é uma minoria que não os assusta e deixo aqui uma aposta quem vai ganhar no próximo FS na madeira custa-me apostar mas vai ser o Alberto. quanto mais me bates mais eu gosto de ti parece ser o lema do povo PT

    ResponderEliminar
  2. Nestas manifestações marcha-se por reivindicações, vão famílias inteiras até à última geração, a contestação violenta trará a repressão sobre as manifestações, e torna ilegítimas ao olhos de milhões as legítimas aspirações dos manifestantes. naturalmente que satisfará aos reaccionários, os pseud-revolucionários da acção directa que à primeira cacetada vão em debandada...o PCP têm oitenta anos de luta. devia pensar melhor no que escreve, é preciso paciência e persistência.

    ResponderEliminar
  3. Ó anónimo 2,

    Respeito o PCP e a sua história de luta anti-facista. Mas, caso não tenha reparado, os tempos mudaram e o PCP não. O PCP já não mete medo ao poder porque é um partido dentro do sistema. A segurança da CGTP e do PCP, perdoe-me mas estas entidades confudem-se, é a contestação que o poder quer. Numerosa, mas controlada e inócua. O 15 de outubro assusta muito mais o poder por lá não vão estar os controleiros, não há "organização" formal, não há cartões de militante no bolso, não há Mários Nogueiras. As manifs. e greves do PCP são sopríferas de tão inócuas que são. O momento que vivemos não pode ser tomado por idiotas úteis que destroem e entregam o ouro ao bandido. Mas paciência e persistência ordeiras e resignadas sob o longo braço do partido, também não resolve a ponta de um corno.

    Fernando Lopes

    ResponderEliminar
  4. De acordo, desta vez com o Fernando Lopes. E visitei o seu blogue, parabéns! : )))

    ResponderEliminar
  5. Entendamo-nos: A CGTP e o PCP não têm que dançar a música que estranhos, homens bons ou ciáticos dsfarçados, lhe queiram impor.
    O PCP tem 90 anos. Uma história com heróis e mártires. Não tem que provar nada a quem não tem de provar. Provem os outros o que lhes falta provar. Não mandaremos o povo para o extermínio, mas aguardamos o tempo que for necessário para obter a vitória final, porque, como diz o hino, no caso o da CGTP, será nossa a vitória final.
    João Pedro
    PS. Em qualquer caso, digo-lhe, gosto de o ler.

    ResponderEliminar
  6. http://albunscompletos.net.tf/

    ResponderEliminar
  7. João Pedro,

    Das minhas palavras penso que não ressalta nenhuma falta de respeito pessoal ou pelo PCP. Mas, e nestas coisas há sempre um mas, fala em "heróis e mártires". Desculpe, mas preferia homens corajosos. A nomenclatura acima é de carácter quase religioso e não está de acordo com a história do PCP. Estou certo que os homens bons do PCP que pereceram às mãos da PIDE também não vestiriam a pele de heróis ou mártires. Apenas os homens e as suas circunstâncias.
    Como ponto final, a provecta idade do PC só é respeitável se dela se souberem tirar ensinamentos históricos e perspectivar o futuro, caso contrário a "velhice" vale pouco e para mim, não é um posto.

    Abraço,
    FL

    ResponderEliminar
  8. Como tenho vinda a afirmar, o sistema "come" manifestações ao pequeno almoço e ainda fica com fome, nomeadamente as da avenida e realizadas aos sábados. Basta ver a tremideira que lhes dá a de 15 de Outubro e porquê? Porque aqui não há controleiros nem seguranças a alinhar os cordeiros, nesta há liberdade plena, e destas o sistema não gosta.

    ResponderEliminar
  9. Há muito mais coisas que não estarão na marcha do 15 de Outubro:

    - não haverá uma única reivindicação transformada em proposta e amplamente aceite pelos manifestantes (daí as balelas das assembleias populares. Assisti a uma no Rossio onde alguém discursou longamente sobre a necessidade duma revisão constitucional!)
    - haverá certamente gente que também participou na marcha da CGTP, e esses serão a grande percentagem de pessoas que leva a luta até ao local de trabalho, à escola, à freguesia, às assembleias municipais, às comissões de utentes aos sindicatos…estes controleiros e militantes são os que lutam todos os dias, não tiram folgas da vida real para revoluções encomendadas ao fim de semana.
    - haverá muita palavra de ordem vazia de boys em desmame democrático.
    - haverá muita gente com uma ganza numa mão e uma garrafa de vinho na outra a dar razão ao Passos Coelho, ao comandante da PSP, e sobretudo a dar grandes zooms para o noticiário da noite.

    E sobretudo haverá gente que acha que as coisas têm que mudar mas desvinculadas e desresponsabilizadas dos meios de atingir essa mudança, marcham a dias marcados e tiram folga revolucionária o resto do ano.

    marco

    ResponderEliminar
  10. Fernando Godinho6/10/11 22:27

    Completamente de acordo!

    ResponderEliminar
  11. anónimo das 18:30 (Marco)
    Ainda bem que temos em Portugal tanta gente que sabe tudo o que se vai passar porque eu luto no dia a dia para construir o futuro sempre incerto.
    - Propostas haverá certamente, se serão aceites pelos manifestantes é algo que só eles podem decidir. Aqui não são (sempre) aprovadas por unanimidade mesmo antes de todos estarem no local (deve ser voto por transmissão espacial. Democracia é o respeito pelas opiniões de todos e não só de quem é o dono do microfone).
    - Vai certamente haver pelo menos uma pessoa que esteve na manifestação da CGTP; Eu. Não sou controleiro nem militante mas trabalho todos os dias e luto todos os dias pelos direitos, não só os meus mas os de todos. Parece-me redutor que se considere que só aqueles lutam porque ninguém lhes deu o monopólio da luta e da revolta.
    - Realmente só as palavras de ordem da CGTP é que são cheias de boys já desmamados. Não te parece que está na hora de deixarem de se considerar os donos da luta e da revolta? É que até agora não mostraram grandes resultados.
    -Estive na Manifestação do 1 OUT e vi lá gente a beber vinho e fumar charros e não me parece que isso tenha diminuindo o valor do protesto. Não sei se alguém vai lá fumar ganzas ou beber vinho, isso é um problema de cada um e que faz parte da sua consciência e da sua liberdade. Pareces um velho jarreta a falar.
    Quanto ao marchar em dias marcados parece-me um tiro no pé pois essa tem sido a politica do PCP. Talvez tenhas razão, é que não marcham, passeiam-se. Acredita que não há vontade de nos desvincularmos ou desresponsabilizar-nos dessa luta, o que nos falta muitas vezes são os meios que a CGTP tem e não utiliza para os atingir.
    Agora, o que era realmente necessário era que todos puxássemos para o mesmo lado, mas isso obrigava a que não houvesse donos da verdade e da luta.

    ResponderEliminar
  12. Kaos,

    Ia comentar. Brilhantemente, poupaste-me esse trabalho. O totalitarismo e sectarismo nunca abandonou completamente o PCP como se prova pelo como se prova pelo camarada Marco, o único e legítimo representante encartado dos trabalhadores. Os outros querem é fumar ganzas, beber vinho e não são dessa gloriosa estirpe trabalhadora de que se apropriam estes cromos da bola. Estes gloriosos trabalhadores são conduzidos de todo o país em forçada espontaneidade e autocarros com ar condicionado.

    ResponderEliminar
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  14. http://espirra-verdades.blogspot.com/2011/08/exteriorizacao-da-hierarquia.html

    kaos, todas estas manifestações e estas "tiradas " do governo a mostrar-se preocupado com o pais a arder, são tudo uma farsa.
    estes movimentos estão a ser impulsionados na sombra.
    Nada em politica acontece por acaso...se acontece, é previamente planeado.
    teriamos que nos organizar muito bem e sermos muito insistentes para que estas manifestações nos levassem a bom porto...o que me parece improvavél.

    Esta é só a minha opinião e sei que só para mim vale alguma coisa.

    Continua o teu bom trabalho...és unico

    Guerreiro

    ResponderEliminar
  15. que fique claro que não estou a falar de mim, nem estou a falar de ti, Kaos, estás obviamente dispensado de explicações, o blogue já é muito trabalho e do bom.
    - houve 180 mil manifestantes convergentes em reivindicações e propostas (exequíveis através dos instrumentos actuais da democracia), o eventual maior número que participará no 15 de Outubro, tão abrangente e democrático com uma amplitude ideológica de 360º, onde estranhamente, não cabe o associar-se e mobilizar para a marcha da CGTP, exigindo o contrário aos outros, sabendo estes que voltas de 360º levam exactamente ao vazio donde se partiu.
    é só uma opinião, pessoal e não sectária ou do PCP - afinal quem é o sectário ou totalitário? se expressando uma mera opinião sou acometido de sectário e totalitário, num comentário acima?, mas deve servir para reflexão, a minha acompanhar-me-á marchando no 15 de outubro!

    marco

    ResponderEliminar
  16. Para fazer tremer o regime, o movimento de protesto deverá pensar que terá que se organizar como movimento eleitoral, deverá aproveitar os acontecimentos com cobertura mediática que possa vir a organizar para fazer isso. Esse ensejo causaria grave dano ao regime, visto que o PS traiu completamente os valores da social-democracia. Essa traição está hoje à vista de todos, com a patética oposição que o PS vem fazendo ao Governo. O eleitorado do PS que não é de direita não tem em quem votar. Isso aconteceu na Islândia; um partido verdadeiramente social-democrata saiu do movimento de rua. Como se viu na Islândia e na América do Sul, vencer eleições é a forma de conseguirmos COMEÇAR a resolver os problema de Portugal.

    Agora, suspeito que agentes do inimigo vão tentar remover a ameaça organizando violências e vandalismo no dia 15 de Outubro. Isso será uma forma de retirar credibilidade ao movimento.

    Tenham, pois, cuidado. Desobediência civil (pacífica), sim; vandalismo e provocações à polícia, não.

    ResponderEliminar
  17. Marco,

    Quando se fala sem saber com quem corre-se o risco de dar tiros nos pés. Com 12 anos e uma mais do que incipiente consciência política estava em Aníbal Cunha, no Porto, a defender uma sede do PCP então existente e que foi atacada. Os fascistas só se assustaram depois de uma rajada disparada de dentro da sede. Pergunta aos teus velhos camaradas do Porto, que certamente se recordarão do episódio. Por esta e muitas outras razões, não aceito que o PCP seja o único e legítimo representantes dos trabalhadores e os outros os que "bebem vinho e fumam ganzas".
    E por aqui termino, que para este peditório já dei que chegasse.

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo