sexta-feira, dezembro 23, 2011

Está na hora de partirem


O eurodeputado Paulo Rangel, do PSD, propôs a criação de uma agência nacional para ajudar os portugueses que queiram emigrar. «Até devemos pensar, se houver essas oportunidades, em gerir esse processo. Talvez fosse uma forma de controlar os danos». A ideia de criar um sistema de apoio à emigração, seria uma mais-valia vocacionada essencialmente para as camadas mais jovens e qualificadas da população portuguesa.

O mais grave de tudo isto é que esta gente acredita mesmo naquilo que está a dizer sem sequer pensar no que afinal aquilo que dizem quer dizer. Propor aos professores e aos jovem licenciados que emigrem é negar o futuro ao país. É aceitar que Portugal tem de ser um país miserável, de baixos salários e baixas qualificações, de rédea curta nos direitos laborais, não soberano e subalterno aos poderes dos mais ricos. É aceitar o que que é inaceitável e, como pelos vistos eles não o conseguem entender então também não têm condições para governar.

6 comentários:

  1. aceito esse tacho.
    Foi agora, foi agora que isto bateu no fundo estamos no ressalto desse batimento pois quando assentarmos no fundo vai tudo não é "com os porcos" mas sim vamos todos ser emigrantes pois vamos passar a viver na Alemanha ibérica e como bom emigrante vamos aprender alemão

    ResponderEliminar
  2. Este tachista teve uma ideia: Gerir o processo de emigração dos portugueses espoliados de um futuro digno em putagal. Eu sei o que ele quer dizer; quer gerir as transferências de fundos a enviar para os bancos que nos teem chupado o tutano, ou seja quer enveredar pelo proxenetismo que seria uma escalada na carreira.

    ResponderEliminar
  3. Iep, isto da emigração é um tacho para o governo.Ele teem acordos com quase todos os países do mundo, em que estejas inscrito no bairro fisal de cá ou de lá eles sacam sempre dinheiro do teu trabalho.Se por ex.os impostos forem mais baixos( e geralmente são)no país em que te encontras emigrado, eles sacma-te a diferença, seja lá ou seja quando regressares, é como a morte,não escapas.Já me aconteceu a mim.
    trabalhei um ano e picos no reino unido,paguei lá os meus impostos, e segurança social, e quando regressei apesar de comprovar mos descontos , tive que pagar a diferença e não bufar.POr um ano de trabalho paguei 1 400 euros ao estado portugues.E não pude apresentar despesas ,c omo renda da casa, formação,etc.POr isso como veem a única saida é não ser cidadão português.

    ResponderEliminar
  4. Um abraço amigo Kaos!
    Em 2012 vamos ter mais do mesmo...

    Alvarez

    ResponderEliminar
  5. Portugal e os portugueses continuam a ser tema para o anedotário europeu e nomeadamente sul-americano, é só dar uma vista de olhos pelos jornais e revistas desalinhadas e satíricas desses burgos. As mulheres portuguesas ainda têm bigode e os homens são feios, porcos e maus. Eles lá por fora não aceitam os nossos cursos, nem as nossas licenciaturas, dizem que não servem, que foram compradas (e em certos casos até têm razão), essa coisa dos tratados e parcerias é tanga, os tipos não nos aceitam, para eles continuamos a ser, feios, porcos e maus, só queremos sexo e sesta.

    Agora ter responsáveis (sic) governamentais a promover a emigração é o maior crime que algum dia se fez aos portugueses, é tortura pura e dura, é o baixar de braços, é a amostra viva da incompetência.

    Desejo-te uma Festas Felizes.

    ResponderEliminar
  6. Coitado! Ele também saiu da sua Zona de Conforto para ir para Bruxelas. Ele emigrou, caraças!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo