terça-feira, fevereiro 07, 2012

Uma nação com um estranho amor-próprio




"Uma nação que tem amor-próprio não anda de mão estendida, nem a lamentar-se, cumpre os seus compromissos e volta-se a erguer". "Nós simplesmente como gente adulta e madura vamos cumprir o que lá está. Custe o que custar".
Passos Coelho na Assembleia da Republica

Engraxar-lhe as botas e ser obediente à voz da Merkel não é demonstrar ter muito amor-próprio e certamente que cumprir os compromissos nunca pode obrigar uma nação a ser submissa e cobarde. É que para alguém se voltar a erguer tem que se ter coluna. Depois, como o homem com quem o patrão gritou no trabalho, que quando chega a casa descarrega na mulher; o coelho, chega a Portugal e arma-se em durão. Avisa que o que ele decide é para ser cumprido "custe o que custar". É que a ele não lhe custa nada, nem a ele nem aos amigos e compadres que nunca vão passar por necessidades quanto mais por fome ou miséria. A eles nunca faltará empregos nem favores a receber. A eles nunca lhes custará nada nem saberão o que é viver sem perspectivas, sem futuro, sem dinheiro para não perder a casa nem para alimentar os filhos. Não lhse custarás nada porque nunca lhes custou nada porque não sabem o que isso é, porque nunca perceberam que as pessoas são gente como eles. Como eles não, melhor que eles felizmente.

8 comentários:

  1. Anónimo7/2/12 14:14

    Aqui está um azeiteiro a dar graxa à patroa !

    ResponderEliminar
  2. Este gajo é uma autêntica nulidade....Também o que se pode esperar de um sujeito que nunca fez nada na vida? um sujeito que se forma ao 37 anos, sabe-se lá como e que serve de moço de recados do amigo Ângelo?

    ResponderEliminar
  3. Este nem engenheiro com "e" minúsculo é. Anda a dizer que somos piegas, pois acho que sim, festejemos o Carnaval à antiga portuguesa!

    ResponderEliminar
  4. Anónimo7/2/12 22:07

    talvez , talvez....bastante possivel mas se oa 2 ou 3 animais que lá estiveram antes tivesse tido 2 palmos de testa, e menos 2 de demagogia, não estariamos agora à rasca. quando deves dinheiro quais são as alternativas? baixar a cabeça e pagar. que querem? foi o esbanjar público e provado sem pensar no amanha!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo7/2/12 23:16

    Acho bem que se cumpram os compromissos mas o esforço a que estamos obrigados vai para além do compromisso.É verdade que houve dinheiro esbanjado mas por quem? Criminalize-se o desvio das contas publicas,prendam os culpados. Não há-de ser dificil investigar o que está á vista de todos e tem sido feito á descarada.

    ResponderEliminar
  6. Essa do compromisso é treta, há gente que meteu água em investimentos falhados e que tem que pagar o devido preço por isso. Além disso, isto está a ser usado como desculpa para um tipo de ataque que já foi usado na América do Sul, e que resultou na destruição do tecido social -- veja-se o caso do México -- e no saque de países inteiros. Há um livrinho de Naomi Klein, de título "The Shock Doctrine, The Rise of Disaster Capitalism", que explica tudo, tintim por tintim, e que é de leitura obrigatória para todos os que, como a avestruz, (ainda) enterram a cabeça na areia.

    Pois quem fica parado ante a aproximação do predador, sem esboçar um gesto de defesa ou sequer de fuga, o que é que merece? Não valerá a pena, depois, chorar, quando já estiver a ser trincado pelas mandíbulas do predador. É preciso agir ANTES.

    ResponderEliminar
  7. Vi agora que há uma tradução, editada em português de Portugal, em 2009, do livro de Naomi Klein, que se chama "A Doutrina do Choque". Vale a pena ler.

    ResponderEliminar
  8. "A operação foi um sucesso mas o paciente morreu"

    (Tommaso, em "La Notte", de Michelangelo Antonioni)

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo