quinta-feira, maio 17, 2012

Do parque à triste realidade


Depois de quatro dias de ocupação do Parque Eduardo VII de novo em casa e de novo na vida  chamada de "real". Li alguns comentários que por aqui foram colocados desvalorizando aquilo que aconteceu, mas para quem lá esteve foram momentos enriquecedores e a demonstração que é possível outro mundo e outra forma de relacionamento sem o peso da propriedade privada e da posse. Ver gente que vive com quase nada a partilhar o pouco que tem e a trabalhar em conjunto para o bem de todos é uma lição de vida e que juntamente com os debates, workshops e assembleias fez daquele espaço um laboratório de alternativas e uma demonstração de que a inevitabilidade da miséria e pobreza não é real. Real são as pessoas e real é a possibilidade de todos vivermos com dignidade respeitando-nos uns aos outros.
Foram quatro dias em que não li jornais, não vi televisão e não fui bombardeado pelas noticias e comentadores do regime. Hoje já sei que o desemprego bateu novos recordes e que o novo Presidente Francês ia levando com um raio em cima quando viajava de avião para se encontrar com a Fuhrer Merkel. 
O desemprego só mostra o falhanço desta sociedade e mais não é que o reflexo do mercantilismo em que transformaram a politica e as nossas vidas e o "raio que quase partiu" o Hollande só me fez lembrar tanto líder, sobretudo Sul-americanos, que morreram em "trágicos acidentes" que hoje todos sabem terem sido perpetrados pelos "chacais" CIA. Claro que neste caso não me parece que o Hollande seja um caso semelhante até porque é farinha do mesmo saco do poder estabelecido, mas era uma boa oportunidade para fazer um boneco.

16 comentários:

  1. Seja de novo bem-vindo Kaos. Senti a sua falta nestes dias. Um admirador do teu talento!

    ResponderEliminar
  2. O Hollande é como aquele puto que vai pela primeira vez às putas, quer fodê-las todas ao mesmo tempo mas depois vai-se ver e tem uma picha do tamanho duma minhoca. Quer dizer fala, fala, mas não faz nada, vai ser igual aos outros.

    ResponderEliminar
  3. Mal foi empossado,foi logo ao beija mão da Furher Merkele.Caiu muito mal...o q.e.d. -não é uma democracia-é uma banditocracia!

    ResponderEliminar
  4. Já agora,que tal começar um peditório para o Duarte Lima,tão vilipendiado pela má língua,pelos invejosos do costume.E,uma indeminização do estado,com uma participação choruda do Comissário (politico) gorila Vagina que tanto odeia meliantes...

    ResponderEliminar
  5. Se Portugal tivesse justica......o Kaos seria chamado a provar o que escreve.

    ResponderEliminar
  6. João Reis17/5/12 14:24

    Entre outras questões suscitadas pelo “primeiro workshop sobre engate e sexo em Portugal” inserido (sem trocadilhos) no movimento ‘Primavera Global’, parece-me ser extremamente criticável o conservadorismo implícito na pergunta “como ter uma aventura sexual num espaço público sem ser visto?” Não são compreensíveis estas mequinhas manifestações de pudor burguês num workshop que deveria ambicionar ser verdadeiramente progressista.

    Comentário:
    Tenho cá em casa um especialista na coisa.
    Desconhece o pudor burguês, tem 4 patas, 2 orelhas e gosta de abanar o rabo.
    Vou inscrevê-lo.

    ResponderEliminar
  7. Tão ruinzinho, Kaos!!... Por isso é que eu gosto de vir aqui...

    Beijo!

    ResponderEliminar
  8. Anónimo das 13:45
    O que o Kaos aqui escreve não passam de noticias dadas pelos órgãos de comunicação sociais e a minha visão pessoal sobre elas. Será que também o direito à palavra e à opinião já incomoda muita gente e a desejam silenciar como no tempo do "botas salazarento"?
    A mim não será pelo medo que me calarão.

    ResponderEliminar
  9. João Reis
    A Primavera Global foi um acontecimento onde aconteceram um sem número de eventos que foram dos debates aos wokshops, da troca de ideias ao Yoga, dos jantares comunitários à amizade, da partilha à solidariedade activa. Falou-se de saúde, educação, habitação, política e foram grupos de pessoas, movimentos, associações e quem o desejou que propôs os temas que desejava debater, os organizou e os realizou livremente. Como sempre a comunicação social que ignorou, uma vez mais, o que ali se passou pegou num tema mais "incomodo" para fazer chacota. Nada que me admire, mas se lá fossem talvez ficassem desiludidos por o que se passou foi uma conversa sobre as relações homo, hetero e trans sexuais, sem pudores ou barreiras inspiradas num trabalho que está a ser realizado por um especialista. Também nestes assuntos a liberdade e a compreensão fazem parte do futuro que queremos construir. Pena que quem fale disso não tenha lá estado para testemunhar a realidade daquilo que foi a Primavera Global

    ResponderEliminar
  10. Só mentes ignorantes, doentias e tacanhas, podem vir aqui ou noutro lugar qualquer, descarregar as suas frustrações caseiras. Provavelmente esta gente tem a consciência pesada, alguns gostam de acariciar crianças indefesas, outros de apalpar velhinhos, esta gente gosta de maltratar o seu semelhante, do humilhar, para, no fundo, se distrair e sentir homem, coisa que só tem o nome, se o tiver. Esta gente não presta, é inútil. Força camarada, continua a presentear-nos com a tua arte e humor.

    ResponderEliminar
  11. ó ferroadas estás a falar de ti não estás? Seu depravado!...

    ResponderEliminar
  12. Kaos, o software que utiliza para fazer estas lindas fotomontagens, é legal ou pirateado? Se for pirateado diga-me qual é porque eu também gosto de brincar.

    ResponderEliminar
  13. Ruinzinho? Não...Acho bastante lúcida a análise.Gostava que fosse diferente...

    ResponderEliminar
  14. Vamos lá por ordem na casa, apesar desta merda ser livre e o anonimato ser um direito que nos assiste, um cabrão qualquer vir para aqui mandar bitaites sobre anonimato, cheira-me a cobardia.

    ResponderEliminar
  15. Os poderes liberal e neoliberal sempre tiveram medo da livre discussão de ideias, mas a sua necessidade de expansão obriga-os a ter que condescender.

    Que não há desenvolvimento científico e tecnológico que resista ao controle de ideias; assim sendo, a nave do poder tenta negociar caminho entre o monstro da liberdade de ideias, a Cila de seis cabeças que traga seis mentirosos e corruptos do poder num momento, e o vórtice Caríbdis que engole tudo, como o fez o oceano ao aço mal temperado do Titanic. Terrível destino, o de uma nau ser engolida inteira por Caribdis; é bem pior que sacrificar seis rechonchudos a Cila.

    E assim vai avançando, indecisa e temerosa, a nau do poder neoliberal...

    ResponderEliminar
  16. Sol Ponte a bater o Nascente21/5/12 15:03

    Sol Nascente é o quê? O teu nome de casado(a)ou de solteiro(a)?
    Tu é que és um grande cobarde, só porque usas alcunha de Indio já não és anónimo? Vai cagar lindinho!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo