sexta-feira, maio 11, 2012

Secretas promiscuidades


Algum tempo depois das eleições legislativas de Junho de 2011, Jorge Silva Carvalho, então já administrador da Ongoing, (que paga ao ex-espião 40 mil euros por mês), enviou, por correio electrónico, ao ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, um relatório detalhado com um plano para reformar os serviços de informação, propondo para directores do SIS (Serviço de Informações de Segurança) e do SIED (Serviço de Informações Estratégicas de Defesa) funcionários da sua confiança e apontando ainda os nomes daqueles que não deveriam assumir cargos dirigentes. Confrontando com a notícia, Miguel Relevas respondeu que recebe informações de várias fontes, não se recorda dessa em particular.
Silva Carvalho, quando ainda ao serviço do SIED, enviava resumos diários da imprensa nacional (“clipping”) para Miguel Relvas era este secretário-geral do PSD. Já então também vários responsáveis da Ongoing recebiam igualmente das secretas esse resumo diário.

Esta promiscuidade entre os Serviços Secretos e privados para dai tirar vantagens negociais e económicas, misturadas com interesses partidários, num país em que a justiça funcionasse e fosse livre e independente, já teria enviado para a cadeia muita gente. Por cá vai ser mais um processo interminável e que quando chegar perto do fim com a absolvição dos poucos que serão acusados, por irregularidades processuais, prescrição ou qualquer outro motivo do género. Muito provavelmente estaremos entretidos nessa altura com algum jogo de futebol ou com a justiça a gabar-se porque conseguiu condenar um desgraçado qualquer que roubou uma carcaça de um supermercado.

5 comentários:

  1. Kaos agora é merecida um post alusivo ao Dr.Isaltino e a justiça que se deixou vencer pela promiscuidade e os seus poderes ocultos!

    ResponderEliminar
  2. Angela Merkel11/5/12 17:46

    Ihr seid verdammt Kommunisten, sollten alle nach Nordkorea abgeschoben werden.
    Sokrates war ein Sozialist, der Beschäftigung zu dieser Spion gab!

    ResponderEliminar
  3. Tradução:
    "Vocês são comunistas danados, deviam ser todos deportados para a Coreia do Norte. Sócrates era o socialista que deu emprego ao espião."

    Ah, ah, ah, ah, ah, ah...

    Parabens pelo humor! Tem muita graça, especialmente "dito" por alguém que ainda hoje andaria com o pin da foice e do martelo, caso a Alemanha tivesse seguido o caminho da China: "um país, dois sistemas". Não se "danou" apenas por uma questão de geografia...

    ResponderEliminar
  4. Ficámos a saber que enquanto os americanos têm espiões que extraem informação aos inimigos, nós temos espiões que extraem informação não apenas pública, mas publicada nos jornais e nos tablóides. É a aversão ao risco dos nossos maiorais. Ler é muito perigoso para a saúde, dá enxaquecas e morte súbita por esgotamento neuronal.

    Está visto que enquanto a uns lhes cresce a apêndice nasal, a outros lhes cresce as orelhas, mais o rabo com a continuação. Isto é um governo de pinóquios, porra!!! Mandem os gajos para a "Salt Chuck Mine", no Alasca!

    O probrezinho, o infeliz coitado, aaahhh, fez pior que mentir, fez gazeta às aulas e meteu-se nos prazeres carnais e na cerveja, daí que só consegue urrar gatafunhos para o papel e, se lhe derem um texto com meia dúzia de frases para ler, quando chega à terceira já não se lembra do que aqueles "intelectuais e jornalistas da treta" escreveram na primeira. É mui-to com-pli-ca-do pa-ra o co-le-ga, considera Gaspar. E em mina de burros, quem tem um neurónio é rei!

    Agora que está no Governo, resolveu o problema de vez. Já não precisa de espião de leitura, pois tem direito a contratar acessores de leitura e também de escrita.

    Ou seja: Portugal inova, Portugal arrisca; Portugal dá emprego de ministro a analfabetos funcionais!

    Kaos, se pudesses, era giro ver aí um boneco do Relvas com orelhas de burro.

    ResponderEliminar
  5. o coelho veio achar estranho a pergunta sobre a confiança no relvas é perfeitamente normal são todos corruptos e isso faz parte disso

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo