quinta-feira, junho 07, 2012

Impulso Jovem


O conselho de ministros aprovou, esta quarta-feira, o programa "Impulso Jovem" que possui um fundo superior a 344 milhões de euros e que cobre um universo de 90 mil jovens.
Será que com este programa vamos finalmente ver diminuir a taxa de desemprego? Será que as empresas contratarão mais só por poderem poupar 175 euros na TSU ou se souberem que há na sociedade dinheiro para lhes comprar os produtos?

PS: Não seria normal que fosse o Ministro da Economia, o Álvaro, a apresentar este programa? Será que já o devolveram à Universidade do Canadá ou é para tentarem limpar a imagem do Miguel Relvas que o andam a exibir? Será que pensam que assim a sua popularidade sobe e nos esquecemos das trapalhadas promiscuas com as Secretas e as ameaças aos jornalistas?

23 comentários:

  1. Anónimo7/6/12 14:25

    Que falta de imaginação...

    ResponderEliminar
  2. Ah ah! está demais! :))
    Não sabia que o programa tinha esse nome! Bem a propósito!
    E claro que deram isto ao relvas, como tantas outras coisas, para lhe limpar a imagem!
    Isto é uma espécie de serviço comunitário que lhe dão de castigo pela indisciplina demonstrada! Mas no fundo é colocá-lo no quadro de honra, enquanto dão ao alvarito um rebuçado qualquer!

    ResponderEliminar
  3. Anónimo7/6/12 15:06

    A vida de americano é assim:

    Ipod, Ipad, Iphone, Imac, I30, IBM, Intel...

    A vida de português é:
    Iva, Irs, Irc, Imi, Isn ( isento de subsidio de nata), Isf (isento de subsidio de férias), Ifodido...
    Graças ao PSD/CDS.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo7/6/12 17:14

    França já passou reforma para os 60 anos quando cá passamos para 67 ??? somos os primeiros em tudo...

    ResponderEliminar
  5. Anónimo7/6/12 17:15

    França já passou reforma para os 60 anos quando cá passamos para 67 ??? somos os primeiros em tudo...para eles ficarem melhor alguém tem de piorar afinal estamos na união €urop€ia uns sobem outros descem assim funciona uma balança justa

    ResponderEliminar
  6. Anónimo7/6/12 17:15

    França já passou reforma para os 60 anos quando cá passamos para 67 ??? somos os primeiros em tudo...para eles ficarem melhor alguém tem de piorar afinal estamos na união €urop€ia uns sobem outros descem assim funciona uma balança justa

    ResponderEliminar
  7. Anónimo7/6/12 17:15

    França já passou reforma para os 60 anos quando cá passamos para 67 ??? somos os primeiros em tudo...para eles ficarem melhor alguém tem de piorar afinal estamos na união €urop€ia uns sobem outros descem assim funciona uma balança justa

    ResponderEliminar
  8. Anónimo7/6/12 21:07

    Não sei se alguém se deu ao trabalho de consultar as mais de 50 páginas desta iniciativa fascizóide cujo único objectivo é branquear a triste e dolosa actuação destes infelizes que nos desgovernam, mas a proposta é para inglês ver: estes 100.000 empregos fazem lembrar a proposta de alguém que há uns anos prometia criar 150.000. O projecto é uma confusão pegada e as excepções são mais que muitas...Mudou o governo mas continuam a explorar sempre os mesmos e continuam também a beneficiar os "coitadinhos" do costume. Quando é que as pessoas resolvem exigir que se ponha um ponto final a isto? 1.200.000 desempregados, todos os dias aumentam e os responsáveis por este estado de coisas (e pelo agravamento em particular do desemprego, diga-se)continuam impávidos e serenos com iniciativas fingidas e ocas e continuam a defender políticas miseráveis de empobrecimento que merecem a censura pública de todos os portugueses que ainda acreditam no País e querem viver em Portugal. Insurjam-se e vamos para a rua!!

    ResponderEliminar
  9. Anónimo7/6/12 22:35

    e o anuncio da GALP sobre o euro mete NOJO!

    ResponderEliminar
  10. Anónimo7/6/12 22:35

    e o anuncio da GALP sobre o euro mete NOJO!

    deve ter sido encomendado pelo governo

    ResponderEliminar
  11. Anónimo7/6/12 22:38

    A malta não sai para a rua. Está quebrada, vive uma sociedade com o seu tecido social completamente rasgado por disparidades dignas de uma republiqueta ditatorial de África.

    Quem tem um pouco de juízo e jeito emigra (e ao contrários dos anos 60/70, para não mais voltar). Os outros baixam a cabeça ruminando tristemente.

    Um povo (sim com letra pequena) que não se indigna por ser roubado mas sim por não ter tido a "inteligência" de estar no lugar de quem os rouba também não merece melhor.

    D.S. Lukin

    ResponderEliminar
  12. Anónimo7/6/12 23:40

    Com os actuais números de desempregados não é de facto difícil fazer uma grande manifestação com 500 ou 600.000 pessoas para meter estes desavergonhados do poleiro para fora, na rua e à porta dos centros de emprego, porque se alguém merece estar desempregado são os estupores que todos os dias nos exploram mais e agravam ainda mais as condições de vida de todo um País que corre o sério risco de não sobreviver a tantos maus-tratos.
    A mentira, os conluios, a falta de transparência, a dissimulação, as pressões mediáticas, a desresponsabilização permanente pela repetida atribuição de culpas aos governos anteriores, os favores políticos, as confusões com as secretas e o controlo mediático acrescido das ligações pouco claras com interesses económicos e nomeadamente empresariais de altas figuras do PSD, mas também do CDS, e as constantes alfinetadas ideológicas são a imagem de marca deste governo que para além de só ter mentido durante toda a campanha eleitoral se mostra agora ainda pior (o que era difícil) que as piores conjecturas e cenarizações que os seus piores detractores pudessem imaginar.
    Por tudo isto este governo só merece mesmo um destino: o olho da rua e já agora que emigrem porque cá é que não fazem falta nenhuma. Vamos embora, toca a juntar 500 ou 600.000 manéis e vamos mostrar a estes infelizes que se alguém tem que mudar, são eles, a começar pelas suas políticas e nos seus privilégios. Os governos são eleitos pelos cidadãos e para governar para as pessoas; Quando mentem, distorcem e prejudicam todo um povo a pretexto do mais que conveniente argumento das dificuldades financeiras e orçamentais com um discurso, políticas e uma ideologia radical, perdem toda a legitimidade e têm que ser chamados à responsabilidade e evidentemente destituídos. Deixem-se de futebóis e conversas da treta e abram os olhos para o País real que sofre como nunca se sofreu em democracia.
    Uma manifestação a sério pode abrir os olhos a muitos que já perderam a esperança. Não é difícil, não é ilegal, não depende de mais ninguém a não ser de nós, é um direito constitucional inalienável (por enquanto), e podemos mudar tudo, então de que estamos à espera?

    ResponderEliminar
  13. Anónimo8/6/12 05:02

    E os milhares que ficaram sem 13º 14º mês para pagarem os buracos do Jardim da maMadeira?
    Disso não se fala, lá para as bandas dos gangs...
    E andam a comemorar a "boa" governação !
    Cambada de bandidos !

    ResponderEliminar
  14. É interessante o seu blog.
    A NATO É A INSTITUIÇÃO QUE MAIS CRIMES DE GUERRA COMETE, DESTRUIÇÕES, MASSACRES DE CIVIS, SAQUES DE PETRÓLEO, TORTURA EM GUANTÁNAMO E EM BAGRAM E OUTRAS BARBARIDADES.
    O LAZER É ÓPTIMO, O PIOR É QUANDO FALTA O SUBSÍDIO DE FÉRIAS.
    Um programa recente da SIC Notícias disse mentiras sobre o caso «Equador», que tem frases inteiras copiadas de «Cette nuit la liberté».
    MST é um «moralista» anti-Esquerda.
    A Censura anda muito activa nos comentários dos blogs. Espero que deixe passar este comentário.
    Em www.anticolonial21.blogspot.com está a verdade inconveniente sobre a cópia de partes de «Cette nuit la liberté» por Miguel Sousa Tavares para o livro «Equador».

    ResponderEliminar
  15. A supressão da vontade popular é feita à custa de muitos truques, e neste momento são muitos diques a tentar segurar a maré da revolta. Alguns já rebentaram (o grande Sócrates) outros estão prestes a rebentar catastroficamente (o futebol), vamos a ver se não vai haver aquelas cenas tristes do costume...

    Resta apenas um dique: a mentira que venderam ao povo sobre a "grande" Europa "civilizada", a Europa da prosperidade social-democrata e da cultura; essa mesma Europa não é civilizada, é colonial ao ponto de se colonizar a si própria, antes caçava e comia animais africanos, agora amputa e come os seus próprios braços e pernas. Isto acontece porque a velha Europa foi corrida a pontapé do resto do mundo, que pelos vistos não gostou muito da interacção com a "civilização".

    Venderam-nos o PS e o PSD que a adesão à União Europeia e à Zona Euro, bem como a adopção cega dos outros tratados do colonialismo europeu nos iria trazer prosperidade. Entretanto, dada a penosa realidade (de penúria de capital), mudaram de converseta Agora os "civilizados" europeus dizem-nos que se sairmos pelo nosso pé e os mandarmos à fava -- nada mais do que fizeram outros povos, noutros lados do mundo -- acontece-nos uma desgraça.

    Mas... que desgraça?! Nem estamos na situação de África! Temos ensino, temos universidades, temos capacidade de produção! Que desgraça é que nos pode acontecer que seja pior que isto?!

    ResponderEliminar
  16. Anónimo8/6/12 12:19

    9 000 /344 (milhões)=26,12 vezes.
    Tudo para os banksters,migalhas para a ralé!

    Até ao dia em que a raiva explodir

    ResponderEliminar
  17. Anónimo8/6/12 13:42

    cito:

    Anónimo disse...
    A malta não sai para a rua. Está quebrada, vive uma sociedade com o seu tecido social completamente rasgado por disparidades dignas de uma republiqueta ditatorial de África.

    Quem tem um pouco de juízo e jeito emigra (e ao contrários dos anos 60/70, para não mais voltar). Os outros baixam a cabeça ruminando tristemente.

    Um povo (sim com letra pequena) que não se indigna por ser roubado mas sim por não ter tido a "inteligência" de estar no lugar de quem os rouba também não merece melhor.

    D.S. Lukin


    ...E digo - FANTÁSTICO!!!

    ResponderEliminar
  18. Anónimo8/6/12 14:26

    a propósito de relva: jardim botânico esta em degradação já deve estar na mira da construção imobiliária!

    a propósito de estar na mira:
    mais uma greve da CP:
    ouvi dizer que grande parte dos administradores têm empresas de viação serão as greves fomentadas pela administração??? valia a pena uma investigação

    ResponderEliminar
  19. Anónimo8/6/12 14:30

    também ouvi dizer que a camionagem nem bate certo com os horários dos comboios "será de propósito???", então para certas deslocações onde se podia utilizar comboio e depois camionagem opta-se só pela camionagem não há-de dar prejuízo a CP aliada aos ordenados chorudos dos administradores.

    ResponderEliminar
  20. Anónimo8/6/12 14:31

    http://sol.sapo.pt/inicio/Economia/Interior.aspx?content_id=15675

    ResponderEliminar
  21. Isso de a malta estar quebrada...

    Há algumas pessoas que barafustam muito (e pouco fazem) quando em situação crítica. Outras (as mais eficazes, por sinal) ficam muito caladas, aparentemente imóveis, mas em momento de grande concentração. Como um felino, à espera do momento certo para atacar.

    E o português, como é? Leiam os livros de História, que lá está a resposta.

    De qualquer forma, digo-vos que nesta conjuntura bastaria uma voz de comando de força credível, como a do Mestre de Aviz e de Álvaro Pais, em 1383, para os portugueses saltarem todos para a rua. Eu vejo que o povo português está pronto; mas, por ora, falta coragem ou discernimento aos políticos que podem fazer a diferença.

    ResponderEliminar
  22. Anónimo9/6/12 14:06

    em 1383 não havia TV e os governos sabem bem disso! estupidificação das massas com novelas tonis carreiras idolos casas de segredos etc haveria de haver uma "censura" de lixo televisivo.

    ResponderEliminar
  23. Não havia a TV mas havia algo igualmente eficaz: o povo não sabia ler, e havia a igreja. Naquele tempo houve uma desavença na Igreja, um cisma como se dizia, com um papa "cismático" em França (apoiado por Castela e pelo Bispo de Lisboa, morto depois pelo povo revoltado de Lisboa) e o papa de Roma.

    Portanto, a TV da época estava em completo desalinho, e ainda por coma o Rei de Castela tinha-se alinhado com o papa "herege". O povo teve algum espaço para pensar pela sua cabeça, que não teria se Castela não se tivesse desavindo com Roma.

    Agora, é preciso não ser peigas (eh, eh, eh) e saber aproveitar oportunidades que hão-de aí aparecer, meus caros!

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo