domingo, agosto 12, 2012

Uma candidatura e uma sujestão


É domingo, estou cansado e não me apetece ficar mal disposto a ouvir notícias e a corja que nos anda a condenar à miséria e a roubar-nos a dignidade de seres humanos pelo que me apeteceu fazer mais um boneco da anedota do governo. Assim aproveito para deixar um ideia que apliquei durante as férias e que surtiu algum efeito. Comprem uns post-it amarelos, escrevam "Vai estudar Relvas" em cada folha e vão-os colocando por aí. Ficam bem em todo o lado, multibancos, montras, sinais, mesas de café, etc. Ele merece.

4 comentários:

  1. ainda vão inventar um novo subsidio ou taxa para a RTP já não chega o gordo perguntar aos gajos que vão ao preço certo o que levam para ele encher a pança, já o malato pede garrafas de vinho na decisão final e hoje de manhã uma gaja nas 7 maravilhas praias de portugal (+ 1 programa xunga) ao entrevistar uma veraneante vai-se-lhe á geleira saca de lá umas sandes e diz que é uma é para ela outra para o paneleirão baião e outra para a gaja que está com o baião e vai daí começa a morfar na sande gamada. Temos jornalistas com uma lata do caralho neste país (DEVE SER A LIBERDADE DE IMPRENSA OU É JORNALISTA DA LUSÓFONA?) será que é preciso apresentar queixa ao xulo do provedor da RTP para acabar com estas atitudes

    ResponderEliminar
  2. genial ideia! vou começar desde já a colar os postitos :)

    ResponderEliminar
  3. Eles é que fazem de nós anedota! E nós deixamos e alguns até acham graça!

    ResponderEliminar
  4. Caro amigo: certamente por distracção escreveu "sujestão" em vez de "sugestão". Vale o que vale, mas ainda não chegámos ao "vale tudo".
    E daí...
    Faz-me lembrar uma conversa antiga em que um colega dizia para o outro:
    - Como é que se escreve "quiser"?
    - É como se "quizer"...
    Quanto aos post-its, 'tá bem alembrado. Na próxima vez que for a uma repartição pública, roubo uns
    post-its (ladrão que rouba a ladrão...) e começo a distribuí-los por tudo quanto é sítio. Para o pessoal não se esquecer, que nunca vi povo de memória tão curta como o nosso...

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo