quinta-feira, abril 26, 2007

Porque hoje é Quinta-feira

Era ainda bem cedo quando a Sócretina chegou ao Palácio. Viu uma rede pendurada entre duas árvores e foi-se lá deitar a ler um livro. (Pelo que nos podemos aperceber pareceu-nos ser a nova edição de “Engenharia Civil para Totós). Pouco tempo depois, apareceu o Sr. Silva de Cravo Vermelho ao peito.
– Sócretina, então não me avisaste que tinhas chegado? Estás com um ar cansada.
– Oh Silva, tu é que tens razão, temos mesmo que mudar esta merda das celebrações do 25 de Abril. Vê lá que tive de abrir as portas de São Bento e aturar aquele povinho todo a meter o nariz por todo o lado. Até houve um que estava a abrir as gavetas, e quando lhe perguntei o que estava a fazer disse que andava à procura meu diploma de engenheiro para mostrar à mulher. Gente chata, o povo.
– A quem o dizes, também já tive disso aqui por Belém. Nesse dia, até tive de acalmar a Maria que queria correr todos à vassourada quando viu que lhe tinham sujo com lama o tapete da entrada. E logo quando que tinha passado toda a manhã de joelhos a esfregá-lo. Estava brava.
– E tu, que fazes com o raio de um cravo ao peito?
– Foi uma ideia da Maria. Até já ando a suspeitar que quando afirmou naquela entrevista que era de centro esquerda, não estava a mentir. Disse-me, que se fosse visto com o cravo, ia garantir que alguns desses esquerdistas votassem em mim daqui a três anos. Não gosto nada disto, mas se dizem que pode dar votos até ponho um ramo na cabeça. – Disse ele sorrindo.
– Tu tens cada uma, Aníbal. Já ontem me fartei de rir com aquela da classe politica mais qualificada para os nossos filhos e netos. Qualificados somos nós, eu Engenheiro e tu Economista.
– Há há há há, só tu para me fazeres rir. Mas anda daí, vamos para dentro.
– Oh Aníbal, hoje não estou mesmo para ai virada. Dói-me a cabeça.
– Dói-te a cabeça? Não vais começar também tu com essas desculpas da dor de cabeça. Já me chega a outra. Anda mas é daí que hoje estou com umas ideias novas: Eu PIDE e tu comunista. Anda. – Disse o Sr. Silva enquanto retirava a flor da lapela e lhe dava um pontapé. – Golo, grande golo.
– Com essa já me convenceste. Ajuda-me a levantar e vamos lá fazer o nosso 25 de Abril.
E lá foram andando para o Palácio deixando só um cravo amachucado caído no caminho.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

10 comentários:

  1. Estou aqui na tua casa desde as 6 e 30 da manha para tentar pôr a leitura em dia ...apesar de ter ouvido e visto a RTP-Africa todos os dias .Este fim de semana tb tentei abrir bem os ouvidos ...mas não bate a gota com a perdigota...É que a fabrica de bosta continua com as portas bem abertas e em pleno na questão da fabricação!!!
    Será que ja não existe pingos de vergonha?!
    Estes gajos estarão impunes ???!!
    Estou gravemente apreensiva!!!
    Beijão grande

    ResponderEliminar
  2. Dor de cabeça tem o povo e não é por isso que deixa de ser f... todos os dias por estes gajos...

    ResponderEliminar
  3. Execelente!Um bom texto que mostra a imaginação e a criatividade do dono do blog. Inevitável o riso.

    ResponderEliminar
  4. Laurentina:
    Só foi uma semana. Isto por aqui não mudou assim tanto como isso. Continua a vergonha que já conheces, mas não vamos parar e eles vão ter de dizer alguma coisa mais cedo ou mais tarde. Mais uma vez bem-vinda
    bjs

    ResponderEliminar
  5. Brit com:
    E o pior é que nem umas aspirinas lhe dão.
    bjs

    ResponderEliminar
  6. visitante27/4/07 01:54

    Que lindo diálogo, entre estes dois cepos!
    As dores de cabeça devem ser da dificuldade de interpretação do Guia para Totós. Só pode!

    ResponderEliminar
  7. visitante:
    Realmente a matéria é muito complicada e sem quem lha explique fica dificil.
    abraço

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo