segunda-feira, Abril 30, 2007

O grande antifascista madeirense

João Jardim chamou de fascistas a José Sócrates, Manuel Monteiro e Francisco Louça. Claro que em resposta já vieram vozes a relembrar que o mesmo Alberto João, no antes 25 de Abril, escrevia num jornal regional artigos em louvor ao antigo regime. Se as suas declarações não me surpreendem, já que atoardas destas são o pão nosso de cada dia na boca do burgesso, já a segunda muito me admirou, não por saber que apoiava o regime salazarento, mas porque desconhecia que o Bicho da Madeira soubesse sequer escrever. Assim continua a democrática campanha eleitoral naquela República das Bananas e, a cada dia que passa, mais me pergunto porque não se lhe oferece a independência Assim, livrávamo-lo a ele de aturar os “Cubanos contenentais” e a nós de o aturar a ele de uma vez por todas. Ficava toda a gente satisfeita.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

O cigarro da paz

Depois de um mês complicado, por se saber que afinal o Engenheiro é só um engenheiro assim assim e em que assistimos ao milagre da multiplicação de diplomas acompanhado de um atabalhoado tapar de buracos, em que quando tapavam um mais dois apareciam, parece que a calma voltou a São Bento. Como que por milagre, o assunto da licenciatura deixou de interessar e de ser noticia e o Paulo Portas apareceu para assombrar o já solitário Marques Mendes. Como isto podia não ser suficiente, o caso Bragaparques tomou conta da comunicação social. A Sócretina pode finalmente fumar um cigarro descansada e o pequeno Mendes vê o seu, também já pequeno mundo, ruir-lhe em cima. Ou a Sócretina tem realmente muita sorte e o destino gosta dela ou são cartas há muito guardadas na manga, e jogadas na altura própria. Não lhe queria reconhecer tanta competência, mas há momentos em que o acaso parece ser demasiado conveniente para ser só isso. A outra alternativa, só pode passar por a Sócretina andar carregada de patas de coelho, trevos de quatro folhas e ter uma ferradura atrás de cada porta.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

O ultimo tango em Lisboa

Vem ai nova ofensiva para a criação da Constituição Europeia. O Grande Português Durão Barroso, empregada da limpeza dos donos da Europa, nada atarefadíssima a tentar baixar-nos as calcinhas. Se o Sr. Silva, ao dizer que não é a favor de um referendo para a sua rectificação, parece que já as aceitou baixar, a Sócretina, não diz que sim nem que não, mas sabendo nós como ela por poder faz tudo, provavelmente está só a regatear o preço. Preparem a vaselina que eles vêm ai.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

Restos de colecção

Antes que mais esta imagem fique a apodrecer na pasta dos bonecos esquecidos até ao próximo 25 de Abril, vai já hoje para a blogosfera. Tenho que confessar que, para além da falta de tempo, também a imaginação e a paciência não andam nos seus níveis mais elevados. Sinto-me bloqueado, sem ideias. Não é a primeira vez que isto me acontece e espero que passe rapidamente e, já agora, que ninguém que cá vem o note. Por isso esqueçam que eu disse isto e fiquem com aquilo que deveria ser acompanhado por um texto sobre a importância excessiva que a comunicação social, com os seus comentadores e analistas, normalmente dá a discursos de ocasião do Sr. Silva e que espremidos, dizem o mesmo que disseram os dos seus antecessores. Mas como ando sem pachorra para escrever, vai mesmo assim.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

domingo, Abril 29, 2007

No Reino das Bananas

Na campanha eleitoral já por mais de uma vez ouvi o Bicho da Madeira ameaçar com a independência da ilha, ou melhor, ameaçar com a procura de outro país disposto a sustentar a seus gastos de gente rica, e a sua politiquisse de quero, posso e mando. O unico conselho que lhe posso dar é que não diga isso muitas vezes, não vão os "contenentais" fazer-lhe a vontade. Eu por mim, não faço muita questão em lhe chamar de português.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Multas privadas, despesas públicas

O governo vai acabar com a DGV (Direcção Geral de Viação), que tem 1100 funcionários, e substitui-la pela ASR (Autoridade para a Segurança Rodoviária) que contará apenas com 90. Com isto, mais de 1000 funcionários da DGV estão em risco de irem direitinhos para o quadro de supranumerários da Função Pública. Poder-se-ia pensar que, se 90 fazem o trabalho daquela gente toda, é porque andava muita gente sem fazer nada e se trata de uma boa acção de racionalização e poupança pública. Só que depois ficamos a saber que o mesmo governo também pensa contratar duas empresas privadas para tratar das multas de trânsito. Defende o Governo que o recurso a serviços jurídicos privados resultará num aumento da eficiência.
Ultimamente todos nós certamente notámos um aumento das actividades da polícia de trânsito e naquilo a que normalmente se chama a “caça à multa”. Muitos, como eu, pensei que se poderia tratar de o estado tentar aumentar os seus rendimentos, uma forma de ir receber mais dinheiro dos cidadãos sem ter de fazer mais um aumento de impostos. Como quem é multado, normalmente é porque fez uma transgressão, de poucos nos podíamos queixar. O pior é que pelos vistos os motivos eram outros. O que se pretendia era provar que se trata de um bom e rentável negócio para os privados.
Assim, destrói-se a vida de mais de mil famílias, o estado pouco ou nada deverá poupar, já que vai continuar a pagar uma percentagem dos vencimentos a quem vai para o quadro dos supernumerários e as empresas privadas certamente quererão receber uma boa percentagem das nossas multas. Reduzem-se funcionários públicos para mostrar em estatísticas, sem se provar que há redução de custos e sem se ter o mínimo de consideração pela vida das pessoas. Neste modelo de liberalismo em que vivemos, descartam-se as pessoas em nome de números. Será que este povo não está farto disto? Será que pensa que é só com os outros, que ele não tem nada a ver com isso? Será que não vê que o seu dia também se aproxima? Será que não preferem um país em que se pense primeiro nas pessoas do que nos dados estatísticos do Banco de Portugal? Será que já não estão fartos de ver os predadores privados a abocanhar tudo quanto é público? Será que não têm uma vontade enorme de ir para a rua e correr com esta canalha toda? Eu tenho.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

A Besta com 109 anos

A presença da direita nos meios de comunicação aumentou imenso nestes últimos tempo, o que mostra que uma campanha, aproveitando o favor que a RTP lhes fez ao promover a estupidez de um concurso para eleger o maior português de sempre, para a sua afirmação na sociedade portuguesa, está a decorrer. A minha posição normal perante esta gente é a do desprezo. Honestamente são gente que não me interessa. Se há quem queira abrir um Museu do Salazar, nada tenho contra, se lá se contar toda a história e todas as acções por ele feitas. Seria como fazer um Museu Hitler, onde para alem das fotografias de um bebé fofinho, de um miúdo de calções, também estariam as dos mortos e dos campos de concentração. Não acredito que, a não ser para muito poucos, aquela figura não saísse ao olhos de todos como um ser repelente. Afinal os seus actos falariam por eles.
Se falo aqui disto, é porque ouvi numa televisão alguém a dizer que, não admite que se continue assim a denegrir a imagem do Salazar”. Pois é, era só o que faltava que eu não pudesse dizer aquilo que desejar sobre uma coisa que cometeu tantos crimes. Fez ontem 109 anos do seu nascimento, mas se querem saber, 1968, o ano em que caiu da bendita cadeira e o de 1970 em que bateu as botas são datas bem mais importantes. Salazar, prendeu, matou, torturou, só pelo simples crime de opinião. Ele também não admitia que se falasse contra aquilo que ele queria. Só por isso mandava matar. Felizmente a besta arde num qualquer inferno e eu posso dize-lo.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

sábado, Abril 28, 2007

Restos de colecção

A Versão Oriental do Chicken-man

Ao longo do tempo alguns dos bonecos que tenho feito, por ao não serem publicados por outros assuntos ou outros bonecos terem ocupado o seu espaço, foram ficando para aqui a amontoar-se numa pasta meio esquecida. Tinha duas alternas, ou simplesmente os apagava, ou então utilizava-os sempre que o tempo apertasse. Claro que escolhi a segunda solução, afinal sempre é uma ajuda para quando estou mais aflito. Aqui fica portanto o primeiro destes restos de colecção, que esteve para ser publicado, primeiro quando o Sr. Silva visitou a Índia e depois quando iniciei uma pequena colecção dedicada ao chicken-man.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

Maças

Cuidados com as maças que este Engenheiro vai começar a oferecer agora que as sondagens começam a ser menos rosas e a mostrar mais alguns espinhos. Como aquelas que nos chegam da União Europeia, vêm muito bem embaladas, são muito bonitas e muito brilhantes por fora, mas estão envenenadas por dentro.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

O Escondidinho

Agora que já ninguém duvida que Carmona Rodrigues vai ser constituído arguido no Caso Bragaparques, onde anda Marques Mendes. Gritou por moralismo, e muito bem, nas ultimas eleições autárquicas, recusando apoiar as candidaturas de Valentim Loureiro e Isaltino Morais. Exigiu a suspensão de mandato a Fontão de Carvalho e Gabriela Seara, também eles arguidos no mesmo processo de permuta de terrenos da Feira popular. Não seria altura de não se esconder mais e vir a publico esclarecer qual a posição do PSD neste caso? Vai propor eleições autárquicas em Lisboa? Vai deixar cair o moralismo e deixar tudo como está? Vai deixar que Lisboa continue a agonizar?

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Novas Oportunidades 3

Para que a licenciatura do Sócrates não morra no esquecimento aqui tentarei publicar um post semanal para relembrar que há Engenheiros que constroem pontes e outros que nem uma barraca para cães eu lhes confiaria. A esses, não lhes dou uma nova oportunidade.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

sexta-feira, Abril 27, 2007

O Voo do anjo Carmona

Parece que este anjinho voou para o estrangeiro. Segundo o PSD era uma viajem já prevista, segundo as más-línguas é para evitar perguntas e dar tempo ao pequeno Mendes para pensar o que fazer e segundo as péssimas-línguas já estará a apanhar sol na praia de Ipanema, a fazer uma operações para esticar as peles e com o cabelo bem lourinho (ou isto foi a Felgueiras?). Seja como for não estará na altura de Lisboa exigir que esta cambada se ponha a andar e, de preferência com um bom pontapé no cu?

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

A Primavera do CDS

Vejam só o que desabrochou lá para o lado das Caldas.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

As asas do poder

Carmona Rodrigues apresentou uma proposta para que a Câmara de Lisboa suporte as custas dos processos em que são arguidos vereadores e ex-vereadores. Até ver, Fontão de Carvalho, Gabriela Seara e Eduarda Napoleão. A proposta baseia-se no estatuto dos eleitos locais, segundo o qual deverão ser as autarquias a pagar as custas judiciais dos processos em que os autarcas sejam arguidos devido às funções que ocupam, desde que os mesmos não decorram de prática dolosa.
Se do Processo Bragaparques não decorrem práticas dolosas para a autarquia, para a cidade e para os cidadãos tenho muitas dúvidas, mas não estará já a pensar que talvez, também ele, vá necessitar dos serviços de alguns advogados?

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Eleições na Madeira

O Rei da Madeira

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

quinta-feira, Abril 26, 2007

Oposição claustrofóbica

Pelos vistos a oposição sente-se claustrofóbica com a actuação do governo dos Sócretinos. Que sejamos todos nós a sentir-nos cada dia mais apertados, por impostos que não param de surgir e aumentar, por uma classe politica que cada vez mais distribui administrações e empregos aos amigos, enquanto para os outros o desemprego alastra e por uns meses que cada vez parecem maiores para salário que ganhamos, é compreensível, mas preocupante é que seja agora a oposição, perante uma situação paupérrima do pais, não encontre espaço de manobra para confrontar o governo. Isto só quer dizer que, este governo está a conseguir ocupar todo o espaço político do PSD, ao fazer a politica que ele próprio sempre desejou fazer e não foi capaz.
É preocupante porque esta politica está a arruinar o país, a disseminar a corrupção e a criar cada dia mais miséria.
É preocupante porque o maior partido da oposição se sente incapaz de fazer frente a isto por ser isto que também ele defende.
É preocupante porque a cada dia que passa aumentam as dificuldades e cresce a pobreza para os cidadãos.
É preocupante porque esta democracia só nos dá como alternativa mais do mesmo e, esse mesmo, não resolve os nossos problemas.
É preocupante porque vivemos numa Europa para a qual temos obrigações, mas que a cada dia está mais longe de nós.
É muito preocupante porque este caminha não parece levar a lado nenhum.
É muito, muito preocupante porque até o acto de votar se está a tornar cada dia mais claustrofóbico assim como a oposição que temos.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

O discuros Cavaquista do 25 de Abril

No seu discurso do 25 de Abril, Cavaco Silva afirmou:“De tão repetidas nos mesmos moldes, o que resta verdadeiramente da comemoração do 25 de Abril? Continuará a fazer sentido manter esta forma de festejarmos o Dia da Liberdade ou será tempo de inovar?”. “Preocupo-me sobretudo com o sentido que este dia da Liberdade possui para os mais jovens, aqueles que nasceram depois de 1974. É deles o futuro de Portugal. O que dirá este cerimonial às gerações mais novas?”

Depois de vermos desaparecer o Cravo da lapela do Presidente da Republica, símbolo do dia da liberdade, vem agora o Sr. Silva lançar mais umas farpas sobre o 25 de Abril. Efectivamente não sei se esta é a melhor forma de comemorar este dia, mas para quem desceu a Avenida da Liberdade e viu o número de pessoas que ai se deslocou para o festejar, não pode deixar de acreditar que ele ainda está bem vivo e que a esperança ainda resiste. Procurar retirar-lhe os símbolos e o sentido, transformando-o em mais um 10 de Junho não me parece ser a melhor forma de o defender. Bom seria que os nossos políticos retirassem aquelas gravatas que lhes apertam as gargantas e viessem para a rua, para junto do povo que os elegeu, gritar e agradecer a quem lhes permitiu estarem onde estão e serem aquilo que são hoje, em vez de fazerem estes discursos de ocasião, vazios de sentido e sobretudo de sentimento. A melhor forma de comemorar o dia da liberdade é vivendo-a, indo para a rua onde ela foi conquistada e mostrando que nunca mais aceitaremos mais mordaças.
Mas, como o Sr. Silva não parece pensar assim e não nos disse que formato defende para estas comemorações, aqui publicarei algumas sugestões que poderão ser do seu agrado. Esta é a primeira, muito voltada para a juventude. Talvez retomar a velha tradição de encher o Estádio Nacional com a Mocidade portuguesa a exibir-se para gáudio dos Senhores sentados em tribunas de honra. Claro que tudo isto sem cravo ao peito.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

Porque hoje é Quinta-feira

Era ainda bem cedo quando a Sócretina chegou ao Palácio. Viu uma rede pendurada entre duas árvores e foi-se lá deitar a ler um livro. (Pelo que nos podemos aperceber pareceu-nos ser a nova edição de “Engenharia Civil para Totós). Pouco tempo depois, apareceu o Sr. Silva de Cravo Vermelho ao peito.
– Sócretina, então não me avisaste que tinhas chegado? Estás com um ar cansada.
– Oh Silva, tu é que tens razão, temos mesmo que mudar esta merda das celebrações do 25 de Abril. Vê lá que tive de abrir as portas de São Bento e aturar aquele povinho todo a meter o nariz por todo o lado. Até houve um que estava a abrir as gavetas, e quando lhe perguntei o que estava a fazer disse que andava à procura meu diploma de engenheiro para mostrar à mulher. Gente chata, o povo.
– A quem o dizes, também já tive disso aqui por Belém. Nesse dia, até tive de acalmar a Maria que queria correr todos à vassourada quando viu que lhe tinham sujo com lama o tapete da entrada. E logo quando que tinha passado toda a manhã de joelhos a esfregá-lo. Estava brava.
– E tu, que fazes com o raio de um cravo ao peito?
– Foi uma ideia da Maria. Até já ando a suspeitar que quando afirmou naquela entrevista que era de centro esquerda, não estava a mentir. Disse-me, que se fosse visto com o cravo, ia garantir que alguns desses esquerdistas votassem em mim daqui a três anos. Não gosto nada disto, mas se dizem que pode dar votos até ponho um ramo na cabeça. – Disse ele sorrindo.
– Tu tens cada uma, Aníbal. Já ontem me fartei de rir com aquela da classe politica mais qualificada para os nossos filhos e netos. Qualificados somos nós, eu Engenheiro e tu Economista.
– Há há há há, só tu para me fazeres rir. Mas anda daí, vamos para dentro.
– Oh Aníbal, hoje não estou mesmo para ai virada. Dói-me a cabeça.
– Dói-te a cabeça? Não vais começar também tu com essas desculpas da dor de cabeça. Já me chega a outra. Anda mas é daí que hoje estou com umas ideias novas: Eu PIDE e tu comunista. Anda. – Disse o Sr. Silva enquanto retirava a flor da lapela e lhe dava um pontapé. – Golo, grande golo.
– Com essa já me convenceste. Ajuda-me a levantar e vamos lá fazer o nosso 25 de Abril.
E lá foram andando para o Palácio deixando só um cravo amachucado caído no caminho.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

O Tunel do Carmona

Foi finalmente inaugurado o Túnel do Marquês de Pombal. A Liga dos bombeiros profissionais de Lisboa vieram avisar para diversos problemas de segurança na sua concepção, o que coloca em causa a segurança para quem o utiliza, para além daqueles que já todos sabíamos existirem pelos níveis de inclinação existentes e que ultrapassam em muito todas as recomendações europeias. Contrariando esta ideia, apareceram depois os Sapadores Bombeiros a garantir a segurança do túnel e o Presidente da câmara a afirmar que é, de todos os existentes em Lisboa, o mais seguro. Perante estas opiniões tão divergentes, para que o túnel abrisse devia ser exigido a Carmona Rodrigues e a todos aqueles que põem a mão no lume pela segurança para quem o utilizar, que assumissem a responsabilidade civil e criminal por qualquer acidente que ai acontecesse. Talvez aí pudéssemos confirmar se todas estas certezas e essa confiança, são tão reais como nos querem fazer crer. É que depois de acontecerem as desgraças é vê-los todos a fugirem com o rabo à seringa e a lavarem as mãos das responsabilidades, para a culpa a morrer, como sempre, solteira.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

quarta-feira, Abril 25, 2007

Sentidas condolências

Há por ai más linguas que dizem que aquelas lágrimas não são sentidas.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

A Gárgula do Palácio

O Sr. Silva, foi no ano passado, o primeiro Presidente da República a não usar um cravo na lapela no discurso das comemorações do 25 de Abril. Sendo esse um direito que lhe assiste, mostra como cada vez mais há a vontade de transformar esta data em só mais um feriado sem carga politica e, sobretudo ideológica. Mas, enquanto houver alguém que se recorde do cinzentão salazarento e que ame a liberdade haverá sempre uma lapela onde um cravo florirá e uma voz que não deixará esquecer. Quanto a si Sr. Silva, pode estar descansado, que sempre que me apetecer faço um boneco seu com um cravo vermelho bem berrante na lapela. E olhe que é para o seu bem, para ver se não se transforma também num velho tão cinzento e caquéctico como o outro. O que caiu da cadeira, o Botas (Não confundir com o Fardas). Vais ver que um bocadinho de cor até te faz ficar com um aspecto mais saudável.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

Coitadinho do tiraninho


Este senhor...
É feito de sal e azar.
Se um dia chove,
A água dissolve o sal,
E sob o céu
Fica só azar, é natural

Oh, c’os diabos!
Parece que já choveu


Coitadinho
Do tiraninho!
Não bebe vinho.
Nem sequer sozinho…
Bebe a verdade
E a liberdade.
E com tal agrado
Que já começam
A escassear no mercado.
Coitadinho
Do tiraninho!
(de Fernando Pessoa)

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

Acabei de ver um programa de homenagem ao Zeca Afonso na TV feito na Galiza, e fiquei com vontade de escrever. Não sei bem o quê. Mas a vontade é grande. É daquelas coisas que crescem cá dentro e que a partir de um certo tamanho precisam de sair. De alguma maneira.
Então vieram-me à lembrança algumas memórias de 25 de Abril de 1974, um dia claro, bonito, com uma das mais belas alvoradas de sempre.
A maior parte das pessoas preparavam-se para mais um dia tristonho, cinzento e escondido. Muitas pessoas esperavam, em celas de prisões, por liberdade. Muitas pessoas esperavam que os seus filhos não morressem em África. Muitas pessoas preparavam-se para mais um dia em que falariam às escondidas de outras pessoas.
Muitas pessoas faziam contas às suas vidas e preparavam-se para sair de Portugal, também às escondidas, à procura de uma vida melhor ou para evitar que os seus filhos fossem para a guerra. Havia ainda alguém que imaginava o dia em que poderia sair à rua e gritar. Gritar tudo, muito, sem contenção, tudo o que lhe ia na alma. E que era bastante.
Nessa manhã, porém, a luz do sol era diferente. Mais brilhante, mais clara e mais nítida, e com um poder mágico de fazer sorrir as mulheres e os homens, os velhos e os novos, os gordos e os magros, os altos e os baixos, os feios e os bonitos, os brancos, os pretos, os azuis, os amarelos, os verdes, os vermelhos e até os roxos.
Então toda a gente veio para a rua. Era ver para crer. Para crer que era desta. Era desta que ia acabar a noite longa, os dias sem luz. Era desta que Portugal ia começar a ser justo, amigo do próximo, instruído, culto, saudável, crescido, desenvolvido, livre.
Já os soldados estavam na rua. Desde bem cedo, ainda madrugada, os soldados saíram dos quartéis e dirigiram-se para os locais onde as sanguessugas moravam, essas sanguessugas que se alimentavam do povo e o enfraqueciam. Que faziam do povo, um povo triste, sem garra, sem sonhos. Para depois melhor poderem pisar, humilhar, prender ou matar, sempre que fosse necessário. O povo apercebeu-se imediatamente e juntou-se ainda mais nas ruas, agora ao lado dos soldados. Era preciso ajuda? o povo está aqui, ao vosso lado, para o que der e vier. Vamos aproveitar, não haverá outra oportunidade. Os soldados agradeceram. Agradeceram a força do povo, que era muita, era tanta força que era desconhecida por muitos até então. Os soldados agradeceram as sandes, a água, o vinho, as sopas, os sorrisos, as palavras de incentivo. Mas sobretudo a alegria. A alegria imensa que rejuvenesce, que não mente porque é franca, que nos enche o espírito de ideias e projectos e que nos dá o dom da compreensão quando olhamos para o outro e nos vemos a nós próprios.
De repente, alguém trouxe cravos. Vermelhos. E as pessoas agarraram nos cravos e puseram-nos nas pontas das espingardas.

Texto do nosso amigo José Leitão


25 de Abril, SEMPRE!

Abril de1974 foi há… 33 anos e eu tive a grande sorte de nessa altura já ter entendimento suficiente para apreciar a grande felicidade que essa revolução trouxe subitamente aos rostos das pessoas. Vivi esses momentos e os que se seguiram com o espanto disponível para a novidade que há nos olhos das crianças. Vi os retratos cinzentos de Américo Tomás e Marcelo Caetano a serem retirados da parede da minha sala de aula e de repente tudo ganhar côr. O país encheu-se de bandeiras cinco dias depois, no primeiro 1º. de Maio, e eu relembro desse dia a euforia dos milhares de pessoas que enchiam a Alameda e que se olhavam nos olhos e se abraçavam experimentando a nova sensação da liberdade. Na minha casa viveu-se Abril intensamente, apaixonadamente. E o Maio, maduro Maio. E o Verão quente de 75. Estava-se ainda muito longe de imaginar que os ratos continuavam a roer… Os cravos foram belas flores de paz e liberdade mas não fizeram a limpeza necessária. No velho país dos bufos e dos generais os bufos e os generais continuaram a minar os alicerces da revolução. “Já murcharam tua festa, pá, mas certamente esqueceram uma semente nalgum canto do jardim/ Manda novamente algum cheirinho de alecrim”, cantava Chico Buarque em 1978, lançando já então a sua mensagem de alerta e de esperança. De Abril resta-nos principalmente a liberdade de expressão e uma aguda consciência de não querermos que o tempo volte para trás, jamais. Mesmo as saudades que tenho desses dias, não são saudades do passado mas sim saudades de um futuro em que a semente da esperança ainda florirá. Na minha querida concepção de utopia como possibilidade real sinto esse germinar cada vez mais urgente, pois cada dia que passa maiores e inadiáveis vão sendo os motivos que nos dão. Toda a revolução eclode do bater no fundo. Temos essa consciência? Podemos nós esperar por mais essa descida aos infernos?

O povo saiu à rua num dia assim. Todos eram povo. Velhos, jovens, militares, professores, estudantes, operários todos. Um cravo era igual à arma. O fim da guerra, a nossa flor vermelha à paz e à liberdade de a empunhar. Por um país melhor, nessa renovada primavera de Abril.

Depois foi isto que aconteceu, muito rapidamente, para o nosso mal.

Hoje estamos aqui, pior?, saudosos de um outro Abril que só ainda não aconteceu.


Era um puto de 16 anos e não houve aulas

Há um ano escrevi este post contando como foi vivido dia 25 de Abril por mim. Como a esperança existe sempre para quem ama a liberdade, quem sabe não terá o meu filho a sorte de viver, também ele, o seu dia em que tudo parece ser possível, o amanhã é uma página em branco onde todos os futuros podem ser escritos e eu a felicidade de estar a seu lado.

Acordei naquela manhã como em qualquer outra manhã, com a correria do lavar, vestir, comer, o beijinho de – Até logo e porta-te bem e o correr de novo para apanhar o comboio das quarenta e dois. Vão entrando mais amigos e mais colegas, os de Oeiras da Parede até todos juntos entrarmos pela escola dentro. Logo surgiu o Director e alguns professores a dizer-nos que não havia escola, – Vão todos para casa.
Logo ali a ideia, que fazer com este dia livre. Discutia-se a hipótese Praia da Zambujinha quando, chega a notícia de que há uma revolução em Lisboa com soldados e tanques. Nem se discutiu mais e lá fomos todos a correr, uma vez mais, para a estação. A confusão, o que seria, haveria tiros e as informações de quem também viajava e que tinha ouvido dizer.
Cais do Sodré e lá fomos nós, de novo a correr, Tanques, soldados e o, – Para trás, – Vão para casa. Ali passámos todo o dia correndo Lisboa de baixo para cima e de cima para baixo. Foi durante esse dia que Portugal, um país a preto e cinzento, ganhou cor. O vermelho dos cravos, o brilho dos risos, tudo era alegria e cor. Foi como se o mundo se tivesse aberto e jorrado toda uma nova gente que até ai eu nunca tinha conhecido. Gente solidária, amiga, alegre, colorida. Cor, havia cor por todo o lado. Até os velhos fatos cinzentões pareciam ganhar cor com aquele simple cravo na lapela.
Foram tais as sensações e emoções que vivemos nessas intermináveis horas, hoje já tão curtas, que fizeram daquele dia um dos mais inesquecíveis da minha vida. Nem mesmo o raspanete monstruoso e uma mãe, preocupadíssima, quando finalmente cheguei a casa, já noite, alteraram o sentir desse dia. 25 de Abril, Sempre.

Aqui sentado , olho para a jarra cheia de cravos vermelhos que a minha companheira ali colocou hoje e não posso deixar de pensar – Fui um puto com muita sorte e ainda sou.

terça-feira, Abril 24, 2007

O Sonho do Sr. Silva

Como nos aproximamos do 25 de Abril e isso cria em mim sempre um espírito mais fraterno, resolvi tentar ajudar o Sr. Silva. Um homem simples como ele, para quem ler algo com mais páginas que uma factura é um sacrifício e, que na sua juventude se habituou a trabalhar com as suas próprias mãos na bomba de gasolina do pai em Boliqueime, aquela vida passada no palácio de Belém deve ser um enorme pesadelo. Por isso aqui lhe deixo a sugestão. Abra a sua própria bomba de gasolina à porta do palácio. Cumpra o seu sonho de atestar depósitos e de lavar uns vidros. Vai ver que se vai sentir muito mais útil à sociedade e muito mais satisfeito com a sua vida. A Maria, entre lavar a louça do almoço e aspirar a sala, poderá facilmente assinar aquela papelada sempre tão chata e tão cheia de letras. E, depois ainda há quem diga que eu não sou um gajo porreiro.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

O Grande negócio

Para alguns, Correia de Campos, é o Ministro da Saúde, para outros, o Presidente da Comissão Liquidatária do Serviço Nacional de Saúde. Ainda hoje foi noticiado que centenas de médicos estão a abandonar os hospitais públicos para entrarem nos privados, que agora começam a inaugurar um pouco por todo o lado. Finalmente os Melos e outros grandes grupos económicos vêm a sua luta de anos ser recompensada, o serviço público a ser desmantelado e o grande negócio de muitas centenas de milhões ser-lhes servido de bandeja, ironicamente pelo mesmo partido, o dito socialista, que tinha pensado e implementado a saúde para todos. Foi mesmo dito na inauguração do um novo e luxuoso Hospital privado, com a presença do Presidente da Republica e do Sr. Ministro, que é este o melhor negócio logo a seguir ao da venda de armas.
Muitos afirmaram que o SNS é uma despesa demasiado elevada para o estado e que consome muito dos seus recursos, ou seja dos nossos impostos. Vamos agora ver quantos desses recursos e impostos não irão ser pagos, por esse mesmo estado, a esses hospitais privados, quando para fazer uma operação ou prestar um qualquer serviço de saúde, virmos os utentes serem reencaminhados para eles. Toda aquela preocupação com a despesa do estado, que muitos “vampiros” se queixam, não está em o estado a fazer, está simplesmente em não a fazer dando-lhes o dinheiro a eles. Ai, deixará de ser uma despesa incomportável para o estado, para passar a ser um investimento na saúde dos portugueses.
Já agora, só uma pequena chamada de atenção para os médicos que tão apressadamente vão atrás do engodo privado. Podem agora ir para hospitais com melhores condições, irem ser mais bem pagos, mas quando o serviço público estiver completamente destruído, passarão a ser impotentes perante a gula dos grupos económicos e verão as suas condições de vida e a sua saúde financeira ser reduzida drasticamente. Não é a primeira profissão, nem será a ultima, em que isso tem acontecido.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Filmes do Palácio de Belém

Porque me apeteceu, e porque um Presidente da República não pode ser uma Rainha decorativa que não serve para coisa nenhuma, embora neste caso não preste mesmo para nada.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Mais uma para o dia do Mundial Livro

Como é o dia mundial do livro, fui aos arquivos mortos, lugar sombrio onde alguns dos bonecos que por falta de oportunidade uns, ou porque outros lhes foram retirando a vez, repousam abandonados. Foi de lá, que no meio da poeira retirei este velho livro para recomendar a sua leitura. Nele são relatados diversos crimes, que vão desde o assassinato do Serviço Nacional de Saúde, Policias que em Belém olham para o lado para nada fazerem, histórias de licenciaturas duvidosas, assassinatos políticos, traições partidárias e mesmo a venda de um país. Para quem tenha estômago para tanta porcaria.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

segunda-feira, Abril 23, 2007

Dia Mundial do Livro

Integrado no Dia Mundial do Livro, apresentamos aqui em primeira edição a obra-prima de Maria de Lurdes Rodrigues, Mona Vazia, ou como lixei a escola pública. Aplaudido pela critica mais liberal esta obra mostra como em apenas dois anos se pode abrir o caminho à futura gestão privada das escolas e como se transformam os educadores dos nossos filhos, os professores, em inimigos públicos da sociedade e culpados do estado em que se encontra a educação em Portugal.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

Dia Mundial do Livro

Uma proposta do WeHaveKaosInTheGarden, integrada na Campanha "Novas Oportunidades" promovida pelo governo Sócretino. Vamos fazer de Portugal um país de Engenheiros.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

O Castigo divino

Alberto João Jardim defendeu que os problemas de José Sócrates na polémica sobre o seu percurso académico são um:
"castigo divino pelo mal que está a fazer à Madeira e aos portugueses".
"Nosso Senhor não castiga nem com paus nem com pedras. Ele (José Sócrates) quis fazer mal a tanta gente que agora está a ser castigado".

O Bicho da Madeira no seu melhor e a campanha promete palhaçada que baste. O WeHaveKaosInTheGarden agradece.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Ainda em Exibição

Esta tragédia, feita com grandes orçamentos europeus, estreada com toda a pompa e circunstancia, retrata a estranha ironia do "fado" deste Portugal. Um pequeno país no canto de um continente, terra de heróis e aventureiros que deram novos mundos ao mundo, virando-se para todo este oceano que o banha para se ver agora afundar, qual Titanic, exactamente no momento em que vira as costas às suas costas para olhar terras da Europa. Uma grande produção que deu um péssimo filme, sobretudo para os figurantes.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

domingo, Abril 22, 2007

Novas Oportunidades II


Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

Novas Oportunidades 1


Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

As Contas do Sócrates

... mais 15 a Inglês Técnico e 18 a .....

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

O Paulinho está de volta

O Méééér da direita portuguêsa

Como já todos sabíamos que iria acontecer, o Paulinho das feiras lá ganhou as directas do CDS. Muitos dizem que agora sim, o Sócrates vai ter adversário. Olhando para o passado não me parece que deva andar muito preocupado com isso, mesmo que agora o Portas tenha tirado a farda de homem de direita para vestir a de centrista. O mais certo será mesmo que acabem por se beneficiarem mutuamente, afinal partilham mais semelhanças que diferenças.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

sábado, Abril 21, 2007

A pequenez de Marques Mendes

Hoje pelos vistos, estou a matar saudades desta gente que há já tanto tempo me tem servido de inspiração neste blog e que ultimamente se tem escapado. Com toda esta confusão Sócretiniana e toda esta engenharia a ela associada, este pequeno personagem político quase caiu no esquecimento. A verdade é que injustamente, já que conseguiu estar calado quando podia ter falado, falar quando devia estar calado e fazer perguntas para depois desistir sem ter as respostas que exigia. Este coitado, nem com os problemas dos outros consegue não ser ele a fazer figura mais triste de todas. Mais que não seja, porque sendo ele o líder da oposição consegue ser o melhor argumento para que o Sócrates se mantenha no poder. A tal porra de conversa do “vejam quais são as alternativas”. Os lixados, como sempre, somos todos nós.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Porque me apeteceu

Não sei porquê, mas sentia saudades de fazer bonecos do Isaltino.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Tempos de pirataria

Eu que até moro aqui no Concelho de Oeiras, já tinha saudades de fazer aqui um post sobre o Pirata Isaltino Morais. Hoje, lá me apareceu ele na televisão a clamar pela sua inocência agora que foi acusado de mais umas trafulhices. Triste é ver a nossa justiça a trabalhar a passo de caracol e que investigações de 2003 só agora cheguem à fase de acusação. Com mais uns recursos, atrasos e tretas isto ainda se vai arrastar por muito tempo e, enquanto isso, ele continua como presidente da câmara a lixar o concelho e a engordar cada vez mais. Quando tudo estiver resolvido já ele se poderá reformar e ir viver que nem um nababo para a Suiça ou outro qualquer país que não esteja no fundo da cadeia evolutiva da Europa ou para um qualquer paraíso terceiro mundista. Afinal a pirataria ainda é um negócio lucrativo.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

O Filme da Semana

“Pivete, a história de uma licenciatura” é a versão portuguesa do sucesso “Perfume, a história de um assassino” Também não estavam à espera, que com a falta de meios existentes no país, fossemos realizar uma grande produção tipo “A Sócretina e os 40 ladrões”, “ Portugal, o Titanic da Europa” ou “Os gangs de São Bento”. É que a vida não está fácil.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

sexta-feira, Abril 20, 2007

O Velho Ogre da politica

Não vou aqui discutir o papel politico de Mário Soares no pós 25 de Abril, embora tendo vivido toda essa época, tenha sobre o assunto as minhas ideias e até alguns factos e opiniões, (muitas vezes contraditórias sobre o que fez, quais as suas alianças e as suas motivações e o que o levou a tomar certas altitudes em determinados momentos). Só o chamo aqui à baila porque ontem apareceu no jantar de 34º aniversário do PS. Realmente não havia necessidade de ver o homem que colocou o socialismo na gaveta, vir agora aplaudir o homem que o mandou para o lixo. Teria sido mais honesto, que como fundador do Partido Socialista, ir ali sugerir que lhe mudassem o nome para Partido Liberal ou qualquer coisa do género. Afinal o nome é a unica coisa que resta de socialista naquele partido.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

Decência, Superioridade e Elevação

«Queremos uma democracia de valores, uma democracia fundada no respeito pela tolerância e pelo adversário político, na lealdade do confronto político, no livre confronto de ideias. Uma democracia que tenha decência, superioridade e elevação, porque esses são os valores e exemplo que queremos dar aos portugueses».
José Sócrates, numa intervenção feita no jantar do 34º aniversário do PS.

Tinha de chegar o dia em que concordaria com algo que o Sócrates dissesse. Penso que todos nós defendemos uma democracia com valores. A decência é sem duvida um deles. Pena que não utilize na prática aquilo que diz no discurso político. De palavras bonitas temos os ouvidos cheios, mas isso não enche barrigas. Somos o país com maior desigualdade social e com mais pobreza da Europa. Uma democracia decente, superior e elevada não pode viver paredes-meias com a miséria. São trinta e quatro anos de um partido que de socialista já só lhe resta o nome. Um nome tão enganador como quem o dirige e controla. Um nome tão enganador como os pilares de mentira que o sustêm. Não é verdade, engenheiro Sócrates?

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

Eu sou de esquerda

Antes de escrever a razão que me fez fazer esta imagem há uma coisa que me parece importante ser dita, para que não fiquem dúvidas a ninguém. Eu, não sou do PCP nem pertenço a nenhuma outra organização ou partido político, mas sou definitivamente um homem de esquerda. Quem tenha chegado de novo a este blog, e muitos foram nos últimos dias, não terá lido posts mais antigos onde sempre o afirmei. Tenho uma divida de gratidão para todos aqueles homens e mulheres que fizeram o 25 de Abril, talvez o dia que mais influenciou a minha vida. Foi o dia em que um país a preto e branco, cinzentão, mudou e me fez ver pela primeira vez como era belo viver num país a cores. Devo-lhes a liberdade e o prazer que ela me deu quando a saboreei pela primeira vez. Era um jovem de 16 anos que de repente desembarquei num maravilhoso mundo novo. Devo-lhes isso tudo e muito mais. Mas, como dizia, sou de esquerda, acredito que o homem é mais importante que as estatísticas do Banco de Portugal. Acredito na liberdade como algo de essencial para nos fazer gente completa, gente viva. É por isso que não posso aceitar a posição do PCP quando vetou a possibilidade de o Gato Fedorento, Ricardo Araújo, discursar na manifestação do 25 de Abril. Não quero saber se ele em tempos pertenceu à Juventude Comunista e resolveu sair. Não posso aceitar que isso, ou outra qualquer justificação cale uma voz que quer falar em nome da liberdade. Não foi esse o 25 de Abril que eu vivi, não é esse o 25 de Abril que eu quero ver nas ruas de Portugal. Não há vetos para a liberdade, porque no dia em que o aceitarmos é o primeiro dia em que a perderemos definitivamente.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Politica de Comunicação dos Sócretinos

Video informativo e formativo para distribuir por todas as redações de orgãos de comunicação social.

Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

quinta-feira, Abril 19, 2007

O Homem de muitos fatos

Os governos PS sempre tiveram um jeito especial para escolher Ministros da Economia. Sócrates tem o Manuel Pinho, o Guterres tinha Pina Moura. Este senhor é um dos casos mediáticos de maior promiscuidade entre a política e os grandes barões do dinheiro. Deputado do PS, acumulava com o cargo de Presidente da Iberola Portugal. Muito se falou como era possível que estas duas situações pudessem coexistir, sabendo-se dos interesses dos Espanhóis no mercado da energia em Portugal e ser a Assembleia da Republica a sede legislativa da nação. Ao fim de todo este tempo, resolve sair finalmente de deputado e abandonar todos os cargos de dirigente no PS para aceitar o convite para se tornar também Presidente da Administração da Média Capital, empresa que detêm a TVI. Com ele leva um outro deputado do PS, José Lemos.
Numa altura em que tanto se fala de pressões do governo sobre a comunicação social, este será certamente mais um caso muito falado. Por mim o Super Pina Moura bem pode abandonar a politica definitivamente que não vou chorar nenhuma lágrima por isso. Pena é que não abandone também o país e vá definitivamente para Espanha, afinal parecem gostar tanto dele.

Contribuição para o Echelon: Kwajalein, LHI

Porque hoje é Quinta-feira

O Sr. Silva andava de um lado para o outro, como uma fera enjaulada.
- Que horas são isto? Ela que não há maneira de chegar e é quase noite.
Neste dia a Sócretina tinha adiado a visita ao Palácio para mais tarde. Num bilhete que enviou afirmava: Desculpa lá Anibalzinho, mas amanhã vou ter um dia muito ocupado, mas passo por ai mais para o fim da tarde.
A Maria que entretanto ia lavando um vidro da janela, abanava a cabeça disse:
- Hoje andas que parece doido desde a manhã. Tem calma que ela já chega. Vocês dois deviam era ter vergonha de serem unha com carne em tudo e em todo o lado. O que as pessoas devem pensar de vocês.
Nesse momento, quando o Sr. Silva lhe ia responder, toca a campainha e ele lança-se pelo corredor fora em passo apressado. Abriu a porta e lá estava ela, toda rosa, toda afogueada de ter subido as escadarias a correr.
- Sócretina, finalmente chegaste.
- Oh Aníbal, nem sabes o dia que tive hoje. Tanta coisa para fazer que não parei um minuto - respondeu a Sócretina.
Sem a deixar entrar em casa, o Sr. Silva pegou-lhe no braço e dirigiram-se para o jardim.
- Mas afinal que andaste tu a afazer todo o dia? – Perguntou-lhe.
- Nem queiras saber. Com aquela merda de me andarem agora a chatear por causa do diploma de engenharia, tive de andar a por tudo certinho. O Gago telefonou-me aflito, a dizer que não ia ser pelos seus lindos olhos que a UNI não ia rebentar a bomba. Lá tive eu de ir à Universidade, mascarada de inspector, para sacar de lá o meu processo, não fossem encontrar mais alguma coisa. Só ai, perdi montes de tempo porque, como nunca lá tinha ido, perdi-me no caminho. Depois queimar meia dúzia de diplomas que tinha para lá. Era uma confusão e já nem sabia qual era o último que tinha mostrado na televisão. Aquilo estava tudo com notas e datas diferentes. À hora do almoço ainda tive de telefonar ao Arouca para o avisar que lhe ia mandar mais dois ou três trabalhos de Inglês e para ele não se esquecer de os assinar com a data da altura. Já tenho os meus assessores a faze-los.
- Mas Sócretina, tu devias mesmo tirar o curso. Podias aproveitar aquela coisa que agora há aí. As novas oportunidades.
- Depois ainda chumbada e então é que ia ser uma barrigada de riso do povinho. Nem pensar. Só se pedisse ao Vara que me escolhesse uns professores fixes que aceitassem os testes por fax.
- Já não andas farta disso de ser Sra. Engenheira? Não preferes ir lá para dentro para me fazeres uns projectos de resistência de materiais? – Disse ele com um brilhozinho nos olhos. Sem mais conversas entraram pela porta que se fechou nas suas costas.

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

Que rica familia

No meio de toda esta desgraça, trapaça e fumaça em que sobrevive este governo, ontem aconteceu uma coisa que me fez ficar satisfeito. Passei os olhos pelo debate entre o Ribeiro e Castro e o Paulo Portas e, para minha grande alegria, lembrei-me que não tenho de escolher entre nenhum daqueles dois trastes. Mais, depois de os ouvir um bocadinho percebi que felizmente nunca passarão do partido do táxi (com ou sem um deputado escondido no fundo do carro por causa da policia). Que canastrões que aqueles dois me saíram

Contributo para o Echelon: spies, IWO, eavesdropping

Os inspectores, o processo e as investigações

A Inspecção do Ministério da Educação esteve na Universidade Independente para sacar o processo do Sócrates. Perante a recusa da UNI em o entregar voltaram depois para levar todos os processos de todos os alunos. Há algumas perguntas que podem ser feitas. Vejamos:
A UNI afirmou que não entregava o processo porque se recusa a divulgar dados sobre assuntos privados dos seus alunos. Até aqui tudo bem, mas depois afirmou que os inspectores já uma vez tinham recusado levar o processo quando a UNI o quis fornecer. Afinal fornecem ou não fornecem os dados pessoais da vida dos alunos? Ou mudou a politica da universidade neste ultimo mês? Ou nas ultimas 24 horas?
A outra pergunta é para o Ministério que acusou a UNI de obstuir as investigações. Investigações? Afinal estão a ser feitas investigações sobre o processo do Sócrates. E, se assim é, porque ouvimos o Mariano “Olhos mais lindos” Gago dizer “Já nada me incomoda”?
Para quem depois ouviu a conferência de imprensa que ia ser, mas não foi, bombástica talvez a explicação seja fácil. O nada dizer de relevante e o desconhecer quando as contradições eram colocadas foi aquilo que se viu. O que mudou de ontem às 6 da tarde, em que ia rebentar a bomba atómica e as 20 horas de hoje em que nem uma rabicha se viu? O que mudou na cabeça dos responsáveis da UNI?
Mas, isto ainda não acabou, e basta estar atento ao que vai ser o futuro da Universidade ou dos seus responsáveis para se poder encontrar a resposta a estas perguntas.

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

quarta-feira, Abril 18, 2007

Não há festa onde a Sra Constância não meta o nariz

Em Portugal existem muitos políticos, com particular incidência na raça dos economistas, de quem não gosto muito e até sinto algum desprezo. O Sr. Constâncio, digníssimo senhor vindo da área socialista, (há gente que não tem mesmo vergonha nenhuma), há anos na presidência do Banco de Portugal, onde se atribuiu a si mesmo um ordenado milionário, futuras pensões e indemnizações de fazer corar qualquer cidadão, acérrimo defensor da “contenção salarial”, para os outros, para os que menos têm, grande fazedor de relatórios encomendados e autentico “Zandinga” das contas públicas em que só acertas nas previsões depois do fim do jogo, vem agora do alto da sua clarividência dizer-nos que temos de mudar a lei laboral.
Que eu saiba, não votei nele e não lhe compete, como Presidente do BP, andar a dizer como devem ser as leis em Portugal. Estará ele com problemas de produtividade lá no banco? Deixe isso das leis do trabalho para os políticos, patrões e trabalhadores. A assembleia da Republica não necessita dos seus “bitates” para lixar os trabalhadores; eles já o sabem fazer bem mesmo sem ajuda. Raios partam esta gente, que do alto do seu conforto e das suas mordomias, manda bostas de saber para lixar o Zé-povinho. Ao menos tenham a decência de se manter calados e tentem passar despercebidos para que não nos lembremos das sanguessugas que são dos dinheiros públicos.

Contribuição para o Echelon: NATOA, sneakers, UXO

Partilhe