domingo, agosto 13, 2006

O Padrinho Marcelo

No Expresso desta semana, e evocando os 100 anos do nascimento de Marcelo Caetano, o outro Marcelo, o Rebelo de Sousa, escreve um artigo em que o elogia nas suas vertentes pessoais, profissionais e politicas.
Sendo filho de gente apoiante e colaboradora do regime salazarista e apadrinhado por tal personagem, Marcelo Revelo de Sousa, teria tido um futuro garantido nesse regime, assim como conseguiu ter neste, sobretudo a partir do momento que o 25 de Abril perdeu a sua cor e se confunde cada vez mais com o cinzento marcelista do Caetano. Compreende-se facilmente que, a nível pessoal e de relação entre as famílias, o elogie, já que, deve ter tido todos os empurrões” que necessitou. Se a nível académico já se pode colocar uma maior dúvida, quanto às suas posições como ideólogo do regime e da Mocidade portuguesa, a nível político choca ver defender tal personagem. Houve, na altura, a esperança de uma “Primavera Marcelista”, com um abrandamento do regime fascista, mas a verdade é que isso nunca aconteceu, com a manutenção da guerra colonial, da censura, da polícia política, da prisão e da tortura para os opositores do regime. Marcelo, o Caetano, foi um ditador, e não adianta tentar branquear este facto.

.
Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

8 comentários:

  1. Fui ao Porto ver os Stones e tu não páras a produção. Gostei especialmente dos posts sobre o afilhado.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. o fim do regime já aconteceu a mais de 30 anos...mais aninda há um ranso de coisa velha no ar...começando pelo "prof. Martelo"...o sujeito acha que sabe de tudo...atira para todo lado e simplesmente esquece que seu telhado é de vidro...
    Ele era outro que deveria se meter num buraco escuro e de lá nunca mais sair para dar os seu palpites de treinador de bancada...ahhhhhhhhh
    Ih...eu hoje estou tão ácida!!!!

    ResponderEliminar
  3. É de facto uma vergonha o que se está a passar neste país. O que esses "fazedores de opinião" querem branquear é o 25 de Abril e aquilo que ele realmente significou para o povo que, contra todos os avisos, não se conteve e saiu para as ruas exigindo o fim do regime cinzento(o que é feito dessa gente?). Assistimos agora à tentativa desesperada da reescrita desse capítulo da História recente por gente sem vergonha na cara, nem escrupulos, nem sentido da verdade. O Marcelo é um palhaço desses; o Pulidos Valentes e Portas uns autênticos fantoches da mestria da deturpação da História em geral. Felizmente sempre vai aparecendo quem os desmascare na altura certa!

    ResponderEliminar
  4. 25 de abril?
    qual 25 de abril?

    ResponderEliminar
  5. este tipo está acima de conceitos como ditadura ou democracia. essas ideias são para ingénuos, para gente pérfida o q existe são oportunidades - e este sempre as teve à fartazana. agora anda pelo mundo a agradecer aos amigos.

    ResponderEliminar
  6. o que digo lá em cima serve para eles todos.
    Pena que as pessoas lhes dêm crédito. A história parece nunca ter sido o forte do pessoal...e a boa memória também parece que não...
    Jinhos

    ResponderEliminar
  7. huuumm, eu gosto do home pá. prontos, já disse, há muitos outros que me repugnam mais.


    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Não se esqueçam de comparecer na Basílica da Estrela, às 18h do dia 17 de Agosto para comemorar os 100 anos do seu desaniversário. Vai haver missa.
    Já agora que tal levarmos um cravo vermelho ao peito?

    ResponderEliminar