quarta-feira, dezembro 20, 2006

O Surrealismo Português

A Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP) apelou hoje aos grupos parlamentares que alterem a Constituição em defesa do direito à greve para os polícias, na petição que entregou na Assembleia da República a exigir que a questão seja debatida no hemiciclo.
In (Publico)

Nunca, jamais, em tempo algum.
(António Costa, Ministro da Administração Interna)

Contributo para o Echelon: 15kg, DUVDEVAN

23 comentários:

  1. e não é que concordo?
    Penso (acredito) que as forças de segurança e de defesa não devem ter direito à greve. Acredito tb que devem ter compensações várias para as recompensar por essa perda de direitos.

    mas Greve?

    Nope. A mil por cento, que não.

    ResponderEliminar
  2. Esta é para o Kaos ou para quem quiser pesquisar.

    Para encontar um Politico honesto
    1 Vai ao Google (http://www.google.pt)
    2 Digita: politico honesto
    3 Clica em "Sinto-me com sorte" e não em "pesquisa Google"

    Agora vê o resultado...
    Depois digam alguma coisa

    ResponderEliminar
  3. Lamento ter de concordar. a seguir aos polícias ladrões, vêm agora os polícias grevistas? Não!

    O não-direito à greve vem no pacote...quando se entra numa profissão em que, de modo geral, se tem o direito de não fazer nada.

    Imaginemos:
    - Está lá? É da esquadra? estão assaltar a minha casa, com mulher efilha lá dentro. Rápiodos, sejam rápidos, por favor. A minha morada é...
    Pi...pi...pi...
    (recorded voice)
    - Pedimos desculpa, mas estamos em greve. Os nossos serviços reabrem amanhã das ...

    Por favor, senhores cívicos!...

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Querida mulherzinha dois pontos

    Fui à procura de um "político honesto" stop

    Vou demorar algum tempo stop

    Volto logo que encontre o primeiro stop

    Não te esqueças do casamento do nosso neto stop

    Olha que 25 anos passam num instante stop

    Um Beijo stop

    ResponderEliminar
  5. Obrigado pelos comentários no meu cantinho e aproveito também para te desejar a ti e respectiva família um Bom Natal.
    Realmente tenho andado um pouco arredado apenas por manifesta falta de tempo, um ppouco também por causa da época natalícia, mas vou voltar em grande.
    Quanto ao ao Costinha veremos se daqui a uns anitos quando largar o ministério manterá a mesma opinião.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  6. Nunca, jamais, em tempo algum, este país vai sair da cepa torta com governos destes.

    ResponderEliminar
  7. Acredito,cada vez mais,que tenho que despir "a farda" e abordar de uma forma muito séria a questão da segurança.
    Não aceito que a nossa segurança faça greve.Em contrapartida,tenho que lhes proporcionar todas as condições possíveis para que ela possa funcionar,para bem de todos nós.
    Mas também não teremos que aturar um maluco qualquer,armado em "sindicalista",a atirar autênticas barbaridades daquela boca para fora.

    ResponderEliminar
  8. um verdadeiro ministro do interior...
    como sou cidadão de um país onde a polícia além de poder fazer greve está ao serviço dos cidadãos e tem um enorme respeito por estes - e até detém candidatos às eleições presidenciais por conduzirem "sob influência" ou rebenta a tiro os pneus do carro oficial de um embaixador do rectângulo que, a conduzir emborrachado, alegava imunidade diplomática - as palavras desta alimária tem, para mim, o mesmo significado que efluências de uma cloaca!
    abraço

    ResponderEliminar
  9. Esse nem com um saco de plástico preto.

    Quem vai para a carreira militar tem que estar sujeito às regras, se não querem ser cidadãos comuns, não podem fazer para se-los. Qualquer dia temos greve estilo Robocop!

    ResponderEliminar
  10. Mais uma vez não pude deixar de colocar "o imperador socrates, cardeal-mor do reyno" nas crónicas do reyno.
    Bom Natal, um abraço, ruy

    ResponderEliminar
  11. Roubei-te mais um boneco e postei sobre a matéria no PEDECABRA.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  12. Rui:
    Também eu concordo que qualquer força armada não poderá nunca fazer greve. o que estranho é este surrealismo português em que um Ministro tarta de assuntos de Policia (como fizeram com os militares) na praça pública. Este tipo de profissão não pode ser gerida e tratada desta forma
    abraço

    ResponderEliminar
  13. henry Pote:
    Eu quero acreditar que é possivel criar essa figura do Politico Honesto. Há é que acabar com esta sociedade voltada para a competição, para o lucro, para o dinheiro. Restaurar valores morais e de vida, entender que estamos todos no mesmo barco e que todos podemos ter a nossa parte e que essa parte é mais do que suficiente para vivermos em sociedade. Até lá....a busca é correcta.
    abraço

    ResponderEliminar
  14. Jorge:
    Como disse ao Rui também não defendo a greve, não posso é concordar que forças de segurança e governo discutam problemas laborais na praça publica.
    Quanto aos politicos honestos é bom saber que só faltam 25 anos para se poder encontrar um
    abraço

    ResponderEliminar
  15. Corcunda:
    Não tens nada que agradecer, é sempre um prazer lá ir.
    Quanto ao tempo não sabes como te entendo. Isto agora é feito sempre a correr.
    Relativamente ao udarem de opinião espero que não, porq ue ver policias em greve ia ser estranho.
    abraço

    ResponderEliminar
  16. Veliberalino:
    Com este não vai e com outro do mesmo género também não. Há que mudar não só as politicas, mas sobretudo as mentalidades.
    abraço

    ResponderEliminar
  17. aminhapele:
    Concordo contigo que é inaceitavel que estes assuntos possam ser discutidos nos orgãos de informação. Estes assuntos são de segurança interna e êm de ser resolvidos nos gabinetes.
    abraço

    ResponderEliminar
  18. luikki:
    Vivemos num país de vendidos onde cada classe só olha para si e só se levanta em protesto quando a porrada lhes chega a casa. E, não é por falta de aviso que a coisa mais dia menos dia vai chegar a todos. Com o desemprego vai ser o mesmo, vamos ver acontecer com o nosso visinho mas só nos vamos revoltar quando bater à nossa porta. Dorme povinho dorme.
    abraço

    ResponderEliminar
  19. dae-su:
    Por esse motivo essas carreiras deviam ser bem pagas e bem armadas para cumprirem a sua missão e não haver esta berraria que só cria a insegurança.
    abraço

    ResponderEliminar
  20. Ruy:
    Mais dia menos dia vai ser Imperador ou Papa. Ainda lá vai chegar.
    abraço

    ResponderEliminar
  21. aminhapele:
    É só pegar e levar.Obrigado por dizeres.
    abraço

    ResponderEliminar
  22. Como os lavadouros públicos estão a desaparecer...
    jinhos

    ResponderEliminar
  23. Caros amigos, é com prazer que os vejo interessados na discussão dos assuntos de segurança. Se hoje se fala no assunto greve é porque o governo leva a isso. Senão reparem, um agente de policia sujeito a tudo, ganha em média 800€, quando o governo admite que até 2011 o ordenado mínimo passará para 500€, será justo?
    O Sindicato em questão frisou bem que só obriga a esta discussão por o governo não respeitar a Lei 14/2002, que define a negociação com os sindicatos da policia, em matérias importantes para o pais e para os portugueses. Pergunto se alguma vez ouviram os sindicatos da policia a reivindicar aumentos, não, ouvem sim a pedir meios e condições de trabalho, que como sabem virá obrigatóriamnete a reflectir-se na sua função de prestar o serviço público para o qual se comprometeram.
    Os profissionais da segurança pública não prestaram juramento de serem "escravos", trabalharem quase à borla", e outros condicionalismos internos e externos.
    Se para efeitos de deveres e retirada de direitos são funcionários públicos, então porque não para as outras questões.
    Qual o receio de greve na segurança? Acham que os policias não sabem da sua obrigação. Será melhor continuarmos a assistir a este estado de coisas, sem fazer nada, dando azo a resposta como a do ministro António Costa, ou a vermos quase semanalmente as esquadras a cair e os policias a ir para o hospital? Vamos ficar de braços cruzados? Vamos ser sérios? Já se questionaram para onde vai o dinheiro das contra ordenações pagas? E o porquê da pressão interna para as autuações?
    Muito teríamos a dizer ao senhor ministro e ao pais dizemos para não se deixarem levar por propaganda.

    ResponderEliminar