quinta-feira, julho 13, 2006

O Big-brother Português

Dois dirigentes do PCP form constituidos arguidos por "manifestação ilegal"
.
Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.
.
Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.
.
Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.
.
Logo a seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso, também não liguei.
.
Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde.
.
A Indiferença de Bertolt Brecht
.
Sei que há gente por ai, que não partilha comigo de algumas preocupações que aqui tenho colocado, sobre a nossa liberdade estar a ser ameaçada. Tenho referido, várias vezes, o facto de considerar que a informação que nos é transmitida pela comunicação social não ser livre, mas controlada pelos seus donos, os grandes grupos económicos. Já ouvi gente conceituada da nossa praça, defender que se deveria silenciar o “ruído”, feito por aqueles que falam contra as grandes estratégias necessárias para o desenvolvimento do país, e que com isso a prejudicam. Já ouvi profissionais serem proibidos de falar para as rádios e televisões pelas administrações, públicas e privadas, ou pelos seus patrões. Vejo agora dois dirigentes partidários serem acusados de manifestação ilegal. Vejo o Sócrates, usar como argumento para responder ao Jerónimo de Sousa na AR, que ele é que teve mais votos e que por isso o PCP não deveria criticar, como se ele não tivesse ganho as eleições apresentando um programa eleitoral que rasgou mal chegou ao poder. Chamem-me paranóico, mas infelizmente continuo a ver a nossa liberdade ameaçada, e não quero deixar de o dizer antes que esse direito também me seja retirado.
.
Contributo para o Echelon: Electronic Surveillance, MI-17

20 comentários:

  1. E contigo faço coro, meu amigo! Magnífico esse poema do Brecht com o qual tive contacto bem adolescente ainda e que sempre me impressionou. Ele traduz um momento da vida política que assenta que nem uma luva, ao que se passa também hoje.
    E antes que seja tarde...
    Bjinhos

    ResponderEliminar
  2. tb:
    Obrigado. Também foi um poema da minha adolescencia e que me tem acompanhado toda a vida, porque penso sempre nele quando vejo alguem em dificuldades. Nada garante que eu não seja o próximo. Mais que não seja por egoismo sentimos a necessidade de nos empenharmos nos problemas dos outros.
    bjinhos

    ResponderEliminar
  3. Estou contigo kaos, vivemos uma liberdade muito redundante tem que haver vozes de discórdia, insentas, como este blog, para que se pense de outra forma.

    ResponderEliminar
  4. dau-su oh:
    Obrigado pelo apoio e ainda bem que há mais quem acredite qu há outras formas de pensar e outros "discursos" diferentes a fazer.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. E alguma vez houve liberdade genuína?! Que na mercearia se fale mal deste ou daquele político (o que é pouco provável)e entre colegas e amigos se comente, se barafuste contra o governo...pronto, assim se fica com a ilusão democrática, até porque há eleições e por aí fora.
    Sugiro a leitura deste link: http://resistir.info/varios/manipulacao.html

    ResponderEliminar
  6. partilho inteiramente das tuas preocupações!
    a democracia que nos estão a "servir" está contaminada com coisas bem pior do que salmonelas e, em breve, se não temos cuidado, somos "internados"....

    ResponderEliminar
  7. maeve:
    Pode-se sempre questionar o que é a liberdade e se ela existe de forma genuina. Ainda não fui seguir o link que indicas (vou já mal acabe este comentário), mas independentemente disso há direitos que tenho e não quero perder. Nem que seja dizer mal na mercearia.
    bjos

    ResponderEliminar
  8. luikki:
    Internados e coma o sistema de "saude" que temos não ocuparemos o quarto durante muito tempo. Entramos directamente para a série "7 palmos de terra".

    ResponderEliminar
  9. Mais um post que assino por baixo e se não fosse por comungar das mesmas preocupações que tu, seria inevitavelmente por me recordares este sempre verdadeiro e actual poema de Brecht.

    Pois é... na minha adolescência também tive a fase de Bretch, que chegou a ser uma mania quase patológica, tal a lucidez e realismo que via em todas as suas palavras.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  10. Oop´s!...

    Correcção ao segundo parágrafo: Brecht, Brecht, Brecht, Brecht.

    ResponderEliminar
  11. piresf:
    pelos vistos vivemos algumas vidas paralelas,quer nos gostos, quer nas ideias. É bom não nos sentirmos sozinhos nas nossas preocupações.
    um abraço

    ResponderEliminar
  12. kaos

    é evidente que alguma limitação existe naquilo que se diz e escreve, mas se a coisa fosse não dramatica, não teriam os políticos tanto medo como têm da comunicação social e das fugas de infirmação, as coisas não estão tão controladas a ssim..

    "a situação é desesperada mas não é séria..." lol

    beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Cristina:
    Aquilo de que os politicos têm mais medo é realmente das fugas de informação, engendradas por outros políticos com o apoio de um grupo económico. Só quando um ataque é a hipotese de alguem se sentar no lugar do outro.
    Mas, esse não é o único sinal preocupante quanto às restrições da liberdade. Há muitos outros que vão surgindo de "mansinho" como quem não quer mais nada. Mas estão a aparecer.
    bjinhos

    ResponderEliminar
  14. Mais uma vez partilhamos opiniões semelhantes. Essa também é uma preocupação minha há muito tempo.

    Bem escolhido o poema. Para variar tabém o conhecia da minha juventude.

    Um Abraço

    ResponderEliminar
  15. pseven:
    pena é que este sentimento e este receio que partilhamos não se espalhe para "parar" as nuvens que já se advinham. Vale que a esperança é a ultima a morrer.
    um abraço

    ResponderEliminar
  16. Your website has a useful information for beginners like me.
    »

    ResponderEliminar
  17. I find some information here.

    ResponderEliminar